ACP MOTORSPORT


EM PORTUGAL DINHEIRO SO PARA...FUTEBOL

ESTADO COM DIVIDA DE 2 MILHÕES DE EUROS AO ACP REFERENTE AO RALLYE PORTUGAL 2010 E 2011

O Automóvel Clube de Portugal, através do seu Presidente Carlos Barbosa, veio afirmar que o Instituto do Desporto de Portugal ainda não pagou os 2 milhões de Euros em falta relativos às edições de 2010 e 2011 do Rali de Portugal.

Segundo informação da RTP e de outros orgãos de comunicação, Carlos Barbosa disse que o anterior secretário de Estado do Desporto, Laurentino Dias, disse que dava essas verbas, mas o contrato nunca chegou a ser assinado.

Refira-se ainda, que por diversos momentos, mesmo na apresentação do Rali de Portugal de 2011, Carlos Barbosa afirmou que sem esse dinheiro não poderia haver Rali de Portugal. Certo é que a edição de 2011 se realizou e agora resta saber se a edição 2012 não será afectada por estas notícias.




http://www.ralisonline.net/


NUNO DINIS

RALLYE CENTRO DE PORTUGAL 2011


REGRESSO AO BOM PASSADO

Já é conhecido oficialmente o regulamento da próxima prova do Campeonato de Portugal de Ralis, o Rali Centro de Portugal, organizado pelo Clube Automóvelque vai para a estrada no dia 17 de Setembro.

Trata-se de uma prova profundamente renovada, tal como o Ralis Online já tinha anunciado, quer em termos de estrutura quer em termos de troços, num regresso aos bons ralis dos anos 80 e 90.

O rali terá 10 provas especiais de classificação, mais uma dupla passagem por uma super-especial, em sistema de rondas duplas de troços, que permite, segundo a organização, aos adeptos acompanhar toda a prova.

A primeira secção é constituída por uma dupla passagem por Caranguejeira com 7,7 Kms (igual ao de 2010) e Matas/Espite com 12,63 kms (aproveita cerca de 30% do troço Olival/Óbidos de 2010 sendo o restante totalmente novo).

Totalmente nova é a segunda secção, nunca antes usada em troços de ralis, sendo disputada à tarde. Dupla passagem por Carnide com 7,7 Kms e Mata Mourisca com 16,5 Kms, ambas dentro do Concelho de Pombal, próximo da E.N. 1 e a cerca de 35 Kms da Marinha Grande. São estradas regionais, quase sempre em bom piso, com excelentes acessos embora com características diferentes dos troços da manhã.

A derradeira secção, já depois das 19 horas, leva o rali para a zona de São Pedro de Moel, mas num esquema completamente diferente do usado até agora. Dupla passagem por Canto Ribeiro com 6,5 kms, num troço que aproveita a "nata" dos troços daquela zona e depois duas passagens pela Super-Especial (3,5 Kms) que utiliza parte da estrada de São Pedro Moel / Marinha Grande.

A partida do rali é às 9 horas da manhã, terminando na Marinha Grande pelas 23 horas, fazendo os concorrentes 109 Kms ao cronémtro e 213 Kms em ligação, num esquema muito interessante, que permite acompanhar a par e passo toda a prova.

Quanto ao Regional Centro vai realizar as primeiras seis especiais de classificação, podendo depois disputar facultativamente a super-especial.

Os reconhecimentos estão limitados a apenas ao dia 16 de Setembro, que será 6ª feira antes da prova.







http://www.ralisonline.net/


NUNO DINIS

PEUGEOT SPORT



IRC – BARUM RALLY ZLIN (7/11)

26 a 28 de Agosto de 2011



OS PEUGEOT 207 S2000 NO “COVIL” DOS RIVAIS




Organizado, sem interrupção, desde 1971, o Barum Czech Rally Zlin tem, este ano, a 41.ª edição. Ao beneficiar de uma indescritível popularidade é um pilar, incontestável, do Campeonato da Europa e do Intercontinental Rally Challenge. Para as equipas Peugeot o desafio não é fácil, porque os seus rivais “jogam em casa”.


Sem direito de errar

“Vamos ao terreno dos nossos adversários, apostados em derrotá-los, mas sabendo que não temos o direito de errar. No final do Barum Rally ficam quatro provas do IRC por efectuar”, afirma Frédéric Bertrand, responsável pela Competição dos Clientes Peugeot Sport. “Face ao número de resultados que são considerados para a atribuição dos títulos e considerando os coeficientes que serão aplicados nas duas últimas provas, conservamos reais possibilidades, quer no que respeita ao título de pilotos, quer ao de construtores. Este é o momento de inverter a tendência”.



Regressar às vitórias

A época de 2011 dos Peugeot 207 S2000 começou bem, com duas vitórias em dois dos mais célebres ralis do IRC, Monte Carlo, por Bryan Bouffier, e Volta à Córsega, com Thierry Neuville. A partir daí tudo se tornou mais difícil. A marca checa tem uma vantagem de 63 pontos sobre a Peugeot. “Nada está perdido, mas é altura de alterar a situação”, lembra Frédéric Bertrand. “O calendário dita que, desta vez, os pilotos das nossas filiais tenham de competir no terreno dos nossos adversários. Contudo, isso não impediu que por duas vezes, em 2007 e 2008, o 207 S2000 tivesse ganho o Barum. Em 2009, foi segundo, com Kris Meeke. No ano passado, a duas especiais do fim, Bryan Bouffier estava no comando, quando um duplo incidente o privou da vitória. Uma vez mais contamos com ele para complicar a vida aos nossos adversários e, se possível, ganhar”.



Bryan Bouffier pronto

Três vezes campeã da Polónia, a dupla Bryan Bouffier e Xavier Panseri conhece muito bem as provas que têm lugar no este da Europa, como é o caso do Barum Rally. “É uma prova magnífica” afirma o piloto da Peugeot França. “O ambiente é fantástico, a lista de inscritos de qualidade e as estradas variadas, sendo por vezes largas e rápidas, mas o mais normal é serem estreitas e com lombas. Por sua vez, a instabilidade das condições atmosféricas faz com que tudo seja, ainda, mais complexo. O ano passado estive na frente, mas a luta foi muito cerrada e a escolha de pneus teve uma importância capital. Sinto-me à vontade e como a Peugeot e eu precisamos de um bom resultado vou fazer tudo para o alcançar”.



Thierry Neuville e Guy Wilks à caça de pontos

Ao contrário de Bouffier, Guy Wilks e Phil Pugh, inscritos pela Peugeot UK, e Thierry Neuville e Nicolas Gilsoul, que representam a Peugeot Bélgica-Luxemburgo, têm um fraco conhecimento das dificuldades da prova.
“Tal como o Bryan, estamos à procura de resultados”, dizem em coro. “É por isso que o primeiro objectivo é terminar. Isso vai permitir que continuemos na luta pelo título de pilotos e ajudar a Peugeot a chegar ao ceptro de construtores, pelo que não nos podemos contentar em ser figurantes. Tivemos uma sessão de testes e os 207 S2000 estão prontos para enfrentar as dificuldades. Temos de começar por tirar as melhores notas nos reconhecimentos e depois fazer uma prova inteligente, gerindo os nossos esforços para conquistar um lugar no pódio. Não vai ser fácil, mas é preciso acreditar”.



Pavel Valousek com o Peugeot da República Checa

Para o sucesso da 41.ª edição do Barum Rally muito contribui o facto de haver 122 equipas inscritas, no lote das quais se incluem alguns especialistas locais. Entre eles, Pavel Valousek, um dos melhores pilotos checos e presença habitual na prova, tendo já terminado várias vezes no pódio, como sucedeu no ano passado, em que foi terceiro. Este ano, participa no campeonato checo, ao volante de um 207 S2000 inscrito pela Peugeot da República Checa, acompanhado por Zdenek Hruza. “A sessão de testes que fiz com o Guy Wilks e o Thierry Neuville vai permitir-nos alinhar à partida nas melhores condições”, afirma Pavel. “Mesmo que sejamos muitos a desejá-lo, quero chegar ao pódio”.

A lista de inscritos integra 28 S2000, dos quais oito são Peugeot 207 S2000. Um deles é tripulado por Luca Betti e Maurizio Barone, segundos na classificação provisória do Campeonato da Europa, com o piloto italiano a querer aproveitar a prova checa para se aproximar do seu compatriota Luca Rossetti, que comanda o “Europeu”.
De assinalar que o polaco Michal Solowow, acompanhado por Maciej Baran, terceiro em Ypres, está de volta ao IRC na prova checa, ao volante de um Peugeot 207 S2000.



