WRC - RALLYE DE FRANCE


DANI SORDO E MINI LIDERAM RALLYE



ARMINDO ARAUJO É SÉTIMO
BERNARDO SOUSA É QUINTO NO SWRC

O primeiro dia do Rali de França teve muita emoção e também muita surpresa à mistura, com a maior de todas a ser a liderança de Sordo. Mas vamos por partes.
Ainda o rali mal tinha começado e já Sebastien Loeb tinha abandonado, quando na terceira especial da prova o seu Citroen DS3 parou com problemas de motor, isto depois de ter comandado nas duas primeiras especiais.

Sebastien Ogier saltou então para a liderança, mas também ele se viria a queixar de problemas no motor a partir da quinta especial tendo de pronto começado a levantar o pé do acelerador, embora se tenha mantido bem perto do primeiro lugar.

Como consequência disso, Petter Solberg passou a ser o terceiro líder do rali. O norueguês andou sempre muito forte ao longo do dia, venceu dois troços mas não resistiu ao ataque final de Sordo, apesar de se manter totalmente dentro da luta pela vitória.

Do lado da Ford também houve surpresas e para o seus dois pilotos. Ambos tiveram uma saída de estrada na terceira especial e perderam em redor de um minuto, com maior prejuízo para Latvala. Certo é que depois, já em condições normais, qualquer dos pilotos da Ford não conseguiu recuperar tempo, tendo mesmo Hirvonen perdido ainda mais segundos depois de mais um pião.

Porém, a grande surpresa veio da prestação dos Mini, sobretudo de Daniel Sordo. Qualquer deles ocupou excelentes posições na geral (3º e 4º lugar) durante a etapa, com o espanhol a ter um ritmo muito alto devido ao bom acerto do Mini e à experiência de Sordo no asfalto, mas Meeke está também a ser muito rápido e competitivo.

No derradeiro troço, Sordo atacou muito forte, vencendo a especial passando dessa forma para a liderança do Rali de França, dois feitos muito importantes no primeiro ano da marca no WRC.

O melhor dos não oficiais é... Armindo Araújo com o 7º lugar. O português andou sempre nos 10 primeiros, lutando sempre por um lugar com Kuipers, Ostberg (furou na 7ª especial), H. Solberg e Novikov, pilotos que superou em diversas especiais de classificação.

Quanto a Bernardo Sousa é o quinto classificado do SWRC, numa competição que é liderada por Tanak, com Brynildsen e Prokop no 2º e 3º lugar mas já mais de 1m48s da liderança.



LÍDERES SUCESSIVOS
Sebastien Loeb (1ª e 2ª Pec); Sebastien Ogier (3ª à 6ª Pec); Petter Solberg (7ª pec); Daniel Sordo (8ª pec)



VENDEDORES DE TROÇOS
Sebastien Loeb (1); Sebastien Ogier (3); Petter Solberg (2); Daniel Sordo (1); Jari Matti Latvala (1)



CLASSIFICAÇÃO 1ª ETAPA:

1º DANI SORDO     1:23:02.1
2º PETTER SOLBERG A 1.0S
3º S. OGIER A 2.98S
4º KRIS MEEKE A 54.5S
5º LATVALA A 1:13.7S
6º HIRVONEN A 1:20.6S
7º A. ARAUJO A 2:23.1S
8º OTSBERG A 2:38.7S
9º D. KUIPERS A 2:46.8S
10º H. SOLBERG A 3:18.0S
...
20º B. SOUSA   A 6:58.7S    (5º SWRC A 2:55.1S DO LIDER TANAK)




http://www.ralisonline.net/

NUNO DINIS

WRC - RALLYE DE FRANCE



APÓS PEC 4


Quando estão realizadas 4 provas especiais de classificação Ogier (Citroen)lidera a prova gaulesa, onde o seu colega e campeão do mundo se encontra apenas na 19ª posição,sendo falado (ainda sem confirmacao) que já tinha desistido. Ogier tem uma vantagem de 5.0s sobre o privado Petter Solberg (Citroen) e de 6.6s sobre Dani Sordo em Mini WRC. A quarta posição é ocupada pelo outro Mini WRC pilotado por Kris Meeke mas este já a 21.4s do seu companheiro equipa. Em 5º está Ostberg (Ford) mas a 25.5s de Meeke enquanto que o melhor Ford oficial ocupa a 6ª posição ja a 1 minuto da liderança da prova francesa.

Os "nossos" Armindo Araujo e Miguel Ramalho em Mini WRC ocupam a 8ª posição da geral a apenas 0.7s de um tal...Latvala num rali dificilimo para a Ford.

Os "nossos" Bernardo Sousa e Paulo Babo no Ford Fiesta S2000, ocupam (ao fim da 3ª pec pois ainda não competaram a pec 4) a 22ª posição da geral e o 5º posto entre pilotos do SWRC já a 1.52.1 do lider Tanak.



NUNO DINIS

BERNARDO SOUSA

A época no Mundial de Ralis SWRC está prestes a chegar ao fim com apenas duas provas por realizar para o Team Quinta do Lorde, sendo que será já neste fim-de-semana que se realizará a etapa francesa com Bernardo Sousa e Paulo Babo de novo a tripular o Ford Fiesta S2000.

Depois do teste realizado no Rali Centro de Portugal na passada semana a equipa está confiante, e nem mesmo o facto de não terem conseguido aproveitar toda a extensão da prova para trabalhar no acerto do carro, irá limitar as suas aspirações a um bom resultado.

Para o piloto “este vai ser mais um rali em que vamos procurar desde logo imprimir um andamento muito forte, pois já demonstramos que estamos muito competitivos nos pisos de asfalto, queremos lutar pelos primeiros lugares, e se possível alcançar a vitória no rali.”
“É uma prova difícil, com zonas muito escorregadias e se o clima for instável coloca dificuldades adicionais, mas são iguais para todos. Temos de dar o nosso melhor, contar com alguma sorte e confiarmos na fiabilidade do carro para estarmos na frente da classificação no final do rali.”
“Foi excelente termos tido a oportunidade de correr no campeonato nacional na semana passada, o trabalho efectuado foi bom, e não será por termos feito apenas meio rali em condições de prova que teremos uma desculpa para um resultado menos bom, pois vamos à França com a única intenção de discutir a vitória.”

Bernardo Sousa e Paulo Babo iniciaram o trabalho de reconhecimento das classificativas na Terça-feira e o rali terá o seu arranque hoje, Sexta-feira, a primeira de três etapas que se prolongam até Domingo.

Paralelamente ao Rali de França foram lançadas duas actividades promocionais pela equipa. A primeira consiste num passatempo em conjunto com o fabricante de bicicletas Specialized e que decorre já na página oficial do Facebook de Bernardo Sousa.

