RALLYE DE PORTUGAL 2012





Latvala impõe-se no “Qualifying”

mas Hirvonen será o primeiro na estrada



Ford e Citroen optaram por estratégias opostas


A “qualifying stage”, da edição 2012 do Vodafone Rally de Portugal viu os dois pilotos da equipa oficial de Ford serem os mais rápidos, à frente dos dois Citroen oficiais, que ficaram nas posições imediatas.

Houve, então, que escolher a ordem de partida para a primeira etapa, com os pilotos a fazerem a definirem a sua opção, pela ordem de classificação e ficou patente as estratégias opostas entre as duas equipas.

Foi o finlandês Jari-Matti Latvala (Ford), quinto a entrar em acção, a registar o melhor tempo, com 3.01,8m, com o norueguês Petter Solberg (Ford) a registar a segunda marca, após os 4,96 km da especial, com o norueguês a admitir que podia ter sido mais rápido, caso não tivesse hesitado num cruzamento.

O francês Sebastien Loeb gastou 3.04,2, foi quarto da geral, e ficou satisfeito com o resultado, tanto mais que optou por não correr riscos numa especial que estava muito escorregadia.

O seu colega de equipa, o finlandês Mikko Hirvonen, foi 0,017 s. mais rápido do que o campeão do Mundo e assegurou o terceiro lugar, com o piloto a admitir ter cometido pequenos erros, mas a mostrar-se satisfeito com o resultado.

Com a classificação da “qualificação” definida, os pilotos escolheram, numa cerimónia pública, no Parque de Assistência, a posição em que queriam sair para a estrada na primeira etapa.

E houve muita dúvida quanto aquela que seria a posição ideal de sair para a estrada, face às condições atmosféricas previsíveis: se chover, partir na frente pode ser uma vantagem, mas se isso não acontecer, partir mais atrás pode ser melhor, apesar de ter de se enfrentar o pó levantado pelos carros anteriores, mas tendo a vantagem de encontrar a pista mais limpa.

No entanto, o pó pode ser um problema acrescido, tanto mais que as três primeiras especiais são corridas de noite, o que, por si só, dificulta a visibilidade, com o pó que fica no ar a torná-la ainda menor.

Para tentar diminuir a quantidade de pó, levantada pelos carros, que passam a organização vai regar a estrada, mas os pilotos não têm a certeza que isso possa diminui-lo.

Primeiro a escolher a sua posição, Jari-Matti Latvala optou por uma estratégia de risco ao decidir largar de 17.º, com a convição de que não vai chover e encontrará a estrada mais limpa, o que lhe permitirá ter melhor aderência.  O seu companheiro de equipa, Petter Solberg, segundo no “qualifying”, fez uma opção semelhante e decidiu ser 16.º, à frente do seu colega de equipa.

Latvala explicou, assim, a sua opção: «Temos a convicção de que é melhor ter a estrada limpa e enfrentar os eventuais problemas do pó. Podemos ter problemas com as pedras, mas esses serão para todos, Sei que se estiver pó, então será um problemas, mas como os organizadores disseram que iam regar a estrada, espero que isso ajude. Discutimos muito tempo, entre nós, e trabalhámos muito para fazermos o melhor rali. Estou surpreendido com as escolhas da Citroen. Admitia que um carro fosse na frente, mas não esperava que fossem os dois a fazê-lo. Vai ser excitante, porque fizemos escolhas completamente diferentes na abordagem ao rali. Penso que a nossa estratégia é arriscada, mas se formos pelo seguro, pode ser difícil apanhar os nossos adversários»

A Citroen foi pelo caminho oposto, com os seus dois pilotos a abrirem a estrada, depois de serem o terceiro e o quarto a escolherem, em consequência da posição no “qualifying”.

E foi Mikko Hirvonen que explicou a razão da opção: «Não assumimos que vá estar seco e se a chuva aparecer prefiro ser o primeiro na estrada. Para mim é uma escolha segura. Se estiver seco e houver vento, talvez a posição do Jari seja melhor, mas é uma jogada arriscada. Posso perder 20 segundos nas três especiais, mas se estiver pó ele perde, no mínimo, meio minuto. Decidimos qual era a nossa posição ideal, depois da Ford ter feito a sua escolha».

A ordem de partida para o primeiro dia é a seguinte:

1.º        Hirvonen
2.º        Loeb
3.º        Tanak
4.º        Sordo
5.º        Ketomaa
6.º        Neuville
7.º        Araujo
8.º        Prokop
9.º        Al Attiyah
10.º      Oliveira
11.º      Van Merksteijn
12.º      Kuipers
13.º      Sandell
14.º      Ostberg
15.º      Novikov
16.º      Solberg
17.º      Latvala



Todas as informações em www.rallydeportugal.pt






NUNO DINIS

RALLYE DE PORTUGAL 2012




ETAPA IV
1 ABRIL 2012


SILVES


SILVES ZE 35
GPS N 37º 21.983' / W 8º 18.801'

Este acesso é recomendado apenas para 4x4. Ao km 702,5 do IC 1 (Messines-Ourique) seguir para Boião/Azilheira; em Boião seguir para Quinta/Cardunchal; entrar em terra e virar à direita, direção ponto de água; 1,6km depois virar à direita para Água Velha; 1,25km depois seguir pela esquerda até à ZE.
Zona de excelente visibilidade, num anfiteatro natural, numa parte do troço muito rápida embora sem grandes motivos de interesse em termos espetaculares
Visibilidade - 3 Espetacularidade - 1 Acessos - 1


SILVES ZE 36GPS N 37º 22.721' / W 8º 16.848'