NUNO DINIS

CARAMULO MOTORFESTIVAL 2011

BREVES

Bi-Campeão Mundial de Ralis marca presença no evento


Armindo Araújo no Caramulo Motorfestival


Tal como na edição de 2010, Armindo Araújo, o agora Bi-Campeão Mundial de Ralis, vai voltar a ser um dos pilotos a apadrinhar o Caramulo Motorfestival.
O piloto estará presente durante os 3 dias do evento, fazendo subidas da Rampa do Caramulo consecutivas a bordo do seu Mini Countryman S. Ao seu lado irão subir alguns convidados e vencedores de passatempos, a quem será proporcionada uma experiência inesquecível cheia de adrenalina.




Lenda Americana no Caramulo Motorfestival


NASCAR regressa à Rampa do Caramulo


Depois do enorme sucesso em 2010, a organização do Caramulo Motorfestival vai voltar a incluir na Rampa do Caramulo o Chevrolet Monte Carlo das corridas NASCAR, continuando assim a sua constante aposta na variedade, diferenciação e dinâmica do evento.
O ensurdecedor veículo da Algarve Racing Services correrá durante os dois dias onde fará subidas com convidados e vencedores de passatempos.



Ford patrocina Caramulo Motorfestival



A Ford, uma das marcas mais antigas e prestigiantes de automóveis do mundo, voltou a patrocinar o Caramulo Motorfestival, que irá decorrer nos dias 2, 3 e 4 de Setembro no Caramulo.
A presença da Ford, que entra no evento através da Garagem Lopes, contará com a participação da avioneta acrobata da marca, que irá animar os céus do festival e da Serra do Caramulo.




Clubes Porsche e Citroën no Motorfestival



Tanto o Porsche Club Portugal como o Club 2CV/Dyane de Portugal, marcarão presença no Caramulo Motorfestival, no Sábado e Domingo respectivamente.
Os dois clubes levarão até ao Caramulo, juntamente com outras concentrações de automóveis, mais de 100 automóveis, podendo estes ser visitados de perto no Parque de Clássicos do evento, onde ficarão estacionados.




HM Racing Team anima Motorfestival



A HM Racing Team, equipa que disputa o actual Campeonato Motosport de Velocidade de motociclos, vai estar pelo segundo ano consecutivo presente no Caramulo Motorfestival.
Os quatro pilotos da equipa, Tiago Dias, José Leite, José Silva e Nuno Caetano, farão subidas da rampa em motos Suzuki GSX-R1000, de forma lúdica, para as delícias dos amantes das duas rodas.



Passeio Histórico Salamanca-Caramulo



Além dos já habituais Passeio Histórico Viseu-Caramulo e do Rally Histórico Luso-Caramulo, a sexta edição do Caramulo Motorfestival vai voltar a contar com o passeio vindo de Salamanca em Espanha, reforçando assim a componente internacional do evento.
Desta forma, e organizado pelo Car Club de Salamanca, o Passeio Histórico Salamanca-Caramulo vai trazer ao Caramulo Motorfestival 25 automóveis clássicos, que chegarão ao Caramulo no domingo, dia 4 se Setembro, ao meio-dia, ficando depois em exposição em frente do Museu do Caramulo e no Parque de Clássicos.



M80 apoia Caramulo Motorfestival



A rádio M80, do grupo Media Capital Rádios, vai apoiar o Caramulo Motorfestival através de uma parceria que visa a cobertura do evento com reportagens e publicidade em antena, para além da realização de passatempos e promoções.
Desta forma, a estação oficial do evento vai oferecer aos seus ouvintes bilhetes de entrada no Museu do Caramulo assim como a possibilidade de subir a Rampa do Caramulo ao lado do piloto Armindo Araújo, actual Bi-Campeão Mundial de Ralis.




Nutroton SGPS patrocina Motorfestival




A Nutroton SGPS, uma das empresas emblemáticas da zona centro de Portugal será patrocinadora oficial do Caramulo Motorfestival, que irá decorrer nos dias 2, 3 e 4 de Setembro.
A empresa, que actua nos sectores da avicultura, indústria e energias renováveis, entres outras áreas, e que tem sede no Caramulo, tem sido um dos apoiantes de longa data do Museu do Caramulo e das suas actividades.



Público apoia Caramulo Motorfestival



O jornal Público é o mais uma vez media partner do Caramulo Motorfestival - Festival de Veículos Clássicos e Desportivos, que irá decorrer nos dias 2, 3 e 4 de Setembro.
O apoio do Público terá a forma de canal de divulgação do evento, além da promoção em que oferece um bilhete de adulto na compra de outro para visitar o Museu do Caramulo durante os dias do evento.


 
 
RTP apoia Caramulo Motorfestival




A RTP voltou a juntar forças com o Museu do Caramulo como parceiro do Caramulo Motorfestival, numa parceria que visa a cobertura do evento com reportagens e publicidade em três dos seus canais além da realização de passatempos e promoções.
Assim, a RTP vai oferecer, através do seu site, a possibilidade de subir a Rampa do Caramulo no lugar de co-piloto num automóvel de competição.



CM Tondela patrocina Caramulo Motorfestival



A Câmara Municipal de Tondela vai mais uma vez apoiar o Caramulo Motorfestival - Festival Internacional de Veículos Clássicos e Desportivos, que irá decorrer nos dias 2, 3 e 4 de Setembro de 2011.
Tal como na edição anterior, o apoio da Câmara Municipal assume várias formas, mas o principal incide sobre a montagem de rails na mítica Rampa do Caramulo, uma das atracções principais deste evento organizado pelo Museu do Caramulo.




Estradas de Portugal patrocina Motorfestival



A Estradas De Portugal é o mais recente patrocinador do Caramulo Motorfestival - Festival Internacional de Veículos Clássicos e Desportivos, que irá decorrer nos dias 2, 3 e 4 de Setembro de 2011, na Serra do Caramulo.
O apoio das Estradas De Portugal vem assim fortalecer o leque de patrocinadores do evento, reforçando a ligação do desporto automóvel à questão da prevenção rodoviária.




NUNO DINIS

WRC- RALLYE DA ALEMANHA



OGIER ESTREIA-SE A VENCER NO ASFALTO


Depois de ter ficado decidida a vitória no Rali da Alemanha na derradeira especial do segundo dia, o último dia foi um passeio para quase todos os participantes.
Sebastien Ogier limitou-se a não errar, optando sempre por evitar cortar bermas e zonas mais sujas dos troços de modo a não furar, enquanto Loeb optou por manter alguma pressão sobre o seu colega (não fosse acontecer um problema) embora também sem correr riscos.
Apesar de polémica, devido às supostas ordens de equipa para o segundo dia, Ogier subiu ao segundo lugar do mundial, estando a 25 pontos de Loeb, quando faltam quatro provas para terminar a temporada.
Neste último dia destaque para a desistência de Kris Meeke, que começou o dia mal, com um furo e uma saída de estrada, para depois vir desistir com problemas eléctricos no Mini na penúltima especial.
Mads Ostberg teve ainda uma violenta saída de estrada, apesar de felizmente ter só havido danos materiais, enquanto Henning Solberg teve problemas com o travão de mão e Petter Solberg teve ainda uma saída de estrada, mas qualquer deles não perdeu as suas posições.
Latvala voltou a furar e a ter uma saída de estrada, vencendo ainda um troço neste dia, num rali para esquecer do Finlandês, situação que é extensível a Mikko Hirvonen que ficou em 4º lugar atrás do Mini JCW WRC, na estreia deste carro no asfalto.
Com a desistência de Mekke, Armindo Araújo subiu ao 8º lugar, um bom resultado à geral (e o melhor de sempre do português em provas do Mundial), mesmo tendo passado o dia a poupar a mecânica do Mini.

Três Ford Fiesta S2000 no pódio do SWRC, com Tanak a vencer de forma conclusiva, ficando na frente de Al-Attiyah e Turan, numa prova marcada por muitos furos e muitas incidências, na qual Bernardo Sousa terminou na 8ª posição, depois de mais 15 minutos perdidos no penúltimo troço.