A segunda actividade deriva da parceria da equipa com a Blackberry através da PT Negócios, sendo que se vai iniciar um serviço de difusão de informações através do Blackberry Messenger, exclusivamente dirigido a todos os seus fãs que utilizem os dispositivos móveis desta marca. Para isso basta adicionarem o BBPIN 26EC63F0 e aguardar pelas informações relativas às provas em que Bernardo Sousa participa.





NUNO DINIS

ARMINDO ARAUJO E MIGUEL RAMALHO

Piloto da MINI optimista para mais uma prova em asfalto





Quando, ontem foi dada a partida oficial do Rali de França, Armindo Araújo atingiu um número histórico na sua carreira. Na prova francesa, o piloto de Santo Tirso participará no seu centésimo rali e nada melhor que as belas especiais da região de Alsace para comemorar este feito. Entre provas dos campeonatos nacionais, europeu e até uma passagem pela Arábia Saudita, Armindo Araújo alinhará pela 34ª vez numa prova do Campeonato do Mundo de Ralis, no ano que marca a sua entrada e o regresso da MINI ao escalão principal.

Após o Monday Test, realizado segunda-feira Armindo Araújo mostrou-se muito motivado e preparado para a prova francesa. “Fizemos cerca de oitenta quilómetros ontem e está tudo a postos para o arranque do rali. Apesar de ser também em asfalto, esta prova é mais complicada que a anterior pois é mais propicia a furos e teremos que ter muita atenção a esse factor. Os pisos são mais escorregadios se as condições meteorológicas não forem estáveis e teremos de estar muito concentrados”, começou por dizer o piloto apoiado pela MINI, TMN, GALP, MCA, Lusitania e Turismo de Portugal.

Com as boas indicações deixadas pelo MINI JCW WRC no último Rali da Alemanha, o bicampeão do Mundo do PWRC espera poder repetir a boa prestação conseguida mas está consciente que a tarefa é novamente exigente. “Vamos tentar fazer um rali sem cometer erros e isso será fundamental para conseguir um bom resultado. Na Alemanha ficou claro que o MINI é bastante mais competitivo neste tipo de pisos e por isso vamos tentar lutar pelo melhor resultado possível. A concorrência será novamente muita mas vamos manter a mesma determinação. O grande objectivo é terminar e aprender sempre mais, tal como temos feito até agora”, frisou ainda Armindo Araújo que, como habitual, será acompanhado por Miguel Ramalho.

O Rali de França, novamente disputado na região de Alsace, tem a sua base instalada em Estrasburgo e será composto por 23 provas especiais, divididas por três etapas. Na sexta-feira serão disputadas oito classificativas, no sábado mais nove e no domingo, na derradeira etapa, a dupla portuguesa terá ainda pela frente seis provas especiais. No total, Armindo Araújo e Miguel Ramalho percorrerão quase 1300 km, 348,13 dos quais disputados ao cronometro.








NUNO DINIS
PHOTO: ANDRE LAVADINHO

ESCUDERIA CASTELO BRANCO


COMUNICADO ESCUDERIA CASTELO BRANCO


Ainda um pouco cansados, mas acreditem que bastante satisfeitos, sentimos necessidade de partilhar o que sentimos depois de terminarmos as BAJA TT Proença/ Oleiros e Idanha-a-Nova. Naturalmente, não o cansaço, este já foi partilhado por todos, mas a satisfação, e o reconhecimento.

A Escuderia Castelo Branco é de facto um GRANDE CLUBE. Ainda não nos tínhamos refeito do pó da Baja d...e Proença-Oleiros, e já estávamos a por no troço todos os concorrentes desta nossa Baja de Idanha-a-Nova. Admirável esforço, grande dedicação, que só a paixão pelos automóveis, como qualquer paixão, aliás, nos permite cometer estas “loucuras”.

As Federações da Motos e dos Automóveis, respectivamente a FIM e a FPAK, foram as primeiras a reconhecer este nosso esforço. Relativamente ao Campeonato Nacional de Todo o Terreno da FPAK, a Escuderia, “apenas” fez a proeza de ajudar a salvar um campeonato claramente comprometido pela incapacidade de outras organizações levarem a efeito as provas agendadas.

A vitalidade da Escuderia, desta enorme equipa que permite esta realização, o bom relacionamento com as autoridades locais, nossas parceiras, os nossos promotores, que entenderam que a Escuderia Castelo Branco merece este apoio, e com isto, foi a nossa região que ganhou, e o Todo o terreno saiu reforçado.

Mas para que estas provas fossem possíveis, e deixem-nos dizer-vos, realizadas com enorme sucesso, foi preciso a colaboração de muitos.

Mais uma vez tivemos a honra de ajudar a dirigir esta prova, e as palavras de felicitações, de agrado, e de reconhecimento que ouvimos, de autoridades locais, das Federações, dos promotores, das equipas e até do público, emocionaram-nos, mas não foram para nós. Foram efectivamente, palavras de elogio para todos quantos participaram nestas provas, a troco de nada, para além da grande paixão de pertencer a esta vasta equipa que põe carros e motos a correr e contribuem para que o Todo ao terreno seja uma modalidade promovida, apreciada e reconhecida.

Independentemente do nosso agradecimento a todos quantos fomos vendo e a quem não pudemos desde logo deixar de agradecer, foram muitos aqueles a quem pessoalmente não tivemos oportunidade de agradecer, pelo que queremos tornar público o nosso agradecimento, e a nossa gratidão a todos, sem excepção, que integraram esta grande equipa.

Permitam-nos assim que agradeçamos, sem ser por qualquer ordem de importância, porque todos foram igualmente importantes, aos que integraram as direcções de prova, motos e autos, aos relações com os concorrentes, à equipa médica (Médicos e enfermeiros), à equipa do secretariado e apoio, aos comissários técnicos, aos responsáveis dos sectores, aos controladores de tempos e de parques, à base de segurança, aos “inters/rádio”, (os olhos da Segurança), a todos aqueles cujas funções ou nomes não constam de qualquer regulamento, mas que participaram e cuja função foi igualmente essencial, a todos o nosso BEM-HAJAM, sem o vosso excelente desempenho, nada disto teria sido possível.

Resta agradecer a todos os parceiros da Escuderia de Castelo Branco, patrocinadores e restantes entidades, a quem a Direcção da Escuderia Castelo Branco, naturalmente saberá agradecer.

Todos estamos de parabéns, excelente jornada.

Até para o ano.

Hélder Esteves e Nuno Almeida Santos
 
 
 
 
NUNO DINIS

MIGUEL RAMOS SPORT



GT OPEN

A próxima prova do International GT Open está ao virar da esquina. Monza, a sétima etapa da temporada com corridas do GT Open do Europeu de F3 e F2 FIA terá lugar nos dias 1 e 2 de Outubro no lendário Autódromo Nazionale.