Ao km 702,5 do IC 1 (Messines-Ourique) seguir para Boião/Azilheira; à entrada de Boião seguir sobre a esquerda, direção Chaminé e Corte Peral; 3,5km depois virar à direita para S. Martinho; passar um pequeno ribeiro e 100m depois seguir à esquerda; 250m depois, virar à direita tudo para trás, junto a casas; 300m depois pela esquerda e sempre em frente até à ZE.
Descida num piso bastante duro e irregular para um cruzamento à direita a 90º, que promete uma travagem fortíssima, que será interessante de seguir para o público que se colocar do lado de dentro do percurso. Esta zona dispõe ainda de uma bolsa para espectadores mais distante do percurso, mas com a vantagem de ter maior visibilidade.
Visibilidade - 2 Espetacularidade - 2 Acessos - 2


SILVES ZE 37GPS N 37º 20.883' / W 8º 15.135'

Na rotunda entre a A2 e o IC1 (S. Bartolomeu Messines) seguir pela EN 124, direção Messines; 900m depois à direita para Campilhos/Vale Figueira; passar Campilhos e 3,75km depois seguir a indicação Foz do Ribeiro; 4,6km depois à esquerda para terra, direção Vale Fontes; 2,2km depois seguir sobre a esquerda até à ZE.
Com uns acessos ligeiramente melhores e esta zona teria nota máxima a tudo. Estamos perante uma fase do troço em que os concorrentes, depois de passarem sob a A2, têm uma descida ligeira muito larga e rápida, que termina num gancho "de tudo para trás", com uma aproximação que deverá fazer as delícias dos presentes!
Visibilidade - 3 Espetacularidade - 3 Acessos - 2




Silves




SANTANA


SANTANA DA SERRA ZE 38
GPS N 37º 23.855' / W 8º 22.672'

Sair do IC ao km 707,9, direção Monchique/S. Marcos da Serra. 400m depois e após passar sob a linha do comboio, virar à direita, direção Estação da CP; 800m depois surge a placa S. Marcos da Serra; 300m depois à esquerda, entre casas; 50m depois à direita, direção Odemira/Pereiras; 400m depois virar à esquerda; 1,15km depois de sair da povoação, virar à esquerda, direção Vale Touriz/Pereiras. 2,5km depois virar à direita, atravessando a linha de comboio, direção Joios/Vale Grou; 2,45km depois virar à direita para estrada de terra; a ZE fica 1,6km depois.
Zona com bastante condução, com uma curva para a esquerda com ponte, seguida logo por uma direita. A visibilidade é escassa.
Visibilidade - 1 Espetacularidade - 3 Acessos - 2


SANTANA DA SERRA ZE 39
GPS N 37º 27.881' / W 8º 23.342'

Ao km 10,3 da EN 266 virar à direita para Barragem Sta. Clara/Pousada e colocar o parcial a zeros; 4km depois em frente, passando a piso de terra; 550m depois sobre a direita; 1,55km depois em frente; 1,4km depois em frente; 400m depois à direita; 600m depois em frente; 600m depois à direita; 1,05km sobre a esquerda; 650m depois em frente sobre a esquerda; 600metros depois encontra a ZE.
Zona de grande visibilidade, muito espetacular, com um gancho muito apertado, a exigir grande técnica no seu ataque.
Visibilidade - 3 Espetacularidade - 3 Acessos - 1


SANTANA DA SERRA ZE 40GPS N 37º 30.005' / W 8º 18.296'

Ao km 689,1 do IC 1 siga a indicação Santana da Serra. Estacione onde puder, pois a ZE fica apenas a 500 metros.
Zona espetacular, com duas possibilidades de colocação, grande facilidade de acesso e sempre muito procurada pelo público...
Visibilidade - 3 Espetacularidade - 3 Acessos - 3




Santana






SAMBRO


SAMBRO ZE 41
GPS N 37º 28.916' / W 8º 13.522'

Ao km 73,3 da EN 393 (Gomes Aires-Almodovar) virar à direita, direção Santa Clara; 1,8km depois em frente sobre a direita entre casas; 5,15km depois virar à direita para estrada de terra, não seguindo as indicações Santa Clara-a-Nova/Corte Azinheira; 1,4km depois sobre a esquerda para asfalto; 250m depois volta o piso de terra; 700m depois em frente; 1,6km depois está na ZE.
Nesta ampla zona, o espectador encontrará uma sequência de curvas muito técnicas entre árvores. Com um salto que proporcionará belas surpresas e fotografias, a ZE estende-se ao longo de duzentos metros da pista, com variadíssimas hipóteses de escolha.
Visibilidade - 2 Espetacularidade - 3 Acessos - 3


SAMBRO ZE 42
GPS N 37º 29.110' / W 8º 13.588'

Ao km 687,6 do IC 1 (S.B. Messines-Ourique) voltar à direita direção Almodôvar/G. Aires; 700m depois à direita, direção Almodôvar/G. Aires; 5,2km depois à direita para estrada de terra, direção Mte. Corte da Azinheira/Mt. Alcaria Alta; 1,6km depois fica a ZE.
Apesar da visibilidade não ser muito ampla, os pilotos darão o tudo por tudo neste sector, onde poderão fazer a diferença, dada a tecnicidade do sector. A velocidade mas sobretudo a técnica farão as delícias dos que aqui acorrerem.
Visibilidade - 2 Espetacularidade - 3 Acessos - 3




 



 
Sambro




NUNO DINIS



ETAPA III
31 MARÇO 2012



ALMODÔVAR


ALMODÔVAR ZE 23
GPS N 37º 29.290' / W 8º 08.453'