LÍDERES DO RALI:
Jari Matti Latvala (Pec 1); Sebastien Ogier (Pec 2); Sebastien Loeb (Pec 3 a 13); Sebastien Ogier (Pec 14 a 19)

VENCEDORES DE TROÇOS:
Jari Matti Latvala (3); Sebastien Ogier (6); Sebastien Loeb (2); Mikko Hirvonen (1)



CLASSIFICAÇÃO FINAL

1º Sebastien Ogier – Citroen DS3 WRC 3h21m15,9s
2º Sebastien Loeb – Citroen DS3 WRC a 39,8s
3º Daniel Sordo – Mini JCW WRC a 1m55,6s
4º Mikko Hirvonen – Ford Fiesta WRC a 2m43,6s
5º Petter Solberg – Citroen DS3 WRC a 3m48,0s
6º Kimi Raikkonen – Citroen DS3 WRC a 7m24,6s
7º Henning Solberg – Ford Fiesta WRC a 7m45,9s
8º Armindo Araújo – Mini JCW WRC a 9m29,8s


PILOTO DE RALI
Sebastien Ogier

MOMENTO DO RALI
Furo no Citroen De Loeb na 14ª especial

MENOS DO RALI
Ford




http://www.ralisonline.net/


NUNO DINIS

IVO NOGUEIRA



Objectivos alcançados


Ivo Nogueira voltou a estar em bom plano numa prova que desconhecia por completo e que marcou a sua estreia a nível internacional. O jovem piloto português obteve o 12o lugar absoluto no tradicional Rali de Ferrol, em Espanha, sendo um dos concorrentes mais rápidos entre os veículos de tracção dianteira, num evento que serviu sobretudo para preparar a derradeira fase do CPR e CPR2.
Numa prova muito competitiva e repleta de viaturas S2000, Grupo N, S1600 e com um Porsche 997 GT3, o do vencedor Sergio Vallejo, Ivo Nogueira suportou as exigências de um rali novo para si e bastante extenso, vindo a rubricar tempos de bom nível durante o primeiro dia do evento. No sábado, alguns problemas físicos (gastroenterite) condicionaram a sua prestação mas o jovem português conseguiu levar o Citroën DS3 R3T até ao fim e acumular uma experiência valiosa.
"Foi um rali muito disputado e difícil mas penso que os objectivos foram totalmente cumpridos", referiu o piloto de 21 anos. "Os troços na Galiza são bastante técnicos, mas tal como na Madeira voltámos a acumular quilómetros e experiência numa prova que não conhecíamos. Foi uma boa aprendizagem para mim e sobretudo uma forma de preparação para os nossos grandes objectivos, o CPR e o CPR2. Espero estar em pleno nessa fase", concluiu Ivo Nogueira.





NUNO DINIS

WRC-ARMINDO ARAUJO



MELHOR RESULTADO DE SEMPRE


Armindo Araújo foi 8º da geral, 2º melhor entre os MINI e somou os primeiros 4 pontos da época

Armindo Araújo e Miguel Ramalho somaram no Rali da Alemanha os primeiros 4 pontos para o WRC fruto de uma excelente actuação capitalizada com o 8º lugar absoluto da classificação geral e o segundo melhor entre os MINI JCW WRC. Num rali que marcou a estreia em pisos de asfalto, a dupla portuguesa imprimiu sempre um ritmo bastante elevado e sai do rali germânico com óptimas indicações quanto à sua competitividade neste exigente Campeonato do Mundo de Ralis.
No final destes três longos dias de competição, Armindo Araújo mostrava-se muito satisfeito na chegada ao pódio e com a certeza do dever cumprido. “Fizemos uma prova dentro das nossas expectativas, conseguimos andar rápido quando podíamos e fizemos um óptimo trabalho no desenvolvimento do MINI. Não cometemos praticamente qualquer erro e fomos progredindo ao longo da prova. A margem de confiança foi sempre aumentando e estamos muito contentes com este resultado. Conseguimos os primeiros pontos esta temporada e o oitavo lugar da geral é o nosso melhor resultado de sempre, em termos absolutos, numa prova do WRC”, começou por dizer o piloto de Santo Tirso.
A maior competitividade do MINI nos pisos de asfalto e a progressão do entrosamento do piloto português à nova máquina ficou bem demonstrada neste Rali da Alemanha. Para Armindo Araújo este rali foi muito interessante ao nível do trabalho efectuado. ”Testamos várias soluções ao nível de afinações e ficamos a perceber o comportamento do MINI em condições distintas. Conseguimos conjugar a necessidade de aprender e evoluir, na condução de um carro tão exigente como é um WRC, com um ritmo bastante forte. Sabemos que temos ainda muito para progredir, temos a noção como devemos fazê-lo e passo a passo vamos conseguir estar ao nível que precisamos quando tivermos que lutar pelos lugares do campeonato”, afirmou ainda o bicampeão do mundo do PWRC.

A dupla do MINI JCW WRC nº 17 regressa à acção no Rali de França, prova novamente disputada em pisos de asfalto e que vai para a estrada entre os dias 29 de Setembro e 2 de Outubro na região de Alsace.



foto: André Lavadinho


NUNO DINIS

SWRC- RALLYE DA ALEMANHA




BERNARDO SOUSA E PAULO BABO COM POUCA SORTE NA ALEMANHA



Terminou ontem o ADAC Rali da Alemanha, e Bernardo Sousa e Paulo Babo chegaram ao final no 8º posto do SWRC e na 35ª posição na geral absoluta, num resultado que não condiz com o andamento demonstrado durante a prova devido a uma nova saída de estrada durante a penúltima classificativa de hoje.
Sem grandes expectativas de subida na ...classificação para este Domingo, a equipa do Team Quinta do Lorde, continuava mesmo assim a pautar a sua prova por um andamento bastante vivo, mas na derradeira passagem pelos 15 quilómetros da classificativa de Moselwein e com a chuva a marcar presença no asfalto, não conseguiram evitar uma saída de estrada com o Fiesta S2000 que tripulam, numa curva bastante suja, tendo o mesmo ficado preso na lama numa zona de difícil acesso e com pouco público para ajudar, o que fez com que perdessem mais de 14 minutos em relação ao tempo de referência para os concorrentes do SWRC e motivou a consequente perda de posições na tabela do rali.
Desta participação na Alemanha fica contudo a certeza de que Bernardo Sousa e Paulo Babo podem vir a intrometer-se na luta pelas vitórias no campeonato nas provas que ainda restam, e será com esse objectivo que a equipa começará de imediato a preparar o próximo rali do SWRC.
Na localidade de Trier e já após o final do evento o piloto afirmou que “gostaria de ter garantido a sexta posição mas era muito importante que mantivéssemos o ritmo para estarmos cada vez a um nível mais elevado para os ralis que ainda faltam realizar este ano. Na saída de hoje tivemos o azar do carro ficar preso na lama e de termos levado algum tempo até ser possível regressar ao percurso do rali, mas as corridas são assim mesmo.”
“De positivo foi mesmo o facto de termos ficado com a perfeita noção de que no asfalto estamos bem mais próximos do andamento dos nosso mais directos adversários e isso será uma motivação extra para o futuro. Em termos de campeonato esta operação não correu de feição, precisávamos de ter pontuado mais, mas infelizmente não foi possível.”
“Tenho de agradecer à minha equipa pelo trabalho fantástico que realizaram para nos colocarem em prova ao melhor nível, agradecer aos muitos portugueses que encontramos na Alemanha e que nos transmitiram o seu apoio, e no final desta prova tenho também de felicitar o Armindo Araújo e o Miguel Ramalho pelo resultado que hoje alcançaram.”

O próximo rali do piloto patrocinado pela Quinta do Lorde, PT Negócios, Blackberry by PT, Delta Q e Lizdrive, será o Rali de França que irá para a estrada de 30 de Setembro a 2 de Outubro próximos.



NUNO DINIS

JOAO FONSECA




Público vibrou com demonstração de João Fonseca em Gouveia


O piloto da Covilha esteve no centro de todas as atenções na Super Especial de Rali de Gouveia, no último domingo, onde brindou o público com uma demonstração de velocidade e perícia ao volante do SilverCar CM08 da MTC-Team. O carro, que João Fonseca conduz este ano no Campeonato de Portugal de Montanha, foi a grande atracção do evento que juntou no centro da cidade serrana muitas centenas de curiosos e aficionados dos desportos motorizados.



A demonstração foi o momento alto daquela que foi a segunda edição da Super Especial de Rali, com o público a vibrar com cada uma das habilidades do piloto. O entusiasmo foi tanto que surpreendeu João Fonseca: "Nunca esperei receber em Gouveia tamanha ovação e carinho, o que é muito gratificante", afirma. "Fiquei muito sensibilizado com a forma como fui recebido", acrescenta.



O piloto conta que "foi um grande espectáculo, onde houve um grande envolvimento por parte da assistência", pelo que saúda a organização pelo sucesso da Super Especial de Gouveia, realizada no âmbito dasFestas da Cidade (Festas do Senhor do Calvário). O certame realizou-se em 2 km de piso de asfalto, nos espaços compreendidos entre a Escola Secundária de Gouveia, as Piscinas Municipais e o Pavilhão Gimnodesportivo.



Antes, entre sexta-feira e domingo, quem foi às Festas do Senhor do Calvário pôde apreciar de perto o SilverCar, uma vez que esteve em exposição no recinto das festas.



A Super Especial de Gouveia foi uma organização do Museu da Miniatura Automóvel, empresa municipal DLCG e autarquia local. Esta foi a primeira vez que João Fonseca participou no espectáculo.