Desde 1922 até aos dias de hoje, memoráveis páginas da história do automobilismo e motociclismo foram escritas no Circuito de Monza. Os melhores pilotos, os carros mais famosos criaram uma mística difícil de igualar nestes quase 100 anos de existência.

Mas Monza não é apenas isto…

O Autodromo Nazionale de Monza é uma pista localizada perto da cidade de Monza, a norte de Milão. O maior evento que acolhe é o Grande Prémio de Itália de F1 e é considerada a casa dos Tiffosi da Ferrari.

Os principais atractivos deste circuito são as altas velocidades atingidas nas longas rectas, assim como as difíceis curvas Lesmo, Parabólica, e a Variante Ascari.

Os pilotos utilizam o motor em altos regimes na maior parte da corrida e também devido a essas elevadas velocidades, Monza foi palco de muitos acidentes fatais, principalmente nos primeiros anos da Formula 1. Têm sido feitas várias modificações no circuito, com intenção de melhorar a segurança, tanto dos pilotos como dos espectadores.

Chego a Monza na perseguição do Soheil Ayari. Ambos tivemos na jornada dupla de Portimão um embate com marcação cerrada e enquanto eu venci a primeira corrida e fiquei em 4º na segunda, o Ayari venceu a segunda e ficou em quinto na 1ª, o que fez com que eu só conseguisse recuperar 2 dos 8 pontos que tinha de desvantagem. Deste modo prevejo nova jornada de grande tensão em Monza, ainda que a estratégia de abordagem à corrida seja sempre um factor importante a considerar, depois da partida tudo pode acontecer.


COMUNICADO MIGUEL RAMOS SPORT



NUNO DINIS

RALLYE DE PORTUGAL HISTÓRICO 2011

Inscrições fecham com 84 equipas



A sexta edição do Rally de Portugal Histórico conta com 84 equipas inscritas, sendo de realçar uma vez mais a grande projecção que a competição tem em termos internacionais, já que a esmagadora maioria dos inscritos provem do estrangeiro - nada menos do que 59 formações contra 25 portuguesas.

A França volta a ser o país estrangeiro mais representado, com 31 equipas inscritas, seguida pela nossa vizinha Espanha, com 14 duplas, vindo depois a Bélgica, com 9 pilotos, Noruega, com três, Itália e Suíça, com uma equipa cada.

Recorde-se que o VI Rally de Portugal Histórico vai para a estrada a 11 de Outubro, com um percurso ligeiramente superior a 2100 Km, ao longo do qual serão disputadas 50 provas de classificação, num total de 711,89 Km, num verdadeiro e duro teste a máquinas e pilotos.


NUNO DINIS

BAJA TT IDANHA



Nuno Matos estreia-se a vencer no CPTT, Miguel Barbosa confirma quarto título




Nuno Matos venceu este sábado a Baja TT Idanha-a-Nova, quarta prova do Campeonato de Portugal de Todo-o-Terreno, obtendo a sua primeira vitória absoluta num evento que confirmou o título de Miguel Barbosa.

O piloto de Portalegre, que se estreia este ano na categoria T1 com o Opel Astra Proto, venceu com uma vantagem de 4m46s sobre o Racing Lancer de Barbosa, depois de ter ascendido ao comando com o abandono do primeiro líder, Ricardo Porém. O jovem piloto do BMW teve um problema de refrigeração no motor do Série 1 Proto e desistiu. Igual desfecho viriam a ter Rui Sousa e Pedro Grancha, ambos com avarias mecânicas.

Assim, Miguel Barbosa conseguiu recuperar até ao segundo lugar apesar do pó dos concorrentes que partiram à sua frente, nunca estando em posição de atacar a liderança de Matos mas garantindo o seu quarto título nacional de TT. O pódio ficou completo com o regressado Francisco Inocêncio (Nissan Navara Off Road), na frente de José Dinis Lucas (Mitsubishi Pajero).

Carlos Almeida (Nissan Pathfinder) foi o mais forte nos T2, Paulo Sousa (Mitsubishi Pajero) prolongou a sua época totalmente vitoriosa no agrupamento T8 e João Rato triunfou entre as Mazda BT-50 do Desafio Elf-Mazda.

NUNO MATOS E FILIPE SERRA OBTÊM PRIMEIRA VITÓRIA ABSOLUTA NO CPTT


Nuno Matos e Filipe Serra festejaram este sábado a sua primeira vitória absoluta no Campeonato de Portugal de Todo-o-Terreno, impondo-se a toda a concorrência na Baja TT Idanha-a-Nova, a quarta e penúltima jornada do calendário nacional da disciplina. Apenas três semanas depois de conquistar aquele que foi o primeiro pódio da sua carreira, graças ao terceiro lugar na Baja TT Proença-Oleiros, o piloto de Portalegre volta a fazer história na região centro do país, colocando o Astra Proto no primeiro lugar da geral após os mais de 300 km de percurso cronometrado delineado pela Escuderia de Castelo Branco. Após três títulos nacionais conquistados entre 2007 e 2009 (dois no Agrupamento T8 e um no Agrupamento T2) e a consagração mundial na Taça FIA de Bajas na época passada, Nuno Matos faz agora história ao vencer uma prova logo na sua temporada de estreia na categoria T1 e ao volante de um carro 100 por cento nacional. “É uma sensação incrível e um resultado que supera todas as minhas expectativas, até por ser conseguido diante de três Campeões Nacionais e numa prova tão longa e difícil”, começou por afirmar Nuno Matos à chegada a Idanha-a-Nova, após mais de 306 km de um setor disputado em linha e onde uma eventual paragem na Zona Assistência contaria para o tempo final. Mesmo sendo dos poucos pilotos a parar a meio da prova para substituir os quatro pneus do seu carro, perdendo quase 2 minutos para o então líder, a verdade é que Nuno Matos acabaria por ver a tua tática resultar na perfeição: “Preferimos jogar pelo seguro e desde o início que tínhamos planeado esta paragem. É claro que foi uma opção algo arriscada e que na altura nos custou o comando da prova. Mas, saindo com pneus novos para a segunda metade do percurso, pudemos manter uma toada forte até final, recuperando toda a desvantagem e ampliando mesma a margem para os nossos principais adversários”, explicou ainda o piloto, que concluiu a Baja TT Idanha-a-Nova com uma confortável vantagem de 4m46s para Miguel Barbosa, o novo e virtual Campeão Nacional de Todo-o-Terreno. Com este resultado, Nuno Matos e Filipe Serra saltam diretamente para a vice-liderança do Campeonato Absoluto, onde totalizam agora 43 pontos. “A par do título mundial conquistado no ano passado, este é seguramente um dos momentos mais felizes da minha carreira desportiva e que gostaria de partilhar com todos os elementos da equipa, pelo fantástico trabalho que realizaram, com os meus patrocinadores, por terem sempre acreditado no sucesso deste projeto, e naturalmente com a minha família e amigos, por todo o apoio que sempre me transmitiram ao longo destes anos”, prosseguiu o piloto, que fez ainda questão de enaltecer o trabalho do navegador, Filipe Serra. “É sempre o primeiro a incentivar-me e a puxar por mim. É um dos grandes responsáveis pela minha evolução como piloto e um elemento incansável neste projeto. Esta vitória é tanto minha como dele”, disse Nuno Matos, minutos antes de festejar no pódio


. A quinta e última prova do Campeonato de Portugal de Todo-o-Terreno, a Baja Portalegre 500, realiza-se entre os dias 25 a 27 de outubro...