Ao km 73,3 da EN 393 (Gomes Aires-Almodôvar) virar à direita para Santa Clara; dentro da povoação, virar à direita para Cemitério/Campo de Futebol; 100m depois virar à esquerda para Campo de Futebol. 200m depois surge a ZE.
Duas zonas numa: a primeira numa curva para a direita e a segunda num gancho para a esquerda em asfalto. Muito espetáculo, para mais com pneus de terra, e de fácil acesso.
Visibilidade - 3 Espetacularidade - 3 Acessos - 3


ALMODÔVAR ZE 24GPS N 37º 27.371' / W 8º 06.131'

Tome a municipal à saída de Almodôvar para Salir; 2,15km depois seguir por caminho de terra à direita. Seguir sempre pela pista principal até à ZE.
Aproximação muito rápida a um "topo cego" com um cruzamento à direita, numa curva muito larga, com uma árvore na trajetória de saída a refrear alguns "ânimos"... Visibilidade interessante numa ZE que continua por uma pequena reta a que se segue uma direita entre dois taludes com um topo interessante, a descompensar os carros.
Visibilidade - 2 Espetacularidade - 2 Acessos - 2


ALMODÔVAR ZE 25
GPS N 37º 25.598' / W 8º 08.619'

Uma longa ligação de 38km até à ZE e mais recomendada para veículos 4x4. Ao km 58,0 da EN 124 (Salir-Benafim) siga para Malhão/Cortinhola; 7,45km depois à direita para Almodôvar/Malhão; 2,4km depois à direita para Almodôvar; 11km depois virar à esquerda para S. Barnabé/Malhão; 4km depois seguir sobre a direita para Monte Abaixo/Malhão; 150m depois de entrar em Monte Abaixo virar à direita para Monte das Fóias para estrada de terra atè à ZE.
Local com duas colocações possíveis: no primeiro, a zona tem boa visibilidade mas o índice espetacular é baixo, numa reta em que os carros passam a fundo num estradão muito largo; no segundo, o nível espetacular aumenta, com uma esquerda muito rápida a que se segue uma longa reta.
Visibilidade - 2 Espetacularidade - 1 Acessos - 2


ALMODÔVAR ZE 26
GPS N 37º 24.508' / W 8º 07.011'

Tome a municipal à saída de Almodôvar para Salir; 2,5 depois de Cerro do Negro virar à direita, direção Brunheira; 1,6km depois chega à placa de Brunheira; 100m depois à direita para estrada de terra, direção Boavista; 1,3km depois, na placa Cerro da Corte, tomar a estrada da esquerda; 1,9km depois está na ZE.
Zona muito larga num estradão muito rápido, com um topo em frente para uma forte travagem para um cruzamento à esquerda, em que o percurso estreita bastante, exigindo muita condução.
Visibilidade - 2 Espetacularidade - 2 Acessos - 2


ALMODÔVAR ZE 27GPS N 37º 24.867' / W 8º 04.799'

Tome a municipal à saída de Almodôvar para Salir; 950m depois de passar Fontes Ferrenhas virar à direita para estrada de terra, junto a umas casas; 600m depois seguir pela direita até à ZE.
Zona muito rápida com uma lomba a anteceder um esquerda quase a fundo, de fraco nível de espetacularidade.
Visibilidade - 3 Espetacularidade - 1 Acessos - 2





Almodovar





VASCÃO


VASCÃO ZE 28
GPS N 37º 24.832' / W 7º 58.195'

Ao km 678,2 da EN 2 (Ameixial-Dogueno) seguir pela estrada de terra em direção a Monte Ribeira/Vascão; 850m depois sobre a esquerda, junto às casas e depois sempre em frente até à ZE.
Ainda nos primeiros quilómetros do troço, trata-se de uma fase bastante rápida e a descer, no ataque a um cruzamento em gancho à esquerda com guardas de ponte à saída, a que os pilotos terão de prestar atenção. Visibilidade reduzida mas espetáculo assegurado na travagem...
Visibilidade - 1 Espetacularidade - 2 Acessos - 2


VASCÃO ZE 29GPS N 37º 24.842' / W 7º 54.465'

Ao km 669,6 da EN 2 (Almodôvar-Dogueno), virar à esquerda para Guedelhas. 6,85km depois virar à direita para Monte Xereznta Cruz; 3,9km depois de Santa Cruz, à esquerda para Cachopo/Alcoutim; 600m depois à direita para Cerro das Águias/Monte Branco do Vascão; 150m depois passa a terra até à ZE.
Fase de grande espetáculo do troço, com uma aproximação muito rápida a um gancho para a direita de grande dificuldade de ataque, já que a estrada estreita imenso. A ZE prolonga-se depois por uma descida estreita, com grande visibilidade, que termina numa direita muito traiçoeira.
Visibilidade - 2 Espetacularidade - 3 Acessos - 2

VASCÃO ZE 30
Referência GPS N 37º 21.317'
/ W 7º 56.344'

Ao km 669,6 da EN 2 (Almodôvar-Dogueno), virar à esquerda para Guedelhas. 6,85km depois virar à direita para Monte Xerez/Santa Cruz; 3,9km depois de Santa Cruz, à esquerda para Cachopo/Alcoutim; 6,1km depois, à direita para Ameixial em direcção a Corte João Marques e a Corte de Ouro, onde encontra a ZE.
Zona em asfalto, com uma entrada em cruzamento para a esquerda e saída em cruzamento para a direita, muito rápida e muito espetacular, pois os pneus de terra não tão eficazes neste tipo de piso.
Visibilidade - 3 Espetacularidade - 3 Acessos - 3


VASCÃO ZE 31GPS N 37º 20.894' / W 7º 56.172'