NUNO DINIS

ARMINDO ARAÚJO



Estreia com um WRC no asfalto


Armindo Araújo e Miguel Ramalho já se encontram em Trier, na Alemanha, onde nos dois últimos dias preparam com todo o cuidado a estreia do Mini JCW WRC em pisos de asfalto.


A dupla portuguesa realizou duas sessões de testes em solo germânico mas as inconstantes condições climatéricas não ajudaram muito o trabalho desenvolvido nos cerca de 150 quilómetros percorridos. Ainda assim, os bicampeões do Mundo do PWRC esperam conseguir realizar uma prestação convincente, numa prova onde venceram em 2010 no Agrupamento de Produção.


Com uma tarefa bem distinta e num patamar mais elevado face ao ano transacto, Armindo Araújo não espera muitas facilidades na prova germânica mas acredita que "durante o rali vamos conseguir evoluir a nossa prestação num tipo de piso onde vamos conduzir pela primeira vez o MINI WRC. Fizemos centena e meia de quilómetros mas as mudanças radicais das condições meteorológicas não nos permitiram perceber qual o «set-up» ideal para a prova. Vamos ter de esperar pelo início do rali percebermos como vamos encontrar o estado dos pisos e escolher o melhor compromisso", começou por dizer o piloto de Santo Tirso.


Sem qualquer termo de comparação face à concorrência, a dupla do MINI JCW WRC não perspectiva qualquer desfecho em termos de resultado. Para Armindo Araújo, "esta será a nossa estreia no asfalto como um WRC e teremos muito para aprender e evoluir neste tipo de piso. Sabemos que o MINI também está num processo de evolução e não temos para já qualquer ideia onde nos podemos situar. Eu gosto muito de conduzir em asfalto mas só quando iniciarmos o Rali da Alemanha poderei perceber qual o meu ritmo face aos restantes adversários. Encaramos todas as provas com muita determinação e sempre à procura de fazermos o melhor possível. Este rali não é excepção", afirmou ainda o piloto que a partir desta prova passa a pertencer ao lote de pilotos do WRC com Prioridade 1, o mais alto patamar da FIA.

O Rali da Alemanha tem o inicio das hostilidades marcado para a próxima sexta-feira, dia 19 de Agosto e final no domingo, dia 21, após a realização de 19 especiais. Pela frente a dupla portuguesa terá 1245,96 quilómetros, 360 dos quais percorridos ao cronómetro.




NUNO DINIS

CAMPEONATO REGIONAL RALLYES-AÇORES




E tudo Moura levou


Ricardo Moura venceu como esperado o Rali Santa Maria e com esse feito conseguiu ainda mais um título no Campeonato dos Açores de Ralis.

Moura ainda chegou a ter um problema de embraiagem após a 8ª especial, mas tal não obstou a que o pluri-campeão açoriano chegasse ao final da prova com vitórias em todos os troços, continuando imbatível esta temporada.

Ricardo Carmo, Paulo Antunes e Rui Torres estiverem sempre em luta pelos restantes lugares do pódio, numa luta em que esteve também envolvido Luís Rego, mas que viria a desistir com problemas de caixa de velocidades no Mitsubishi ainda na fase inicial da prova.

Carmo foi tentando consolidar o segundo lugar, mas Paulo Antunes pressionou sempre muito o piloto do Mitsubishi, embora na derradeira fase da prova o piloto do Mitsubishi conseguiu ganhar alguns segundos e terminar no lugar intermédio do pódio.

Paulo Antunes teve ainda alguma pressão por parte do veterano Rui Torres, mas ao atacar Carmo, o piloto do C2 fugiu também dos ataques de Torres.

Paulo Rego fez uma prova regular, ficando no 5º lugar com o seu Subaru Impreza, terminando na frente de Ruben Rodrigues, Carlos Costa e Henrique Moniz (este com problemas de motor), todos em Citroen C2.

Destaque ainda para a saída de estrada de Hugo Alcântara (Saxo) quando era 7º da geral e para a desistência de Artur Silva (Saxo) com problemas de motor, depois de ter rodado sempre no "top 5".

No Campeonato Open a vitória foi para Eduardo Soares em Citroen Ax, seguido por Tiago Mota (Saxo) a 24,1s e Jorge Sousa (Corolla) a 42,9s.



LÍDERES DO RALI:
Ricardo Moura (1ª à 11ª Pec)

VENCEDORES DE TROÇOS:
Ricardo Moura (11)



CLASSIFICAÇÃO FINAL

1º Ricardo Moura / Sancho Eiró – Mitsubishi Lancer Evo IX 50m49,7s
2º Ricardo Carmo / Jorge Diniz – Mitsubishi Lancer Evo IX a 1m34,1s
3º Paulo Antunes / Vitor Moniz – Citroen C2 R2 Max a 1m41,2s
4º Rui Torres / Marco Martins – Mitsubishi Lancer Evo IX a 1m45,4s
5º Paulo Rego / Rui Medeiros – Subaru Impreza N12 a 3m03,3s
6º Ruben Rodrigues / Estevão Rodrigues – Citroen C2 R2 Max a 3m19,1s
7º Carlos Costa / Fernando Munes – Citroen C2 R2 GT a 3m26,8s
8º Henrique Moniz / Pedro Machado – Citroen C2 a 3m28,4s



PILOTO DO RALI
Ricardo Moura

MOMENTO DO RALI
Ritmo de Moura desde o troço de abertura

MENOS DO RALI
Ausência de interesse desportivo devido ao domínio de Moura





NUNO DINIS

CLUBE AUTOMOVEL MARINHA GRANDE

Mudanças confirmadas


O Rali Centro de Portugal marcará o regresso do Campeonato de Portugal de Ralis aos Continente, depois da passagem desta competição pelas provas insulares.

A prova irá apenas disputar-se em um dia, confirmando-se que será uma prova tipo Sprint, que se espera competitiva.

O Centro nevrálgico do Rali Centro de Portugal será na Marinha Grande, mantendo-se nesta estrutura os tradicionais troços do Pinhal de Leiria, embora num esquema novo. A restante parte do percurso deverá ser uma novidade a confirmar em breve pela organização.



http://www.ralisonline.net/
 
 
 
NUNO DINIS

IVO NOGUEIRA



Ivo Nogueira no Rally de Ferrol 


 É já nos próximos dias 19 e 20 de Agosto que vai para a estrada o Rally de Ferrol em Espanha.
Como já vem sendo tradicional, esta prova contará de novos como a presença de uma dupla portuguesa.
Trata-se de Ivo Nogueira / Vitor Hugo, uma dupla de esteve em bom nível no recente Rali Vinho Madeira e que agora pretende prosseguir com o plano de preparação da secção de asfalto do Campeonato de Portugal de Ralis.
Ivo Nogueira já se encontra inscrito nesta prova, que contará com 8 troço para mais de 161 Kms ao cronómetro.




http://www.ralisonline.net/


NUNO DINIS

MIGUEL OLIVEIRA


Grande Prémio da República Checa de Motociclismo, 14 de Agosto de 2011




Miguel Oliveira, foi anteontem um dos protagonistas na luta pelo terceiro lugar, num grupo de pilotos perseguidores que era composto por: Vinales, Faubel, Moncayo e Vasqez, que ao longo da corrida não se conseguiu chegar à dupla Zarco e Cortese, que lutou intensamente pela vitória. O piloto português que largou do 17º lugar da grelha, chegou ao sexto lugar e na última curva quando atacava por dentro o experiente piloto Sergio Gaudea, tentando roubar-lhe o quinto lugar, não teve a sorte pelo seu lado e levou um toque na roda da frente, provocando a queda do piloto português que tinha já superado Maverick Vinãles e assegurado o sexto lugar e os respectivos pontos para o campeonato.

Logo na primeira volta, Miguel Oliveira mostrou o seu talento, ao ganhar seis lugares, passando em 11º, entrando no Top Ten já na segunda volta em nono lugar. Sobe mais um lugar ao passar Maverick Viñales para a oitava posição. Constituindo-se um grupo em que Miguel Oliveira se mostrou à altura em lutas com Vazqez, Faubel, Moncayo e Viñales em trocas de posições constantes, na luta para o último lugar do pódio. Chegou ao quinto lugar ao surpreender Moncayo na volta 10. Todavia as movimentações foram constantes neste grupo com Faubel, Gadea, Viñales, Moncayo e Miguel Oliveira. O despiste de Vasqez, na 13ª volta à sua frente, levou o piloto português a quase perder o contacto a 1,5s. Com e grande esforço, e muita motivação, os tais 200% que prometeu dar na corrida, o piloto da formação da Banca Cívica, Andaluzia, Deputacion de Cadiz; conseguiu colar-se de novo ao grupo e ao seu colega de equipa Moncayo, e a duas voltas do fim passa Vinãles e vai para 6º. Todavia já a poucas dezenas de metros de cortar a meta, ataca Gadea por dentro, mas acabou por levar um toque na roda da frente que provocou o desequilíbrio da Aprilia do lusitano, que lhe foi fatal não conseguindo evitar o despiste e perder o 6º lugar, sendo classificado no 23º posto.