NUNO DINIS

CAMPEONATOMONTANHA



Campeonato de Portugal/Rampa da Penha




João Fonseca voltou a vencer na Montanha



Com nova vitória na Rampa da Penha, João Fonseca reduziu novamente a margem para Paulo Ramalho, que voltou a ser derrotado pelo piloto do Silver Car. A três provas do final a diferença pontual poderá ser atenuada mas com dois segundos lugares, Paulo Ramalho (Juno SSE) atenuou ao máximo as perdas, e prepara-se para repetir o título do ano passado. Na Categoria 1, venceu Joaquim Teixeira, em SEAT Leon Supercopa.



Classificação:

1º João Fonseca (Silver Car CM08) (1º Cat. 2), 3m01,008s; 2º Paulo Ramalho (Juno SSE), a 1,429s; 3º Tiago Reis (BRC CM02), a 12,277s; 4º Joaquim Teixeira (SEAT Leon Supercopa) (1º Cat. 1), a 19,186s; 5º Mário Barbosa (Citroën Saxo Kit Car), a 19,777s; 6º João Barros (Citroën Saxo Kit Car), a 20,028s; 7º Nuno Guimarães (Mazda MX-5), a 26,385s; 8º Carlos Pires (Renault Clio Cup), a 29,789s; 9º Jorge Meira (Citroën Saxo Cup), a 29,847s; 10º Manuel Ferreira (Mitsubishi Lancer Evo VI), a 30,414s. Classificaram-se 26 concorrentes. Campeonato: 1º P. Ramalho, 119 pontos; 2º J. Fonseca, 87; 3º J. Teixeira, 56; 4º A. Nogueira, 48; 5º T. Reis, 45.



NUNO DINIS









CLUBE ESCAPE LIVRE




Nas Alturas Navegação 4x4 com balanço positivo




Carnes Rodrigues TT vence na Guarda



A equipa Carnes Rodrigues TT foi a vencedora da primeira edição do Nas Alturas Navegação 4x4, que decorreu este fim-de-semana na Guarda, com organização do Clube Escape Livre e da ACR de Fernão Joanes. À prova de navegação e orientação todo terreno responderam 16 equipas duplas, num total de 32 viaturas e cerca de 90 pessoas envolvidas, números que agradaram à organização, tendo em conta a actual conjuntura económica.
A busca de uma centena de waypoints (WP) distribuídos um pouco pelo distrito da Guarda revelou-se não só um desafio interessante, como a descoberta de algumas das mais belas paisagens da região.
Em dois dias de navegação e orientação com S. Pedro a proporcionar bom sol e calor, os participantes referiram, como principal dificuldade, o pó que tiveram que enfrentar. No primeiro dia registaram-se alguns incidentes, como o daquele participante que deixou descair o seu 4x4 para uma vala até ele virar completamente, ou ainda o choque entre duas viaturas, mas em ambos os casos, sem danos pessoais registar.
Uma das equipas com azar foi a Egiclínica TT, cujo piloto, José Rodrigues, considera que “a prova no global não correu muito bem por causa do percalço que tive. Houve um choque entre duas viaturas, a minha ficou bastante danificada e é óbvio que fiquei um bocado triste, mas arranjei outro carro e continuei”. No entanto, mostrou-se muito satisfeito com a organização.

No segundo dia, tudo correu melhor, apesar de o tempo para os WP ser mais limitado, o que exigiu estratégias mais apuradas.
Paulo Dias, um dos pilotos da equipa vencedora, a Carnes Rodrigues TT, que conseguiu 25.200 pontos (de um total de 36.250 da prova), afirma que “a prova correu muito bem. O segundo dia foi um bocadinho mais cansativo porque nos deitámos à sombra do primeiro lugar de ontem e da diferença que tínhamos. Por isso cortámos um bocadinho nos andamentos, não arriscámos tanto em termos de estratégia, tentando manter o avanço já alcançado.” O piloto considera que a organização “foi excelente, desde a montagem da prova, com sítios fantásticos, sejam culturais e paisagísticos. Havia waypoints com grau de dificuldade muito elevado, o que é bom para nós e para quem navega com carta e GPS sem cartografia. Esteve tudo muito bom”.
Destaque ainda para a “armada” Dacia, que participou com três equipas duplas, e cujos elementos, nunca tendo feito navegação e orientação, conseguiram o 11º, 13º e 15º lugar na classificação geral, arrecadando o prémio Fair-play TTVerde. Para Ricardo Oliveira, responsável da Dacia em Portugal, “isto, de alguma forma, serviu para provar que o Dacia Duster, que ainda é pouco conhecido, é mais do que um SUV tradicional de passear na cidade e é capaz de fazer todo o terreno a sério, como foi o caso desta prova”. O representante da marca remata, em tom de brincadeira, que “tendo em conta que todos os WP foram marcados pelo Dacia Duster, eles chegaram a todo o lado, foram os únicos a fazê-lo e até chegaram primeiro.”
João Oliveira, de uma das equipas Dacia, participou com a sua própria viatura, com a esposa e filha, reiterando a prestação do seu Duster: “Achei impecável, o carro portou-se muito bem e fiquei claramente satisfeito com a organização e com os WP escolhidos”.
Para o Director de Prova, José Pereira, “a organização mostrou-se à altura da exigência de uma prova com estas características e no dizer dos próprios participantes tudo correu bem.”

Já Luís Celínio, presidente do Clube Escape Livre, salientou que “foi uma parceria magnífica com resultados extraordinários. Vamos ver se podemos continuar no futuro e se assim for, ainda melhorar esta prova”.

A vitória da equipa Carnes Rodrigues TT foi secundada pela Proseries Desert Team / Camel Active, tendo a Exactaventura alcançado o terceiro lugar.