Ao km 692,5 da EN 2 (Almodôvar-Dogueno), em Besteiros, virar à direita para Corte do Ouro/Corte J. Marques; 300m depois à esquerda, com as mesmas indicações; 350m depois passa a terra; 450m depois sobre a esquerda, passando depois uma pequena ribeira, surgindo a ZE 550m depois.
Zona interessante, de boa visibilidade, com um topo em asfalto seguido de uma descida, passando logo a seguir a piso de terra num cruzamento à direita, numa curva larga e de grande espetáculo.
Visibilidade - 2 Espetacularidade - 2 Acessos - 3





Vascao





LOULÉ


LOULÉ ZE 32
GPS N 37º 17.309' / W 8º 00.988'

Ao km 59,5 da EN 124 (Benafim-Barranco do Velho) virar à esquerda para Sernadinha/Ameijoafra; 2,2km à direita para Califórnia/Ameixeirinhas; 450m depois da placa de Ameixeirinhas à esquerda; em Portela do Barranco seguir a indicação Barrigões, entrando em terra; 700m depois à direita para Barranco; 750m depois estacionar o carro. Fazer 550m a pé até chegar à ZE.
Zona com algum interesse, com uma esquerda e uma direita muito rápidas a descer, a que se segue uma fase de boa visibilidade.
Visibilidade - 2 Espetacularidade - 2 Acessos - 1


LOULÉ ZE 33
GPS N 37º 15.854' / W 7º 58.746'

Ao km 706,1 da EN 2 (Faro-Almodôvar), virar à esquerda para aterro sanitário; 2,6km depois siga em frente para estrada de terra; 250m sobre a direita; 150m depois estacione o carro e siga a pé até à ZE.
Estamos perante duas zonas numa só. A primeira é uma passagem terra/asfalto/terra com um gancho à esquerda no regresso à esquerda, onde uma vala poderá refrear um pouco os ânimos dos pilotos. Estamos nas vizinhanças de uma lixeira e o cheiro que anda no ar não é o mais agradável. Vá prevenido... A segunda zona é adjacente à pista de motocross da Cortelha, ligeiramente a subir, com a estrada a alargar e com uma esquerda bastante rápida.
Visibilidade - 2 Espetacularidade - 2 Acessos - 3


LOULÉ ZE 34
GPS N 37º 16.323' / W 7º 57.821'

Seguir a EN 2, direção norte, até ao km 702,9.
Estamos num local em que os concorrentes quase tocam a mítica EN2, numa estrada a descer, de reduzida visibilidade, com uma curva à esquerda muito redonda, certamente a causar bom espetáculo à sua saída.
Visibilidade - 1 Espetacularidade - 2 Acessos - 3




Loule




NUNO DINIS

RALLYE DE PORTUGAL 2012



ETAPA II  
30 MARÇO 2012



TAVIRA

TAVIRA ZE 10GPS N 37º 10.091' / W 7º 39.591'
Ao km 134,9 da EN 125 (Faro-V.R.S. António) virar à esquerda na direção Tavira/Cachopo; 250m depois à direita para Ermida N.S. Saúde/Alcaria do Cume/Cachopo; 2,7km depois à esquerda e logo na segunda à direita; 700m depois à esquerda; 350m depois entra em caminho de terra depois de passar sob o viaduto; 850m depois está na ZE.
A aproximação e abordagem a este gancho, puro e duro, proporcionará emoções fortes. A travagem será violenta e a colocação do carro fundamental, para não perder muito tempo. O espetáculo aqui é garantido.
Visibilidade - 3 Espetacularidade - 3 Acessos - 3


TAVIRA ZE 11GPS N 37º 10.212' / W 7º 39.688'
Ao km 134,9 da EN 125 (Faro-V.R.S. António) virar à esquerda na direção Tavira/Cachopo; 250m depois à direita para Ermida N.S. Saúde/Alcaria do Cume/Cachopo; 2,7km depois à esquerda e depois em frente, direção Alcaria do Cume/Cachopo; 3,5km depois está em Vale do Junco e 1,5km depois, ao km 34,0 da EN 397, virar à direita para estrada de terra, direção Tavira/Carreira de Tiro/Jardim de Bonsai; 350m depois seguir sobre a esquerda; 1350m depois encontra a ZE.
A saída de uma curva apertada à esquerda será o inicio de uma ampla e espetacular visão de uma variedade de situações, seguindo-se uma longa reta e uma forte travagem para uma passagem a vau, para abordagem a uma longa direita que fará as delicias daqueles que apreciam boa condução.
Visibilidade -3 Espetacularidade - 3 Acessos - 3


TAVIRA ZE 12
GPS N 37º 11.158' / W 7º 39.523'

Ao km 136,0 da EN 125 (Faro-V.R.S. António) virar à esquerda na rotunda direção Fonte Salgada; 700m depois em frente na rotunda, direção Ermida N. S. da Saúde/Fte. Salgada; 2,05km depois de passar a placa Fonte Salgada, virar à esquerda para caminho de terra, direção Colos/Zimbral/Cachopo/Eira da Palma; 1,3km depois seguir pela esquerda, direção Colos/Zimbral/Cachopo; 650m depois à direita, direção Colos/Zimbral/Cachopo; 600m depois à esquerda, direção Colos/Zimbral/Cachopo; 400m depois à esquerda, direção Zimbral/Cachopo; 300m depois chega à ZE.
Vindos de uma zona rápida mas encadeada no topo da colina, os pilotos terão de se aplicar para negociarem a apertada curva à esquerda. O facto da zona se encontrar num cabeço, mesmo por cima da pista, alia conforto, ampla visão e segurança à espetacularidade desta sequência.
Visibilidade - 3 Espetacularidade - 3 Acessos - 3