Apesar de não conseguir transformar em resultados as suas provas, Miguel Oliveira participou numa grande corrida, mostrando que merece estar na luta pelo pódio: “Saio deste Grande Prémio desapontado por não ter podido terminar como gostaria. Foi uma prova incrível e onde me empenhei ao máximo. Depois da queda do Efren Vasqez à minha frente, tive de recuperar o 1,5s. para retomar este grupo de pilotos fabulosos, mas como estava confiante e com muito bom ritmo, embora nas rectas a moto estivesse pior, sabia que me podia vingar na zona mais sinuosa. Na última curva quis passar o Gadea por dentro e eu tive de cortar ainda mais a curva o que provocou a queda. O importante é que mais uma vez demonstrei que é possível estar no grupo da frente, mas saio despontado mas de cabeça erguida a pensar na próxima corrida”, disse o piloto da Vodafone, ACPMoto, ENI, Pramac, SoNatural.

A prova foi ganha por Sandro Cortese depois de uma luta constante com Zarco. Na terceira posição subiu ao pódio Alberto Moncayo, seguido por Faubel, Gadea e Viñales.





NUNO DINIS

ARMINDO NEVES



ARMINDO NEVES APOSTA NO REGIONAL CENTRO



Apesar de serem os actuais 6ºs classificados do Open de ralis, Armindo Neves e Bernardo Gusmão apontam agora as baterias para a disputa das duas últimas provas do campeonato regional de ralis do Centro, onde são líderes.
Desta forma, a equipa que tem como patrocinador principal os Centros-Auto Roady e é ainda apoiada por mais quatro grandes empresas como “Premium Sponsors”, que são a Costa & Garcia com as ferramentas Beta, a SKF Portugal, a Krautli com as marcas Valvoline e Beru e ainda a Sonicel com a marca Sonax, aposta tudo na luta pelo título desta competição.

“Tal como dissemos desde o início, o nosso acordo com os parceiros passava por estarmos presentes em 7 provas do campeonato. Após 5 ralis disputados estamos ainda em posição de lutar pelo top five do Open, mas estamos também na liderança do regional Centro, pelo que, como só temos orçamento para mais duas provas, havia que optar, o que penso não ser difícil nestas circustâncias. Assim sendo e depois de ponderadas todas as opções, a decisão da equipa passa pela presença no rali Centro de Portugal e no rali de Mortágua, as duas últimas provas do CRRC, onde estaremos com a firme intenção de lutar pelo título” afirma Armindo Neves.

Para Bernardo Gusmão esta decisão “foi tomada a pensar essencialmente em todos os nossos parceiros, pois estando nós na liderança do regional Centro não fazia sentido virar as costas á luta e não ir em busca de algo que está ao nosso alcance e que queremos muito oferecer a quem tanto nos tem ajudado e apoiado ao longo deste tempo”.

De referir que neste momento o Mitsubishi Lancer Evo VII está a ser alvo de todas as atenções nas instalações da equipa, onde se prepara com todo o cuidado a presença nestes dois ralis.

A equipa de Armindo Neves, conta ainda com o apoio dos seguintes parceiros para esta época: Petroltorres-Combustíveis, Glassdrive, J.Silva Lda, Incopil Temperos, Garvetur, PR-Car, Franke, Xikane e Jornal das Oficinas.




NUNO DINIS

ARC SPORT



RICARDO MOURA AMPLIA LIDERANÇA

Objectivos totalmente alcançados para Ricardo Moura e para a ARC Sport após mais um sucesso conquistado em pleno Atlântico. Depois do triunfo nos Açores, o asfalto da Madeira acabou por colaborar com o líder do Campeonato de Portugal de Ralis, que acabou por alcançar mais um êxito para o seu já invejável palmarés.
Um comportamento pensado do princípio ao fim da prova madeirense contribuiu para que os objectivos fossem totalmente alcançados. Ricardo Moura e António Costa alcançaram o 7º lugar final, conquistando pontuação máxima para o CPR, superando com sucesso uma prova crucial, ao ampliar a vantagem na liderança absoluta do campeonato português.
“Foi uma vitória muito importante nesta transição do campeonato para os pisos de asfalto. Quero lembrar que o Pedro Peres foi um grande adversário ao longo de todo o rali, mas a vantagem que conseguimos durante o primeiro dia acabou por ser suficiente para ir gerindo o nosso andamento. Atacámos sempre nos locais certos, tendo as devidas cautelas quando era necessário. Foi uma prova muito disputada.
A ARC Sport esteve sempre à altura dos acontecimentos e o António Costa teve um excelente trabalho durante todo o rali. Esta foi a terceira vitória duma equipa dos Açores numa prova do CPR. Estamos naturalmente muito felizes por contribuir com mais um êxito para os Açores e para os nossos patrocinadores”, declarou, no final, Ricardo Moura.
Mais um triunfo importante para a ARC Sport, que volta a sair da Madeira com os seus objectivos alcançados.
“Quero enviar os meus sinceros parabéns ao Ricardo Moura e ao António Costa que efectuaram um rali fantástico. O carro nunca teve qualquer tipo de problemas ao longo de toda a prova, o que nos deixa de facto bastante satisfeitos. Depois desta vitória a equipa está bem posicionada em termos de objectivos. Os meus parabéns a toda a equipa pelo excelente trabalho realizado.
Para além deste resultado bastante positivo, foi um prazer ter podido apoiar o nosso Renault Clio R3, que foi conduzido pelo Pedro Matos Chaves e José Pedro Fontes nas abertura dos troços do Rali Vinho da Madeira”, concluiu Augusto Ramiro, responsável pela ARC Sport.




NUNO DINIS

PEUGEOT SPORT PORTUGAL



Primeiro triunfo português desde 2004




VITÓRIA INDISCUTÍVEL DE BRUNO MAGALHÃES (PEUGEOT 207 S2000)



A dupla Bruno Magalhães/Paulo Grave venceu pela primeira vez o Rali Vinho Madeira e deu à Peugeot Sport Portugal o terceiro triunfo nesta importante prova dos campeonatos europeu e nacional de ralis, e a 55.ª quinta vitória em ralis.
Bruno Magalhães dominou o rali praticamente de fio a pavio, da segunda à última classificativa. A vantagem angariada ontem, com o piloto da Peugeot a ser o mais rápido em sete das dez classificativas e a deixar o segundo classificado a 1m29,5s., permitiu-lhe determinar o curso da prova madeirense. Hoje, Bruno Magalhães geriu a liderança, numa toada cautelosa, para não colocar em risco um triunfo, que tanto desejava.
Com uma condução isenta de erros e sem o mínimo problema no 207 Super 2000, este acabou por ser um excelente rali para a equipa oficial da Peugeot, que assim regressou às vitórias, acabando ainda por ter a companhia, no segundo lugar do pódio, de outro Peugeot, conduzido por Vítor Sá. Uma vitória indiscutível e moralizadora para as deslocações à Hungria e à Itália, próximas provas do IRC onde a equipa estará presente.
No final, o piloto reconhecia que “preferia que o dia de hoje tivesse sido como o de ontem, porque é muito difícil gerir a vantagem numa prova como esta, onde as condições de aderência se alteram constantemente, quando era muito mais interessante, para todos, andar nos limites. É uma vitória muito saborosa e que representa o cumprimento da promessa que tinha feito, a mim e à equipa, de que havia de ganhar na Madeira, o rali de que mais gosto”.

Para Carlos Barros, o director da Peugeot Sport Portugal, “esta é uma vitória que acontece no momento certo e que nos vem moralizar para as provas que ainda temos de efectuar. Tinha dito que além dos adversários, que estavam na lista de inscritos, havia um, o azar, que não estava lá, mas que, desta vez, também, vencemos. O Bruno fez uma prova excelente, pois é mais difícil ter de gerir uma situação como a que se verificou hoje, do que quando de sem de andar ao ataque.”
Esta é a 17.ª vitória do piloto, o quinto português com mais triunfos, atrás de Joaquim Santos (38), Fernando Peres (30), Adruzilo Lopes (21) e Américo Nunes (18), a sexta do navegador e a 55.ª da Peugeot Sport Portugal.
Por outro lado, desde 1996, todos os pilotos portugueses que triunfaram na Madeira fizeram-no ao volante de um Peugeot: (2001) Adruzilo Lopes, 206 WRC; (2003) Miguel Campos, 206 WRC; (2004) Vitor Sá, 306 Maxi; (2011) Bruno Magalhães, 207 S2000.