NUNO DINIS

PEUGEOT SPORT PORTUGAL




Bruno Magalhães em grande nível leva Peugeot Portugal ao “top 5”



Bruno Magalhães e Paulo Grave colocaram o 207 S2000 da Peugeot Sport Portugal no quinto lugar no Rali de Sanremo, com um desempenho de grande nível numa das provas mais emblemáticas do panorama mundial de Ralis. A dupla portuguesa esteve em destaque neste rali quase sempre discutido à décima de segundo e encerrou a época com mais 10 pontos, que permitiram subir para o nono lugar do IRC.
A última etapa do Rali de Sanremo, encurtada em consequência de um despiste de Freddy Loix (Fabia S2000), na ante-penúltima especial, que foi anulada, confirmou o bom desempenho da equipa portuguesa que esteve sempre no lote dos mais rápidos. Em particular, a recta final do rali foi de “nervo” para o piloto português, que rubricou o 3.º e 4.º tempo à geral, na penúltima e última classificativas.
A prova italiana mostrou que o ritmo no IRC está cada vez mais elevado. Se na frente, o jovem Thierry Neuville, da Peugeot Bélgica-Luxemburgo, venceu o rali com apenas 1,5 segundos de vantagem sobre o norueguês Andreas Mikkelsen - a terceira diferença mais curta na história do IRC -, Bruno Magalhães acabou a escassos 16,9 s. de Jan Kopecky (Fabia S2000), o comandante do campeonato.
Este desempenho demonstra a evolução que a equipa está a protagonizar. “Foi um rali espectacular. Sinto que demos um enorme passo em frente, fruto do trabalho que temos desenvolvido. Foi sem dúvida o nosso melhor rali de sempre fora de Portugal.”, começou por afirmar Bruno Magalhães. “Numa prova tão complicada e tão técnica como é Sanremo, fizemos ‘cronos’ espectaculares, perdemos troços por apenas 2 segundos e ficámos a 17 segundos do líder do campeonato e vencedor de dois ralis. Mais do que o 5.º lugar, que já é bom, estou muito satisfeito com o nosso desempenho.”, concluiu o piloto da Peugeot Portugal.
O início do dia foi, porém, difícil para Bruno Magalhães, que se viu impossibilitado de atacar durante a manhã, devido ao desgaste dos pneus, em particular na fase final das classificativas, altura em que a pressão subia de forma significativa, por o asfalto ser mais abrasivo do que na véspera.

Mas com os acertos efectuados pela equipa técnica durante a assistência, Bruno Magalhães regressou à estrada para uma tarde ao ataque e demonstrou-se aos adversários, quando o rali estava ao rubro. Alcançou o 3.º e 4.º tempo à geral e reduziu a diferença final para Jan Kopecky, que acabou em quinto.
Para Carlos Barros, Director da Peugeot Sport Portugal, “foi uma prova muito positiva e, sem dúvida, este é um bom resultado. Sabemos há muito tempo que o IRC tem um nível competitivo muito elevado e temos ainda algum trabalho para chegar aos primeiros, mas o Bruno mostrou que tem esse potencial. Mais uma vez, o nosso 207 não teve o mais pequeno problema, por isso a equipa está toda de parabéns. Sendo esta a última prova, agradeço a todos os patrocinadores que nos permitiram este projecto em 2011. Creio que é da maior justiça referir a Rede de Concessionários Peugeot, Peugeot Finance, Total, TMN, ERA, Gefco e Mulembeira.”
Com a presença em Sanremo, a Peugeot Sport Portugal conclui o seu programa desportivo deste ano, satisfeita por encerrar a temporada com este bom resultado.
Ao alcançar segunda vitória do ano (já tinha ganho na Córsega), Thierry Neuville deu novo triunfo à Peugeot, que já se tinha imposto em Monte Carlo e na Córsega. Nesta prova, a marca do Leão colocou cinco 207 Super 2000 nos oito primeiros lugares.



Classificação final

1.º, Thierry Neuville/Nicolas Gilsoul Peugeot 207 S2000 2.19,57,8
2.º, Andreas Mikkelsen/Ola Floene Skoda Fabia S2000 a 1,5
3.º, Brayn Bouffier/Xavier Panseri Peugeot 207 S2000 a 16,0
4.º, Jan Kopecky/Petr Stary Skoda Fabia S2000 a 1.09,1
5.º, Bruno Magalhães/Paulo Grave Peugeot 207 S2000 a 1.26,0
6.º, Alessandro Perico/Fabrizio Carrara Peugeot 207 S2000 a 3.47,8
7.º, Umberto Scandola/Guido d’Amore Ford Fiesta S2000 a 4.05,9
8.º, Pierre Campana/Sabrina de Castelli Peugeot 207 S2000 a 4.28,0
9.º, Toni Gardemeister/Tapio Suominen Skoda Fabia S2000 a 5.24,1
10.º, Giandomenico Basso/Mitia Dotta Proton Satria Neo S2000 a 7.26,9



FICHA DA PROVA

Rali – Sanremo

Data – 22,/24 de Setembro

Organizador – Automobile Club Sanremo

Estrutura – 524,10 km divididos por duas etapas: Sanremo – Sanremo (212,55 km); Sanremo – Sanremo (311,55 km)

PC – 13 (7 + 6) previstas, 12 (7 + 5) efectuadas

Extensão das PC – 225,77 km (116,09 km + 109,68 km), programados, 205,20 km (116,09 km + 89,11 km) percorridos

Percentagem das PC – 43,07 % regulamentada, 39,15 % concretizada

Inscritos – 60

Participantes – 57

Classificados – 44

Comandantes sucessivos – Andreas Mikkelsen, na 1.ª à 6.ª PC; Freddy Loix, na 7.ª PC; Andreas Mikkelsen, na 8.ª e 9.ª PC; Freddy Loix, na 10.ª PC; Andreas Mikkelsen, na 11.ª PC; Thierry Neuville, na 12.ª e 13.ª PC

Vencedores – Thierry Neuville/Nicolas Gilsoul (Peugeot 207 S2000)







Classificação do IRC, depois da prova italiana:



PILOTOS – 1.º, Jan Kopecky, 123 pontos; 2.º, Thierry Neuville e Freddy Loix, 103; 4.º, Juho Hanninen, 98; 5.º, Bryan Bouffier, 88; 6.º, Andreas Mikkelsen, 74; 7.º, Guy Wilks, 47; 8.º, Toni Gardemeister, 36; 9.º, Bruno Magalhães, 26; 10.º, Hans Weijs, 18; 11.º, Pierre Campana, 16; 12.º, Karl Kruuda e Michal Solowow, 15; 14.º, Patrick Sandell, 14; 15.º, Stéphane Sarrazin, 12 ; 16.º, François Delecour e Hermann Gassner, 10 ; 18.º, Ricardo Moura, Gyorgy Asi e Alessandro Perico, 8 ; 21.º, Julien Maurin, 7 ; 21.º, Nicolas Vouilox Luca Rossetti, Vítor Lopes, Criag Breen e Umberto Scandola, 6 ; 27.º, Giandomenico Basso, 5; 28.º, Bernhard Ten Brinke, Vítor Pascoal e Roman Kresta, 4; 31.º, Robert Batur, 3; 32.º, Robert Barrable, Sérgio Silva e Per Gunnar Andersson, 2; 35.º, Jean-Matheieu Leandri, Janos Puskadi e Fumio Nutahara, 1



MARCAS – 1.º, Skoda, 320 pontos; 2.º, Peugeot, 227; 3.º, Ford, 70; 4.º, Subaru, 51; 5.º, Mitsubishi, 49; 6.º, Proton, 34; 7.º, Honda, 28; 8.º, Abarth, 14.