TAVIRA ZE 13GPS N 37º 11.622' / W 7º 40.173'

Ao km 134,9 da EN 125 (Faro-V.R.S. António) virar à esquerda na direção Tavira/Cachopo; 250m depois à direita para Ermida N.S. Saúde/Alcaria do Cume/Cachopo; 2,7km depois à esquerda e depois em frente, direção Alcaria do Cume/Cachopo; 3,5km depois está em Vale do Junco e 1,5km depois, ao km 34,0 da EN 397, seguir em frente; 1,15 km depois, ao km 32,9 da EN 397 virar à direita para estrada de terra, direção Zimbral; 1,8km depois virar à esquerda; 400m depois está na ZE.
Esta é a zona espetáculo por excelência. A estrondosa visibilidade, conjugada com a abordagem a um gancho direita, são razão suficiente para quem gosta de ver bastante e ao mesmo tempo adora curvas apertadas.
Visibilidade – 3 Espetacularidade - 3 Acessos - 3


TAVIRA ZE 14
GPS N 37º 11.816' / W 7º 40.173'

Ao km 136,0 da EN 125 (Faro-V.R.S. António) virar à esquerda na rotunda direção Fonte Salgada; 700m depois em frente na rotunda, direção Ermida N. S. da Saúde/Fte. Salgada; 2,05km depois de passar a placa Fonte Salgada, virar à esquerda para caminho de terra, direção Colos/Zimbral/Cachopo/Eira da Palma; 1,3km depois seguir pela esquerda, direção Colos/Zimbral/Cachopo; 650m depois à direita, direção Colos/Zimbral/Cachopo; 600m depois em frente, direção Ribeirinha/Corte Besteiros; 1,55km depois virar tudo para trás em gancho à esquerda; 550m depois sobre a esquerda; 1km depois à esquerda; 550m depois à esquerda, junto a uma casa; 150m depois à direita; 1,9km depois chega à ZE.
Esta zona é uma verdadeira transmissão em direto de uma boa parte do troço. Mais de um quilómetro, em linha de cumeeira, num autêntico serpentear de montanha. Belas sequências de curvas rápidas e médias. O facto de a zona se encontrar num cabeço, mesmo por cima da pista, alia conforto, ampla visão e segurança, à Espetacularidade desta sequência.
Visibilidade - 3 Espetacularidade - 3 Acessos - 2


TAVIRA ZE 15GPS N 37º 14.285' / W 7º 38.359'

Ao km 136,0 da EN 125 (Faro-V.R.S. António) virar à esquerda na rotunda direção Fonte Salgada; 700m depois em frente na rotunda, direção Ermida N. S. da Saúde/Fte. Salgada; 2,05km depois de passar a placa Fonte Salgada, seguir em frente; 1,75km depois voltar à direita entre construções; 3,4km depois à esquerda, direção Umbrias de Camacho; 4,1km depois chega à ZE.
Os pilotos deixam momentaneamente a terra para entrarem a fundo num asfalto pouco confiante. A sequência que antecede esta passagem reveste-se de interesse acrescido pelas dificuldades do percurso.
Visibilidade - 2 Espetacularidade - 2 Acessos - 3


TAVIRA ZE 16GPS N 37º 14.743' / W 7º 39.057'

Ao km 136,0 da EN 125 (Faro-V.R.S. António) virar à esquerda na rotunda direção Fonte Salgada; 700m depois em frente na rotunda, direção Ermida N. S. da Saúde/Fte. Salgada; 2,05km depois de passar a placa Fonte Salgada, seguir em frente; 1,75km depois voltar à direita entre construções; 3,4km depois à direita, direção Estorninhos; 1,7km depois à esquerda, direção Estorninhos/Faz Fato; 550m depois à direita, direção Faz Fato; 3,85km depois à esquerda, direção Vale de Ebros/Bemparece/Cintados/Ebros; 2,55km depois à direita, direção Bemparece/Cintados/Ebros; 3,7km depois à esquerda, direção Casa Queimada; 2,7km depois em frente, na placa Umbrias de Camacho; 2,2km depois está a ZE.
Para aqueles que gostam de se instalar atempadamente e deliciar-se com a paisagem envolvente, esta é a zona de eleição. Gozando de uma ampla visibilidade, conforto e segurança, o encadeamento de curvas possíveis de serem vistas é enorme.
Visibilidade - 3 Espetacularidade - 3 Acessos - 3




Tavira






ALCARIAS

ALCARIAS ZE 17
GPS N 37º 14.646' / W 7º 44.066'

Ao km 19,3 da EN 397 (Tavira-Cachopo) vire à esquerda, direção Alcaria do Cume; 800m depois encontrará a ZE.
Este gancho fez parte do antigo troço de Serra de Tavira, o de Alcaria do Cume, com uma aproximação rápida e muito interessante, que promete bons momentos de condução.
Visibilidade -3 Espetacularidade -3 Acessos - 3


ALCARIAS ZE 18GPS N 37º 14.797' / W 7º 44.264'

Em Santa Catarina da Fonte do Bispo, na EN 270 (Tavira-S. Brás Alportel), virar à direita em direção a Porto Carvalhoso; 2,45km depois, na placa Porto Carvalhoso, sobre a direita; 5,35km depois em frente; 11,2km depois, deixando para trás as povoações de Malhada do Judeu e Alcaria Fria, chega à ZE.
Para quem gosta de ver pilotos a dominarem o asfalto com pneus de terra, esta é a zona de eleição. Uma descida bastante técnica que terminará numa travagem bastante forte para uma esquerda apertada de regresso à terra.
Visibilidade - 2 Espetacularidade - 3 Acessos - 3