Classificação final

1.º, Bruno Magalhães/Paulo Grave Peugeot 207 S2000 2.53.06,1
2.º, Vítor Sá/Pedro Calado Peugeot 207 S2000 a 57,6
3.º, Luca Rossetti/Matteo Chiarcossi Fiat Punto S2000 a 1.34,3
4.º, Miguel Nunes/Vítor Calado Mitsubishi Lancer X a 4.20,1
5.º, António Nunes/Roberto Castro Mitsubishi Lancer X a 4.49,4
6.º, Luca Betti/Maurizio Barone Peugeot 207 S2000 a 5.34,6
7.º, Ricardo Moura/António Costa Mitsubishi Lancer IX a 7.15,1
8.º, Pedro Peres/Tiago Ferreira Mitsubishi Lancer IX a 8.15,4
9.º, Manuel de Micheli/Daniele Michi Peugeot 207 S2000 a 8.25,7
10.º, Antonin Tlustak/Jan Skaloud Skoda Fabia S2000 a 8.42,3




 NUNO DINIS

RALLYE VINHO MADEIRA



BRUNO E PEUGEOT PROMETERAM E...CUMPRIRAM



Sem cometer erros e tirando o máximo partido do seu Peugeot 207 S2000, Bruno Magalhães regressou aos triunfos, desta feita ao vencer o Rali Vinho da Madeira.
O piloto luso esteve bastante bem ao longo de toda a prova, evitando algumas das armadilhas que o clima local pregou, como a chuva ou o nevoeiro, nalguns dos troços para conquistar uma desejada vitória num ano que não está a ser fácil com muitos azares pelo meio no IRC.
"À quinta foi de vez", começou por dizer Bruno Magalhães à emissão da Antena 3 Madeira. "Eu tinha prometido a mim mesmo e à equipa que iria ganhar o Rali Vinho Madeira, só não sabia quando, mas sabia que tinha a velocidade necessária para isso. Hoje cumpri essa promessa e é um sonho concretizado, estou muito feliz", acrescentou o piloto da Peugeot Sport Portugal.
Tendo chegado ao segundo posto devido ao azar de Luca Rossetti (que furou e teve uma ligeira saída de estrada), Vítor Sá não enjeitou a oportunidade e tentou colocar pressão sobre Magalhães na tarde de ontem, até que o seu carro começou a denotar problemas de motor nas duas últimas especiais do dia. Depois, começou a gerir a sua prova e a controlar o seu segundo lugar de um eventual ataque de Luca Rossetti e a pensar nas contas do campeonato madeirense.
"Estou muito satisfeito, fizemos uma grande prova. Melhor só se fôssemos primeiros, mas a vitória está muito bem entregue", referiu o piloto insular, que se sagrou novamente campeão do campeonato madeirense.

Quanto a Rossetti, o italiano era um dos favoritos ao triunfo e nas primeiras especiais foi o principal opositor de Magalhães, mas um furo e ligeira saída de estrada que causou danos na suspensão, fê-lo perder bastante tempo e a orientar o seu objetivo para as contas do Europeu de Ralis.

Miguel Nunes foi uma das figuras


Miguel Nunes concluiu a prova de forma bastante positiva apesar desta ter começado menos bem, com uma penalização de 1m30s logo após a super-especial do primeiro dia. O piloto do Mitsubishi Lancer Evo X passou, depois, ao ataque e recuperou até ao quarto posto final, numa prestação que o piloto classificou de "fantástica", sendo o melhor do agrupamento de Produção. Logo atrás ficou o seu irmão, António Nunes, também ele autor de uma grande prova, superando mesmo Luca Betti (Peugeot 207 S2000).

Ricardo Moura (Mitsubishi Lancer Evo IX) cumpriu o seu objetivo primordial e, se não conseguiu dar luta aos primeiros, conseguiu triunfar entre os concorrentes do Campeonato de Portugal de Ralis (CPR), ficando com o sétimo posto e na frente de Pedro Peres (Mitsubishi Lancer Evo IX), que forçou na parte da manhã, mas alguns sustos nos troços da tarde fizeram-no abrandar e ficar com o oitavo posto, segundo entre os pilotos do CPR. No último troço, chegou mesmo ao final da prova em ritmo bastante lento após um excesso a cortar uma curva, tendo furado um pneu.

Manuel De Micheli (Peugeot 207 S2000) e Antonin Tlustak (Skoda Fabia S2000) completaram o lote dos dez primeiros, do qual ficou arredado já perto do final Duarte Ramos (Mitsubishi Lancer Evo IX), autor de uma prova bastante interessante. Luís Serrado venceu entre os pilotos da categoria 2WD, com o seu Peugeot 206 S1600.







NUNO DINIS


RALLYE VINHO MADEIRA



Bruno Magalhães termina dia isolado na frente



Sem cometer o mínimo erro ao longo de todo o dia, Bruno Magalhães parte para a última etapa do Rali Vinho Madeira com uma confortável vantagem para o seu mais direto adversário, a rondar o minuto de diferença.
Magalhães partiu para este dia ao ataque, chegando ao comando logo na primeira especial do dia, por troca com Luca Rossetti (Abarth Grande Punto S2000), com os dois a encetarem um renhido duelo na manhã, até que o piloto italiano viu um dos pneus do seu carro furar, saindo de estrada e danificando uma das suspensões do seu carro.
Com isso, Rossetti perdeu bastante tempo e caiu para o terceiro posto, longe da luta pelo triunfo. Magalhães ficou, assim, isolado no comando da prova, dispondo então de uma diferença superior a 20 segundos sobre Vitor Sá. Mas na tarde, um problema de motor com o Peugeot 207 S2000 de Vitor Sá deixou Magalhães ainda mais isolado na frente, partindo para amanhã com 1.29,5s de avanço para o madeirense.
"Foi um dia quase perfeito. Para o última ronda de troços fiz uma pequena alteração na afinação e o carro ficou muito melhor. Ainda não esta perfeito mas está lá perto", referiu o piloto da Peugeot Sport Portugal.
Para Vitor Sá, um problema com o motor fê-lo perder potência (o madeirense apontou para a eletrónica como razão, mas não tinha a certeza) e tempo nas duas últimas especiais e, com isso, ficou mais longe da primeira posição, mesmo se consegue manter Rossetti atrás de si.
No terceiro posto, Rossetti mudou a sua estratégia e aposta agora na manutenção do seu lugar no pódio: "Foi um dia difícil. Após o furo fiquei sem hipóteses de lutar pelo triunfo e pelo segundo lugar, porque o Sá está a pilotar bem, por isso objetivo é manter o ritmo e terminar a prova. Tenho o mesmo set-up do ano passado, mas há algo que não esta bem", complementou o piloto do Abarth.


Miguel Nunes em grande


Na quarta posição está Luca Betti, enquanto António Nunes, a efetuar uma grande prova com o seu Mitsubishi Lancer Evo X, ocupa a quinta posição logo à frente de Miguel Nunes, também ele protagonista de uma boa prova com uma interessante recuperação depois da sua penalização de 1m30s de ontem. Para este, sem a penalização, uma posição do pódio seria possível.
Ricardo Moura está no sétimo posto, depois de uma manhã em que o carro não esteve ao seu gosto. Para o açoriano, a aposta principal é a pontuação máxima no Campeonato de Portugal de Ralis, prova que lidera com o seu Mitsubishi Lancer Evo IX. Maciej Oleksowicz é o oitavo com o seu Ford Fiesta S2000, enquanto o top 10 fica completo com Manuel De Micheli em nono e Duarte Ramos, também em muito bom nível com o seu Lancer Evo IX. Pedro Peres é o 12º na prova.