Próxima prova do IRC – Rali da Escócia, de 7 a 9 de Outubro.




NUNO DINIS

CLUBE ESCAPE LIVRE




Rumo a Santiago!




Deslumbramento. A palavra que melhor define o IX Off Road ACP, o passeio todo terreno que decorre dentro de dias. À semelhança do que se pretendia com os peregrinos que chegavam à catedral de Santiago de Compostela depois do penoso sacrifício da viagem, também este passeio quer deslumbrar, não apenas com a arquitectura e a talha dourada da catedral, mas com todo um percurso criteriosamente preparado para o efeito.

De 30 de Setembro a 4 de Outubro, 150 sócios do ACP, em 50 viaturas todo terreno, fazem uma das mais interessantes viagens organizadas pelo Clube Escape Livre: de Trancoso a Santiago de Compostela, em cinco dias inesquecíveis, um percurso de mais de 600 quilómetros de cenários naturais excepcionais, de património cultural e religioso secular, de lendas e cultos, de artesanato e gastronomia diversificada.

Em Trancoso, entre as 16h00 e as 19h00, todos os participantes poderão ficar a conhecer de perto e experimentar o Mercedes-Benz GLK, um dos mais modernos SUV do mercado, com capacidades todo terreno e estrada. Este, não será, porém, o único modelo que a Finiclasse 2002, concessionário da marca em Viseu, vai pôr à disposição de todos os participantes.

Nesta viagem de todo terreno e de lazer e, para alguns, tão somente de fé, demarcam-se as visitas ao castelo de Trancoso, o Santuário de N.ª S.ª da Lapa (Sernancelhe), ao mosteiro de S. João de Tarouca, à Torre Medieval de Ucanha, à queda de água “Fisgas do Ermelo” (Mondim de Basto), à aldeia típica de Agra (Vieira do Minho), aos Santuários de Nossa Senhora da Abadia (Amares) e São Bento da Porta Aberta (Terras de Bouro), ao Mosteiro de Tibães (Braga) e à Igreja do Mosteiro de Oia (Espanha).
O remate desta viagem é acompanhado de perto por D. Manuel Felício, que realizará uma caminhada nos últimos quilómetros deste passeio até Santiago de Compostela. O bispo da Guarda irá depois concelebrar a missa na catedral, no dia 4 de Outubro, missa que é seguida da cerimónia do Botafumeiro, a purificação de todos os presentes e do local de culto através de um grande incensário controlado por uma corda.
Para Luís Celínio, presidente do Clube Escape Livre, “a expectativa é grande e desejamos que os sócios do ACP, o maior clube automóvel em Portugal, regressem a casa enriquecidos por esta vivência histórica e cultural, só possível com veículos todo terreno”.



O Automóvel Club de Portugal mantém a colaboração o Clube Escape Livre e tem o patrocínio Mercedes-Benz (viatura oficial), Turismo de Portugal, Bridgestone, Camel Active, SPAL, o apoio institucional das câmaras municipais da Guarda, Trancoso, Sernancelhe e Mondim de Basto, e a colaboração do Teatro Municipal da Guarda, Dom digital, RFM, Lusomotores, TTVerde, TSM, Todo Terreno, Off Road, Altitude FM e Localvisão.





NUNO DINIS

24H FRONTEIRA

As 24 Horas de TT Vodafone – Vila de Fronteira encerram mais uma vez uma época desportiva de todo-o-terreno.
Dado o enorme interesse que a prova proporcionou em 2010 e devido ao reduzido espaço para montagem de boxes, o ACP tem que limitar a participação a 90 concorrentes para 2011.
Assim, as 90 primeiras inscrições terão garantida a participação na prova, enquanto os restantes interessados ficarão em lista de espera e preencherão o lugar de alguma hipotética desistência. Alertamos para a necessidade da inscrição ser formalizada o mais cedo possível.
A disponibilidade de boxes extra só será equacionada a partir do dia 11 de Novembro e os interessados deverão manifestar o seu interesse no acto da inscrição.
Tendo como base os 17 km do Terródromo da Vila de Fronteira, iremos contar certamente com a adesão dos pilotos portugueses, bem como a presença dos espectaculares carros oriundos do campeonato de francês de resistência e o imenso público que, ano após ano, vai crescendo em número ao longo do circuito.



Novidades para 2011



• 5º Piloto

O ACP decidiu permitir a participação de um quinto piloto. Esta decisão vem ao encontro de uma série de solicitações de habituais participantes que consideram que o quinto elemento poderá ser um convidado ou patrocinador, que assim se acrescenta à habitual estrutura de 4 pilotos, que dividirão entre si o exigente esforço da prova.

Este elemento enquadra-se na equipa de forma normal cumprindo todas as exigências e regras do regulamento, nada o distinguindo dos restantes. A inscrição do 5º piloto terá um custo de 750€.



• Co-piloto

Mantém-se a solução dos anos anteriores em relação à presença de um co-piloto a bordo da viatura, mas a partir deste ano a participação do co-piloto implicará um valor de 100€.
Estes “co-pilotos” deverão ter obrigatoriamente uma licença desportiva regional ou superior, e estarem equipados como os pilotos e não poderão no decorrer da corrida ter qualquer tipo de intervenção mecânica ou de condução na viatura.



• Reconhecimento do circuito

Os pilotos poderão reconhecer o circuito no dia 24 (quinta feira) entre as 14h00 e as 17h00, em veículos normais (não é permitida a utilização de viaturas de prova).
No entanto, lembramos que o circuito não se encontra fechado e poderão encontrar outras viaturas no percurso, inclusive em sentido contrário ao da prova.



• Boxes e Paddock

Neste momento a Câmara Municipal de Fronteira está a desenvolver todos os esforços para melhorar a zona do paddock e pit lane.

Toda a área referida está inserida num projecto, já aprovado, e que neste momento só espera o desbloqueamento de fundos da CCR / QREN para que se iniciem as obras que compreendem o alcatroamento do paddock e outras melhorias na zona das boxes.

Caso não seja possível em tempo útil executar as obras atrás referidas, temos a certeza que tudo será feito para que as condições de acesso e circulação no paddock sejam bastante mais fáceis que as verificadas em 2010.