Alcarias




S.BRAS DE ALPORTEL


S. BRÁS DE ALPORTEL ZE 19
GPS N 37º 13.316' / W 7º 50.003'

Recomendado apenas para veículos 4x4. Em Santa Catarina da Fonte do Bispo, na EN 270, virar à direita para Porto Carvalhoso; 2,25km depois de Bemparece virar à esquerda para estrada de terra; 950m depois de passar uma primeira ribeira seguir pela direita; 500m depois atravessar outra ribeira e seguir pela esquerda até à ZE.
Zona de enorme visibilidade, em que se pode assistir à evolução dos concorrentes ao longo de mais de um quilómetro, numa descida espetacular e com muita condução. Depois de atravessarem uma linha de água, os pilotos entram na subida que dá acesso à ZE, numa sequência esquerda/direita interessante. Acesso apenas aconselhável a motos ou 4x4.
Visibilidade - 3 Espetacularidade - 3 Acessos - 1


S. BRÁS DE ALPORTEL ZE 20
GPS N 37º 12.565' / W 7º 50.608'

Ao km 723 da EN 2 (Faro-S.B. Alportel) seguir na rotunda para Tavira; 1km depois continuar para Tavira; 750m depois à esquerda para S. Brás de Alportel; 250m depois à direita para Mealhas; 950m depois no stop à esquerda; 800m depois no stop à direita para Almargem/Arimbo/Bico Alto; 400m depois à direita para Arimbo/Almargem; 3km depois à esquerda para caminho de terra; sempre em frente até à ZE.
Fase interessante da classificativa, com os concorrentes a surgirem à saída de um topo à direita para uma ligeira descida, com uma sequência esquerda/direita muito rápida e uma longa recta com grande visibilidade.
Visibilidade - 2 Espetacularidade - 2 Acessos - 2


S. BRÁS DE ALPORTEL ZE 21
GPS N 37º 12.698' / W 7º 53.607'

Em Alportel, ao km 718,6 da EN 2 (Faro -Almodôvar), seguir à direita para Cabeça do Velho/Javali/Cova da Muda; 100m depois à direita, entre casas; passar Cova da Muda e seguir sempre em frente até à ZE.
Sem dúvida uma das melhores ZE do rali, numa parte do troço que cruza uma estrada municipal de asfalto, com excelente visibilidade, com uma fase muito rápida antes do miradouro e do asfalto, para continuar a subir espetacular, sempre rápida, com uma esquerda de grande recorte.^
Visibilidade - 3 Espetacularidade - 3 Acessos - 3


S. BRÁS DE ALPORTEL ZE 22
GPS N 37º 12.708' / W 7º 54.310'

Em Alportel, ao km 718,6 da EN 2 (Faro - Almodôvar), seguir à direita para Cabeça do Velho/Javali/Cova da Muda; 100m depois à direita, entre casas; 450m depois da placa Cova da Muda à esquerda, direção Barragem, entrando em estrada de terra a seguir; 400m depois à direita com vala funda e depois 1,7 sempre em frente até ZE.
Zona em planalto com boa visibilidade e muito espaço para o público, com uma fase muito rápida do troço, em que se pode assistir a uma direita de grande espetáculo para esquerda em que a estrada estreita ligeiramente.
Visibilidade - 2 Espetacularidade - 2 Acessos - 1




SBAlportel



NUNO DINIS

VODAFONE RALLYE DE PORTUGAL 2012




Qualificação é chave para a vitória

"Qualifying" realiza-se amanhã e define a posição na estrada de cada equipa

O Vodafone Rally de Portugal começa na quinta-feira mas os pilotos vão ter de acelerar já a partir de amanhã durante o "qualifying", uma das novidades regulamentares da presente época e que, este ano, se assume como um dos momentos determinantes das provas de terra do Mundial de ralis, pois é a partir do mesmo que se define a ordem de partida para o primeiro dia de competição.

Denominado de "especial de qualificação" (em inglês, qualifying stage), este momento assume, desde que a época começou, uma importância maior do que antigamente, em que servia, em exclusivo, para os pilotos fazerem os últimos testes e afinações aos carros de competição.

Aquela fórmula apenas se aplica nos ralis de neve e terra: os pilotos com prioridade 1 FIA têm uma janela de duas horas, durante a prova de teste, para poderem treinar. Depois disso, e pela ordem de classificação no campeonato, fazem uma passagem contra o relógio para determinar a ordem de partida para o primeiro dia. O mais rápido é o primeiro a escolher, enquanto aqueles que não conseguirem completar a sua sessão ficam com os lugares que os adversários não quiserem. Nos dias seguintes de competição, os pilotos saem para a estrada pela ordem inversa à da classificação referente ao final do dia anterior.

Jari-Matti Latvala, piloto da Ford que este ano já venceu no Rali da Suécia, explica porque é que ser o primeiro na estrada nem sempre é o melhor, especialmente em ralis de terra. "Neste tipo de provas existe muita terra solta e por isso é importante partir o mais atrás possível para não termos de 'limpar' a estrada", afirma o finlandês. "Por outro lado, se chover, é melhor sair na frente porque a seguir as especiais ficam cada vez mais lamacentas e escorregadias."
Sébastien Loeb, concorda com o seu adversário, mas ressalva que estes princípios apenas se aplicam "em condições normais", porque se houver muito pó e as condições meteorológicas não contribuírem para a sua dissipação, partir atrás pode não ser tão positivo como o esperado.