LÍDERES DO RALI:

Luca Rossetti (Pec 1); Bruno Magalhães (Pec 2 a 11)

VENCEDORES DE TROÇOS:

Bruno Magalhães (7); Luca Rossetti (2); Vitor Sá (2)



CLASSIFICAÇÃO FINAL

1º Bruno Magalhães / Paulo Grave – Peugeot 207 S2000 1h35m55,5s
2º Vitor Sá / Pedro calado – Peugeot 207 S2000 a 1m29,5s
3º Luca Rossetti / Matteo Chiarcossi – Fiat Punto S2000 a 2m08,9s
4º Luca Betti / Maurizio Barone – Peugeot 207 S2000 a 3m06,2s
5º António Nunes / Roberto Castro – Mitsubishi Lancer Evo IX a 3m18,5s
6º Miguel Nunes / Vitor Calado – Mitsubishi Lancer Evo IX a 3m35,4s
7º Ricardo Moura / António Costa – Mitsubishi Lancer Evo IX a 4m20,1s
8º Maciej Oleksowicz / Andrezaj Obrebowski – Skoda Fabia S2000 a 4m31,9s




NUNO DINIS





PEUGEOT SPORT PORTUGAL



PEUGEOT SPORT PORTUGAL

LANÇADA PARA A VITÓRIA



A dupla Bruno Magalhães/Paulo Grave, em Peugeot 207 Super 2000, venceu hoje a primeira etapa do Rali Vinho Madeira, depois de ter ascendido ao primeiro lugar logo na primeira classificativa do dia.
Depois de ontem ter sido a segunda formação mais rápida na Super Especial de arranque da prova, hoje Bruno Magalhães/Paulo Grave instalaram-se no comando do rali, logo na classificativa de abertura do dia (Campo de Golf 1 – 15,99 km).
Com um andamento muito rápido, Bruno Magalhães controlou a prova e alcançou a vitória em sete das 10 classificativas do dia, terminando a etapa com uma vantagem de 1m29,5 segundos sobre o madeirense Vítor Sá, também em 207 S2000. Uma vantagem que coloca o piloto oficial da Peugeot em excelente posição para vencer, pela primeira vez, o Rali Vinho Madeira.
De início, Bruno Magalhães e Paulo Grave tiveram em Luca Rossetti/Matteo Chiarcossi (Fiat Punto S2000), os seus mais directos perseguidores. Porém, o furo sofrido pelos italianos, na segunda passagem pelo Chão da Lagoa (5.ª PC), quando estavam a 7,9 segundos da dupla portuguesa, deixou a equipa da Peugeot mais confortável na liderança.
Sempre com um ritmo muito vivo, durante a tarde Bruno Magalhães aproveitou para aumentar as diferenças para os segundos classificados, dispondo assim de praticamente 1m30 de vantagem para gerir ao longo das oito classificativas de amanhã.

Para o piloto, “o dia foi quase perfeito e tenho que agradecer à equipa o trabalho desenvolvido com o nosso 207, que ficou verdadeiramente a meu gosto. O balanço é positivo e estamos a fazer aquilo que nos compete, que é andar depressa, sem correr riscos, cientes de que há uma etapa para enfrentar amanhã, onde iremos procurar manter o ritmo.”

Para Carlos Barros, o director da Peugeot Sport Portugal, “foi um dia positivo, apesar da oposição que tivemos, mas mesmo sem o Bruno andar nos limites, os problemas dos nossos adversários mais directos permitiram-nos angariar uma vantagem que iremos gerir amanhã. Importante, também, o facto do carro não ter tido problemas, pelo que só temos razões para estarmos satisfeitos”.


Classificação geral, no final da 1.ª etapa

1.º, Bruno Magalhães/Paulo Grave Peugeot 207 S2000 1.35.55,5
2.º, Vítor Sá/Pedro Calado Peugeot 207 S2000 a 1.29,5
3.º, Luca Rossetti/Matteo Chiarcossi Fiat Punto S2000 a 2.08,9
4.º, Luca Betti/Maurizio Barone Peugeot 207 S2000 a 3.06,2
5.º, António Nunes/Roberto Castro Mitsubishi Lancer X a 3.18,5
6.º, Miguel Nunes/Vítor Calado Mitsubishi Lancer X a 3.35,4
7.º, Ricardo Moura/António Costa Mitsubishi Lancer IX a 4.20,1
8.º, Maciej Oleksowicz/Andrzej Obrebowski Ford Fiesta S2000 a 4.31,9
9.º, Manuel de Micheli/Daniele Michi Peugeot 207 S2000 a 4.39,9
10.º, Duarte Ramos/Luís Ramos Mitsubishi Lancer IX a 4.43,2





Horário da Etapa de amanhã



07.20 – Partida – Parque Fechado
07.26 – Parque de Assistência – Entrada
07.41 – Parque de Assistência – Saída
08.20 – 12.ª PC – Paul da Serra 1 (10,92 km)
09.13 – 13.ª PC – Ponta do Pargo 1 (13,13 km)
10.00 – 14.ª PC – Rosário 1 (11,52 km)
11.13 – 15.ª PC – Ribeiro Frio 1 (24,25 km)
11.53 – Reagrupamento
12.03 – Parque de Assistência – Entrada
12.33 – Parque de Assistência – Saída
13.17 – 16.ª PC – Paul da Serra 2 (10,92 km)
14.05 – 17.ª PC – Ponta do Pargo 2 (13,13 km)
14.52 – 18.ª PC – Rosário 2 (11,52 km)
16.05 – 19.ª PC – Ribeiro Frio 2 (24,25 km)
16.45 – Reagrupamento
16.55 – Parque de Assistência – Entrada
17.05 – Parque de Assistência – Saída
17.10 – Chegada





NUNO DINIS

SUPER ESPECIAL DE GOUVEIA




DIA 14 DE AGOSTO NÃO FALTEM....

A VOSSA COMPARÊNCIA É IMPORTNATE....VENHA ATÉ GOUVEIA E DIFRUTE DE UM DIA XEIO DE EMOÇOES....


NUNO DINIS

RALLYE VINHO MADEIRA



SUPER ESPECIAL AVENIDA DO MAR


Luca Rossetti em Fiat Grand Punto S2000 foi o vencedor da super-especial de abertura do Rali Vinho Madeira. O italiano quis provar que está nesta prova para lutar pela vitória, mas terá que contar com a prestação de Bruno Magalhães que está desde já a fazer uma marcação "homem a homem" perdendo apenas 0,1s nesta especial.

Com um tempo em 1.42,0s, Rossetti alcançou a primeira posição na especial, batendo Magalhães por apenas 0,1 segundos, revelando grande equilíbrio. Na terceira posição ficou Maciej Oleksowickz, aos comandos de um Ford Fiesta S2000, tendo feito um tempo 2,4 segundos mais lento do que Rossetti.


Ricardo Moura, aos comandos do seu Mitsubishi Lancer Evo IX, ficou com o quarto melhor tempo, a 3,6 segundos da frente, enquanto Antonin Tlustak (Skoda Fabia S2000) ficou com o quinto posto. Seguiram-se Manuel de Micheli, Vitor Sá, Szymon Ruta, Miguel Nunes e Ivo Nogueira.


Desde que a Super-Especial da Avenida do Mar é realizado esta terá sido a edição que contou com a presença de menos público. Mesmo assim, esteve muito público a ver os concorrentes num espectáculo que nem uma hora demorou.

Certeira foi a aposta nos veículos Clássicos. Os pilotos interpretaram bem o desafio e esforçaram-se para dar espectáculo, resultando num espetcáculo extra que aradou ao público e aos fotógrafos.

Uma inspecção relâmpago da FIA no final da Super-Especial levou a que Miguel Nunes e Rui Pinto ficassem sobre investigação pelo facto de não usarem roupa interior homologada. Para já sabe-se que Miguel Nunes foi penalizado em 1m30s.

Alberto João Jardim, na sua tradicional visita ao Centro Operacional do Rali Vinho Madeira disse que esta prova estava melhor fora do IRC, pois as imagens que são difundidas da prova chegam a mais destinos. Alberto João disse que sempre foi defensor do Vinho Madeira fora do IRC e assim quer que continue por mais anos.






http://www.ralisonline.net/


NUNO DINIS

PEUGEOT SPORT PORTUGAL



Rali Vinho Madeira




PEUGEOT SPORT PORTUGAL APOSTA NA VITÓRIA



A Peugeot Sport Portugal vai estar presente no Rali Vinho Madeira, de 4 a 6 de Agosto, com a dupla Bruno Magalhães e Paulo Grave a ambicionar a vitória neste importante embate dos calendários europeu e nacional de ralis.
Decidida a presença no rali madeirense, para continuar a dar projecção aos seus patrocinadores, apesar deste já não constar do calendário do IRC, a equipa dedicou-se à preparação desta prova com a firme disposição de conquistar a vitória.
Dezanove provas de classificação, que na realidade são 10, com nove a serem percorridas por duas vezes, decidirão um dos mais importantes ralis dos calendários nacional e europeu, onde estarão em acção oito carros Super 2000, entre as 47 equipas inscritas.
Bruno Magalhães integra o lote de potenciais candidatos ao primeiro lugar, que, a concretizar-se, será a sua primeira vitória na Madeira. Ao volante do Peugeot 207 S2000 oficial, o piloto português terá no campeão europeu, Luca Rossetti (Fiat Abarth Punto S2000), o seu mais directo adversário. Mas Bruno Magalhães não pode esquecer o madeirense Vítor Sá (também Peugeot 207 S2000), que, a “jogar em casa”, tem esperanças de repetir o triunfo alcançado em 2004.