• RTP

Após um ano de interregno, nos directos, a RTP estará de regresso para transmitir a partida e chegada em directo na RTP2 e vários apontamentos de reportagem ao longo das 24 horas de prova nos também diversos canais do grupo (RTP1, RTP2, RTPN).





Classificações através de rede WI-FI



Para aceder às classificações a partir das boxes, basta ter um computador portátil com wi-fi.
A organização voltará a disponibilizar uma rede sem fios no local, para que todos tenham acesso aos resultados.





Voos de helicóptero



A organização propõe voos de helicóptero sobre o Circuito das 24 Horas TT.

As condições são as seguintes:

• Voos com duração mínima de 15 minutos
• Lotação máxima 4 pessoas
• Custo 400€ /15 minutos de voo


Acompanhe os seus ídolos ou proporcione aos seus patrocinadores e clientes 15 minutos únicos sobre a viatura da vossa Equipa. Este produto está disponível para participantes e público em geral.
Os interessados deverão contactar a Organização até dia 22 de Novembro





Programa



• Dia 24 Novembro – Acreditações das 14h00 às 21h30
Verificações obrigatórias para equipas estrangeiras e facultativas para equipas portuguesas (17h00 / 21h00)
• Dia 25 Novembro – Verificações e treinos livres e cronometrados
• Dia 26 Novembro – Warm-Up e Início da corrida (13h00)
• Dia 27 Novembro – Final da corrida (13h00) e entrega de prémios


Inscrições a preço reduzido: de 12 de Setembro a 11 de Novembro


T1 – T2 – Promo D e E 2.600€

Promoção C (T8) 2.300€

Promoção A 1.800€

Promoção B 1.600€



Nota: Inclui a taxa de seguro de responsabilidade civil. As inscrições recebidas entre 13 e 19 de Novembro, sofrem um agravamento de 500€. Os sócios ACP beneficiam de um desconto de 90€ (válido um desconto por equipa).





Público no Circuito



O sucesso desta prova, para além da participação de todos os seus intervenientes, deve-se também à presença maciça do público que, ano após ano, emoldura de forma significativa o Terródromo da Vila de Fronteira.
Para a edição deste ano serão mantidas as regras para o público assistir com maior segurança e comodidade à grande festa do todo-o-terreno: utilização unicamente dos caminhos, proibição de cortar árvores, recolha do lixo, circulação interdita com viaturas no interior do circuito, etc.
Os grupos interessados em acampar no interior do circuito devem contactar a organização para que, em conjunto, obtenham autorização junto do proprietário do terreno.





Patrocinadores e Apoios


Para além da Vodafone e da Câmara Municipal de Fronteira, o ACP com ainda com os apoios da Hertz, Fedima, jornal “A Bola”, Instituto Geográfico do Exercito, Rádio Portalegre, Konica Minolta, Fonte Viva e Ibermedia.


Esta e outras informações disponíveis em:


 
 
NUNO DINIS

BAJA VODAFONE PORTALEGRE 500




Uma nova classe para a Promoção




Procurando ampliar o leque de potenciais pilotos interessados em participar nas "Bodas de Prata" da Baja Vodafone Portalegre 500, o Automóvel Club de Portugal acaba de criar uma nova classe destinada à Promoção e designada por Promoção M.

As viaturas admitidas nesta classe terão um regulamento técnico idêntico ao da Promoção C e, para estarem habilitados a concorrer na Promoção M, os pilotos não se podem ter inscrito ou participado em qualquer prova do Campeonato Nacional do presente ano.

Os concorrentes da Promoção Especial partirão depois dos concorrentes T8: em primeiro lugar largará a Promoção M, seguida da Promoção A e por fim a Promoção B, com um intervalo mínimo de 5 (cinco) minutos relativamente ao último concorrente T8. A classificação será separada e não são obrigatórios a utilização do dispositivo de retenção da cabeça aprovado pela FIA (HANS) e o uso do Sentinel e do GPS-GSM. Os concorrentes da Promoção B efectuarão apenas o SS1 (prólogo) e o SS2.

A taxa de inscrição para a Promoção M será de 400 euros até ao próximo dia 7 de Outubro, passando para 900 euros a partir daquela data e até ao dia 14 de Outubro, incluindo já o seguro de responsabilidade civil e uma placa de assistência.



4 MINI INSCRITOS


Como acima foi referido, as inscrições a preço reduzido para a 25ª Baja Vodafone Portalegre 500 terminam apenas no próximo dia 7 de Outubro e as equipas têm aproveitado esta importante bonificação nos custo da sua participação para fazerem a sua inscrição.

E tudo leva a crer que as perspectivas competitivas das "Bodas de Prata" da mais tradicional prova de todo o terreno disputada em Portugal - e uma das grande referências do TT mundial - são as melhores, como o comprova o facto de já estarem inscritos nada menos do que quatro Mini para os portugueses Filipe Campos, Bernardo Moniz da Maia e Ricardo Leal dos Santos, aos quais se junta o mais que provável vencedor da Taça do Mundo FIA deste ano, o russo Leonid Novitskiy.

Mas a organização conta ainda engrossar esta lista com outros nomes de grande projecção no TT internacional, que tornarão bastante interessante a prova em termos de automóveis, já que os potenciais participantes nas duas rodas serão a melhor garantia para uma competição de alto nível, numa edição de festa e para a qual estão a ser preparados elementos que muito contribuirão para que os "25 anos de Portalegre" fiquem na memória de todos.



Todas as informações em http://www.bajaportalegre500.com/





NUNO DINIS

PAULO NETO SPORT




O resultado possível




Paulo Neto / Daniel Amaral terminaram na quinta posição do Campeonato de Portugal de Ralis 2L/2RM o Rali Centro de Portugal, um resultado que ficou um pouco aquém das expectativas da equipa para esta prova.
Terminar a prova acabou por ser a melhor notícia para Paulo Neto / Daniel Amaral no Rali Centro de Portugal. A prova até começou bem logo no primeiro troço, mas a segunda especial acabou por ser marcante devido a uma ligeira saída de estrada.
“Foi um momento que marcou todo o rali. Depois do toque, que não danificou o carro, acabamos por ficar com o Citroen DS3 muito desalinhado e instável, o que nos fez perder muito tempo” refere o piloto, acrescentando ainda que “na parte da tarde foram os travões a dar alguns problemas, ainda como consequência do toque matinal, mas como já não valia a pena arriscar acabámos apenas por assegurar a nossa posição na prova”.
Depois de uma semana muito difícil em que nem sequer pôde realizar testes, Paulo Neto afirma ainda que “não conseguimos alcançar o resultado que esperavamos, e por isso não saio contente desta prova. Sei que podemos ser mais competitivos e que o nosso carro nos permite andar mais depressa. Agora temos que pensar em Mortágua e esperar um resultado que esteja dentro das nossas expectativas”.