Por isso, e com a introdução de três troços noturnos, a maioria dos pilotos está à espera por previsões meteorológicas mais exatas para os dias de competição e, só depois, tomará uma decisão relativamente à escolha da posição de partida. Uma coisa é certa, todos os pilotos vão "andar a fundo" durante o qualifying, como sustenta Evgueny Novikov, porque ninguém quer ser o último a escolher o seu lugar.

Troço de Tavira "vai fazer a diferença"

As equipas cumpriram o segundo dia de reconhecimentos e puderam descobrir uma das novidades deste ano, a especial de Tavira. Armindo Araújo e Sébastien Ogier fizeram as duas passagens permitidas e não têm dúvidas que é uma classificativa que "vai fazer a diferença", garante o piloto do WRC Team Mini Portugal.

Para o português, o troço "é muito trabalhoso e diferente dos restantes", enquanto o francês da Volkswagen justifica que a sua especificidade tem a ver com "o facto de ser novo e traiçoeiro".

Mads Ostberg acrescenta, ainda, que as equipas vão ter de se preocupar com a gestão dos pneus. "A especial é uma das mais lentas de todo o rali e como é dura e é sempre a subir e a descer torna-se exigente para os carros e provoca maior desgaste nos pneus", afirma o norueguês.

Para além dos reconhecimentos, hoje já foi dia de verificações. O qualifying realiza-se, amanhã, em Vale de Judeu, como habitual, a partir das 10h40.


Todas as informações em www.rallydeportugal.pt




NUNO DINIS

TEAM VODAFONE BP ULTIMATE

PRIMEIRA RONDA DO IBERIAN SUPERCARS TROPHY FOI ADIADA



O Vodafone BP Ultimate Team cancelou a deslocação prevista para este fimde-semana ao Circuito de Navarra, na sequência da organização da prova ter adiado a realização daquela que seria a primeira jornada do campeonato.
A razão prende-se com a Greve Geral prevista para o país vizinho do dia 29 de Março (esta 5ª Feira), factor que a organização do Iberian Supercars Trophy considerou poder inviabilizar a chegada em tempo útil ao circuito localizado no norte de Espanha do material das equipas inscritas, nomeadamente as formações portuguesas que participaram no passado fim-de-semana em Braga na prova de abertura do Campeonato de Portugal de Circuitos, como foi o caso do Vodafone BP Ultimate Team.
Os responsáveis consideraram que com esta prova a decorrer apenas uma semana após a jornada portuguesa, a paralisação prevista não garantia que todos conseguissem fazer chegar ao circuito o equipamento necessário, impossibilitando a igualdade entre todos os participantes.

A calendarização desta prova do Iberian Supercars Trophy 2012, de que os pilotos Miguel Barbosa e José Pedro Fontes são detentores do título referente à época transacta, fica adiada para data a anunciar oportunamente pelo promotor do campeonato.



NUNO DINIS

ARC SPORT




ARC SPORT COM O CAMPEÃO DE PORTUGAL



Ricardo Moura quer terminar a prova do WRC


Campeão de Portugal de Ralis 2011 e líder do actual campeonato português depois da vitória no Sata Rallye Açores, Ricardo Moura quer concluir uma prova do WRC, fazendo passar a imagem dos Açores ao longo de 22 provas especiais de classificação e durante quatros dias de dura e intensa competição.
Para o piloto açoriano, que no ano passado só conseguiu terminar a prova máxima portuguesa ao abrigo do “Super Rali”, este é um grande desafio que terá pela frente, contando com o total apoio da ARC Sport e com António Costa como navegador. Esta é seguramente uma prova difícil, mas muito importante.
“Era nosso desejo desde o início estar presente nesta prova, pois é o rali mais mediático, onde qualquer piloto deseja evoluir, sendo perfeito para o traquejo que se consegue adquirir, por ser uma prova muito longa e exigente. É uma competição com muita visibilidade, excelente para defender os interesses dos Açores, no que ao turismo diz respeito”, afirma Ricardo Moura, sabendo bem a importância desta aposta. “Esta é uma prova feita para os WRC, com uma toada muito exigente para os carros de Grupo N, onde teremos de lutar pela sobrevivência. Desta vez gostaríamos de terminar a totalidade dos dias. O carro foi alvo de uma revisão adequada às dificuldades que se esperam, e estamos confiantes que poderemos manter um ritmo rápido entre os portugueses. Vai ser determinante não cometer erros, especialmente nos troços nocturnos que são uma novidade para nós”, conclui Ricardo Moura.
Para a ARC Sport, esta é mais uma experiência numa prova do Campeonato do Mundo de Ralis. Como é habitual, toda a equipa está preparada para responder de forma positiva às exigências do Campeão de Portugal de Ralis.
“Toda a equipa trabalhou afincadamente numa revisão profunda ao carro, para que o Ricardo Moura possa concluir a prova sem qualquer tipo de problemas. Deposito confiança total em todos os elementos da ARC Sport para que se consiga ultrapassar mais este grande desafio”, declara, com confiança, Augusto Ramiro.