Para Bruno Magalhães, o pensamento é só um “vencer, tanto mais que é uma prova onde andamos sempre bem, onde não teremos de pensar em pontos para qualquer campeonato e onde vamos ter de andar muito depressa se quisermos ganhar”.

É que o piloto faz questão de lembrar que “no ano passado, mesmo com os pilotos do IRC, o Rossetti andou na frente e por isso não temos outra alternativa que não seja andar muito depressa para o suplantar. É essa a nossa ambição, é o que queremos fazer”.

Mas no lote de adversários da equipa portuguesa integram-se, ainda, Antonin Tlustak (Skoda Fabia S2000), Maciej Oleksowicz (Ford Fiesta S2000), Luca Betti (Peugeot 207 S2000), Szymon Ruta (Peugeot 207 S2000) e Manuel de Micheli (Peugeot 207 S2000), os restantes pilotos que alinham em carros semelhantes à máquina de Bruno Magalhães.

Carlos Barros, o director desportivo da equipa, afina pelo mesmo diapasão do seu piloto, ao assegurar que “o objectivo é só um: vencer. Vencer os nossos adversários e vencer um adversário que não está na lista de inscritos, mas que tem sido um grande opositor este ano: o azar. É altura de obter a vitória que há tanto tempo nos foge e estamos a fazer todos os esforços para que isso aconteça.”





HORÁRIO



Quinta-feira, 4 de Agosto

16.45 – Partida – Parque Fechado
16.57 – Pódio – Cerimónia de Partida
17.00 – Parque Fechado – Entrada
18.43 – Parque Fechado – Partida
18.57 – Parque de Assistência – Entrada
19.12 – Parque de Assistência – Saída
19.30 – 1.ª PC – Avenida do Mar (2,28 km)
19.40 – Parque Fechado – Entrada

Sexta-feira, 5 de Agosto

08.00 – Partida – Parque Fechado
08.06 – Parque de Assistência – Entrada
08.21 – Parque de Assistência – Saída
08.54 – 2.ª PC – Campo de Golf 1 (15,99 km)
09.37 – 3.ª PC – Chão da Lagoa 1 (22,01 km)
10.32 – Reagrupamento
10.42 – Parque de Assistência – Entrada
11.12 – Parque de Assistência – Saída
11.45 – 4.ª PC – Campo de Golf 2 (15,99 km)
12.28 – 5.ª PC – Chão da Lagoa 2 (22,01 km)
13.23 – Reagrupamento
13.33 – Parque de Assistência – Entrada
14.03 – Parque de Assistência – Saída
14.59 – 6.ª PC – Cidade de Santana 1 (13,85 km)
15.35 – 7.ª PC – Referta 1 (14,29 km)
16.02 – 8.ª PC – Meia Serra 1 (7,15 km)
16.37 – Reagrupamento
16.47 – Parque de Assistência – Entrada
17.17 – Parque de Assistência – Saída
18.13 – 9.ª PC – Cidade de Santana 2 (13,85 km)
18.49 – 10.ª PC – Referta 2 (14,29 km)
19.16 – 11.ª PC – Meia Serra 2 (7,15 km)
19.51 – Chegada

Sábado, 6 de Agosto


07.20 – Partida – Parque Fechado
07.26 – Parque de Assistência – Entrada
07.41 – Parque de Assistência – Saída
08.20 – 12.ª PC – Paul da Serra 1 (10,92 km)
09.13 – 13.ª PC – Ponta do Pargo 1 (13,13 km)
10.00 – 14.ª PC – Rosário 1 (11,52 km)
11.13 – 15.ª PC – Ribeiro Frio 1 (24,25 km)
11.53 – Reagrupamento
12.03 – Parque de Assistência – Entrada
12.33 – Parque de Assistência – Saída
13.17 – 16.ª PC – Paul da Serra 2 (10,92 km)
14.05 – 17.ª PC – Ponta do Pargo 2 (13,13 km)
14.52 – 18.ª PC – Rosário 2 (11,52 km)
16.05 – 19.ª PC – Ribeiro Frio 2 (24,25 km)
16.45 – Reagrupamento
16.55 – Parque de Assistência – Entrada
17.05 – Parque de Assistência – Saída
17.10 – Chegada







NUNO DINIS

RALLYE VINHO MADEIRA



Duelo atlântico na Madeira


Bruno Magalhães e Luca Rossetti estarão no final desta semana em luta pela vitória no Rali Vinho Madeira.



Fora do IRC, a prova madeirense viverá este ano sobretudo do desempenho dos protagonistas no Europeu a que se juntam alguns dos melhores valores dos campeonatos nacional e local. No entanto, é Bruno Magalhães, que não se encontra a disputar nenhuma destas competições, a ser o principal favorito ao triunfo. O piloto da Peugeot Sport Portugal estará no rali à procura dum sucesso que pelas mais variadas razões lhe tem escapado nos últimos tempos apesar de sempre se ter mostrado como um dos mais rápidos nas estradas do arquipélago.
Exceção feita aos concorrentes locais, Magalhães é também aquele que detém melhor experiência nesta ilha que, pelas características únicas do seu traçado, não costuma perdoar aqueles que desconhecem as classificativas nem estão habituados à lotaria da escolha de pneus quando as condições climatéricas chegam a mudar dentro dum mesmo troço cronometrado. Embalado pelo ritmo das suas participações no IRC, o piloto navegado por Paulo Grave terá também ao seu dispor uma das viaturas melhor preparadas, o que resulta num conjunto muito difícil de bater.
O seu principal adversário será Luca Rossetti que chega ao país na liderança do ERC. Se normalmente utiliza nas suas participações europeias uma viatura da turca Pegasus, o italiano deverá estar na Madeira com uma das viaturas da Trico, escuderia que defende oficialmente as cores da Abarth. Ao volante duma viatura mais competitiva que em 2010 quando chegou a comandar a prova, Rossetti quererá tirar partido de ser já um dos melhores conhecedores das especiais madeirenses e juntar a vitória na Madeira ao seu palmarés.

Sá deverá lutar pelo pódio

A um nível logo abaixo daquele dos protagonistas, mas em luta pelo pódio estarão certamente os Peugeot 207 S2000 de Luca Betti e Vítor Sá. O italiano tem mostrado estar em forma este ano lutando pelo título europeu, enquanto o madeirense, que até tem rodado ao nível dalguns dos recordes das classificativas a percorrer no campeonato local, ambiciona novo bom resultado, num evento que, em 2004, foi o último português a vencer.
No lote de 47 inscritos surgem outras vedetas do Campeonato da Europa que estarão na Madeira a um nível competitivo muito mais modesto e apenas com a conquista de pontos para aquela competição em mira. Antonin Tlustak (Skoda Fabia S2000), Maciej Oleksowicz (Ford Fiesta S2000), Szymon Ruta e Manuel de Micheli (Peugeot 207 S2000) poderão mesmo perder para os portugueses e madeirenses com viaturas da Produção.
Muito interessante será também a luta pelo melhor posicionamento entre os que utilizam viaturas de duas rodas motrizes e em que serão protagonistas muitos pilotos portugueses e o esloveno Rok Turk, líder do ERC 2wd, que tripulará um Peugeot 206 GTi alugado localmente.



Horário

5ª-feira, 4 de agosto

Parque de Assistência A 18h57

PE 1 - Avenida do Mar (2,28 km) 19h30

Parque Fechado (CIFEC) 19h40



6ª feira, 5 de agosto

Parque de Assistência B 08h06

PE 2 - Campo de Golfe 1 (15,99 km) 08h54
PE 3 - Chão da Lagoa 1 (22,01 km) 09h37

Parque de Assistência C 10h42

PE 4 - Campo de Golfe 2 11h45
PE 5 - Chão da Lagoa 2 12h28

Parque de Assistência D 13h33

PE 6 - Cidade de Santana 1 (13,85 km) 14h59
PE 7 - Referta 1 (14,29 km) 15h35
PE 8 - Meia Serra 1 (7,15 km) 16h02

Parque de Assistência E 16h47

PE 9 - Cidade de Santana 2 18h13
PE 10 - Referta 2 18h49
PE 11 - Meia Serra 2 19h16

Parque de Assistência F 19h51


Sábado, 6 de agosto

Parque de Assistência G 07h26

PE 12 - Paúl da Serra 1 (10,92 km) 08h20
PE 13 - Ponta do Pargo 1 (13,13 km) 09h13
PE 14 - Rosário 1 (11,52 km) 10h00
PE 15 - Ribeiro Frio 1 (24,25 km) 11h13

Parque de Assistência H 12h03

PE 16 - Paúl da Serra 2 13h12
PE 17 - Ponta do Pargo 2 14h05
PE 18 - Rosário 2 14h52
PE 19 - Ribeiro Frio 2 16h05

Parque de Assistência I 16h55







NUNO DINIS