NUNO DINIS
PHOTO: AIFA

PAULO NETO SPORT




Época começa com o Rali de Portugal


Paulo Neto / Paulo Fiuza vão dar início à nova temporada de 2012 no Rali de Portugal. A dupla da Paulo Neto Sport tem por objectivo terminar a prova e fazer o melhor resultado possível.
Apesar do objectivo principal da temporada ser o Campeonato de Portugal de Ralis 2L/2RM, competição que terá início no final do mês de Abril, Paulo Neto /Paulo Fiuza vão marcar presença já no Rali de Portugal.
É uma prova que qualquer piloto e qualquer equipa gosta de participar. Será a quarta vez que marco presença neste rali no Algarve, embora os objectivos sejam sempre os mesmos”, afirma Paulo Neto, concretizando que queremos desportivamente terminar a prova, o que nos garante desde logo um excelente resultado nas contas do Campeonato de Portugal de Ralis. Por outro lado, queremos também potenciar a imagem dos nossos parceiros, que mais uma vez nos permitiram viabilizar o nosso projeto para este ano”.
Depois de uma sessão de testes, que serviu de shakedown para o Rali de Portugal, e da exposição do Citroen DS3 no Forum Sintra durante o passado fim-de-semana, numa excelente iniciativa de promoção da equipa e dos seus patrocinadores (com a realização de diversas ações, registando-se uma enorme receptividade por parte das pessoas), Paulo Neto garante que está tudo pronto para esta prova. A motivação é grande, tanto mais que vou estrear um novo navegador que será uma mais valia para mim e para a equipa. Do que já reconhecemos, penso que rapidamente nos entrosaremos, sendo o Rali de Portugal uma excelente oportunidade para tal”.
 A presença da Paulo Neto Sport no CPR, CPR2 e no Citroen Racing Trophy de 2012, que terá a assistência técnica da P&B Racing, conta com os seguintes parceiros:

-      SAINT GOBAIN – WEBER – Argamassas industriais
-      QUANTINFOR – Consultoria informática
-      VITARTE – Produção gráfica
-      CARAS DECORAÇÃO
-      DIRESCO – Superfícies de Quartzo
-      CARLOS SIMÕES - Concessionário Citroen em Mafra
-      BANHOAZIS - Mobiliário de Banho
-      LISTOR - Pavimentos Flutuantes
-      TRES – Torneiras
-      DOMINÓ – Indústrias Cerâmicas
-      SANITANA - Sanitários
-      PAULO NETO, LDA – Materiais de construção




NUNO DINIS
PHOTO: PAULO NETO SPORT

VODAFONE RALLYE DE PORTUGAL 2012





Tempo de reconhecimentos

Troços de Gomes Aires e Ourique vão ser regados para evitar o pó


As equipas inscritas no Vodafone Rally de Portugal já estão na estrada. Apesar da competição só começar na próxima quinta-feira, pilotos e co-pilotos começaram hoje a fazer os reconhecimentos das especiais. Todos elogiaram as condições em que encontraram as classificativas, com destaque para o estado do piso, mesmo se alguns tenham feito referência à dureza do terreno, potenciada pela falta de chuva durante o inverno.

Para Petter Solberg, que chega ao Algarve muito moralizado depois do triunfo no WRC Fafe Rally Sprint, que se realizou no passado sábado, "os troços estão fantásticos. O primeiro dia de reconhecimentos correu muito bem", afirmou o norueguês da Ford.

Por outro lado, o campeão do Mundo e líder do Mundial, Sébastien Loeb, elogiou as condições "dos troços, que estão bons, como é habitual", mas mostrou-se um pouco apreensivo em relação ao pó. "Pode ser um problema grande nas especiais noturnas", referiu o piloto da Citroën.

Armindo Araújo explicou que existe alguma expectativa por parte dos pilotos em relação ao pó porque receiam que, se este não levantar, as condições de visibilidade sejam reduzidas nas três especiais da noite. "Fora isso, está tudo a correr muito bem. Os troços estão excelentes, o teste de ontem também foi positivo, apesar de ainda não dispormos das evoluções previstas para o Mini, e estamos otimistas", disse o português.

Entretanto, e sem garantias que chova até quinta-feira, a organização do Rali de Portugal decidiu regar, com abundância, os primeiros 3,5 quilómetros da especial de Gomes Aires e a totalidade da classificativa de Ourique para, assim, evitar que se levante pó e isso ponha em risco a segurança dos participantes.

Durante o primeiro dia de reconhecimentos, Kevin Abbring, companheiro de equipa de Sébastien Ogier na Volkswagen, cumpriu a totalidade das especiais com dificuldades devido a problemas de estômago. "Não me sinto nada bem. Preciso de comer para ter energia, mas o corpo rejeita e não consigo estar em pleno. Nos troços estou concentrado, mas não posso andar à velocidade que gostaria", lamentou o jovem holandês que optou, ainda assim, por só ser observado pelo médico da equipa no final do dia.

Entre os estreantes no Vodafone Rally de Portugal em carros de WRC, Jari Ketomaa, gostou muito do tipo de troços que encontra nesta prova do campeonato do Mundo mas deixa o alerta: "A especial grande de domingo, com 31 quilómetros (Santana da Serra) é estreita e traiçoeira. Vai ser muito interessante."

O companheiro de Armindo Araújo no WRC Team Mini Portugal, Paulo Nobre, adjetiva o quarto rali do calendário do Mundial de "fantástico. É impressionante. Tem troços bem difíceis, com muitas lombas cegas."

Durante o primeiro dia de reconhecimentos, pilotos e co-pilotos tiraram notas de sete troços, entre os quais as três especiais noturnas de quinta-feira, a classificativa de Almodôvar, que se realiza na sexta-feira, e, por fim, Silves e Santana da Serra, previstas para domingo.
 As equipas foram separadas em dois grupos, um para pilotos prioritários e outra para pilotos não prioritários, e cada um teve a possibilidade de efetuar duas passagens por cada troço a uma velocidade máxima de 90 km/h.
 Amanhã continuam os reconhecimentos, com as restantes classificativas do rali, à exceção da super-especial de Lisboa. Esta será reconhecida no próprio dia, na qual os pilotos irão guiar carrinhos de golfe elétricos.


Todas as informações em www.rallydeportugal.pt


NUNO DINIS