A presença de Paulo Neto / Daniel Amaral no CPR, CPR2 e no Citroen Racing Trophy, que tem a assistência técnica da P&B Racing, conta com os seguintes parceiros:

- VALADARES – Louça Sanitária
- SAINT GOBAIN – WEBER – argamassas industriais
- QUANTINFOR – Consultoria informática
- VITARTE – Produção gráfica
- CARAS DECORAÇÃO
- DIRESCO – Superfícies de Quartzo
- RESTAURANTE “O AMARAL”
- CARLOS SIMÕES - Concessionário Citroen em Mafra
- BANHOAZIS - Mobiliário de Banho
- LISTOR - Pavimentos Flutuantes
- TRES – Torneiras
- DOMINÓ – Indústrias Cerâmicas
- PAULO NETO, LDA – Materiais de construção



JOAO BICA
GIL NEVES

ANTONIO NOGUEIRA



Boas e más notícias para António Nogueira




António Nogueira percorreu dois caminhos distintos, durante o Circuito do Algarve 2. Um, o que o levou a subir ao lugar cimeiro do pódio por duas vezes, nas corridas do CPC e CPCC, no sábado. Outro, que o levou a lamentar a pouca sorte de abandonar prematuramente opor duas vezes – e logo nas mesmas corridas em que ganhara antes! No International GT Open, depois do 11º de sábado, a segunda corrida foi bem mais complicada.
Um triunfo na categoria GT2, na prova do Campeonato de Portugal de Circuitos, com o Porsche 911 GT2; outro, entre os H75, na corrida do Campeonato de Portugal de Clássicos, com Ford Capri RS 3100; um 11º e um 17º lugares no International Open GT, com o Marcos LM600 e fazendo dupla com António Coimbra. Este, o “sore” a ir directo para o palmarés de António Nogueira, no cômputo fina l da sua participação no Circuito do Algarve 2, onde esteve envolvido em três provas diferentes, com outros tantos carros diversos. Nas duas corridas do CPC e CPCC, abandonou ainda a primeira volta não tinha sido concluída. Por isso, não hesita em classificar a sua prestação por terras algarvias como… menos boa que má.



EM DIRECTO:

“O fim-de-semana teve um resultado que posso classificar de mais negativo, que positivo. Isto, apesar das duas vitórias que com segui no sábado - nos GT2, na corrida do CPC, e nos H75, no Clássicos. Apesar de tudo, penso que, se o Ford Capri não tivesse ficado sem amortecedores, poderia ter lutado com o Porsche do [Luís] Barros pela vitória. À tarde, apesar da minha equipa ter tentado arranjar os amortecedores, vi logo que o Capri continuava na mesma: logo no arranque, percebi que não ria longe e, para não piorar as coisas, decidi abandonar. Ainda no sábado, na corrida do Open, terminámos [com António Coimbra] em 11º, o que não foi muito mau, mas poderia ter sido melhor, pois quando levámos uma penalização estávamos em 9º da classificação geral, o que é de assinalar, com um carro como o Marcos, sempre muito difícil de pilotar.
O domingo, esse, é que correu mesmo mal. Logo de manhã, na prova do CPC, com o Porsche, arranquei bem e fui logo para a frente mas, na travagem, exagerei e fui passado por um Mercedes e pelo Audi. Na ânsia de recuperar, partir a transmissão do Porsche e tive que abandonar. Na prova do Open, arrancámos de último lugar e terminámos em 17º, por causa de uma saída que o engenheiro [António Coimbra] teve, durante o seu turno. O carro levou mais de uma volta a ser retirado da gravilha e, depois, eu nada mais pude fazer, pois o tempo perdido tinha sido muito.”




NUNO DINIS

ARMINDO NEVES




Objectivo atingido: Campeões!



Armindo Neves e Bernardo Gusmão são os novos Campeões de Ralis do Centro, depois de vencerem de forma categórica a penúltima prova pontuável para esta competição, o Rali Centro de Portugal 2011.
Nesta prova, a equipa de Armindo Neves que tem como patrocinador principal os Centros-Auto Roady e é ainda apoiada por mais quatro grandes empresas como “Premium Sponsors”, que são a Costa & Garcia com as ferramentas Beta, a SKF Portugal, a Krautli com as marcas Valvoline e Beru e ainda a Sonicel com a marca Sonax, dominou totalmente os acontecimentos.

A estratégia montada foi seguida à risca neste rali organizado pelo Clube Automóvel da Marinha Grande, com o piloto a dizer que “atacámos desde início como tínhamos previsto e só não estivemos na liderança da prova no final da primeira especial, pois nas restantes cinco provas de classificação fomos sempre os líderes e vencemos ainda quatro dos seis troços, beneficiando também da saída de estrada do nosso adversário e amigo Luís Mota, mas os ralis são mesmo assim e estes percalços podem acontecer a qualquer um. Fomos os justos vencedores desta prova e por consequência, do campeonato”.
Sobre o título absoluto, Armindo Neves diz que “ao inscrevermo-nos no Regional Centro bem antes de o campeonato começar, já era algo que tínhamos no horizonte, e com o desenrolar dos acontecimentos decidimos apostar tudo nesta competição. Logicamente estamos todos muito satisfeitos, até porque foi um resultado obtido frente a um adversário muito experiente e com muitos títulos ganhos, o que ainda valoriza mais esta conquista”.

Para Bernardo Gusmão, que este ano se juntou ao projecto, ficam os agradecimentos “especialmente a todos os nossos parceiros e amigos, que desde a primeira hora acreditaram no nosso projecto para 2011. O título é para eles que nos deram as condições para podermos lutar pelos nossos objectivos. Acabou por ser um ano muito positivo, concluído com um título. Quero ainda deixar uma palavra a toda a equipa que trabalhou desde o início de uma forma muito profissional e também aos nossos mecânicos que nos entregaram sempre um carro que ao longo do ano não deu qualquer problema. Estamos todos de Parabéns!”, conclui.
Terminada a temporada de ralis de 2011 para Armindo Neves / Bernardo Gusmão, a equipa segue agora para mais uma acção de promoção de todos os seus parceiros, com a presença no Motorshow do Porto já no final do mês de Setembro, nos pavilhões da Exponor, num evento que junta anualmente mais de 50.000 aficionados do desporto automóvel.

Para esta época, a equipa conta ainda com os seguintes apoios: Petroltorres-Combustíveis, Incopil Temperos, Glassdrive, J.Silva Lda., Garvetur, PR-Car, Franke, AR Vidal Racing, Xikane, GMC Sport e Jornal das Oficinas.




NUNO DINIS

ARC SPORT - RALLYE CENTRO PORTUGAL




PLENO PARA A ARC SPORT






Ricardo Moura alcança vitória absoluta

2ª posição de Vítor Lopes mantém objectivo

João Silva vence 2L/2RM

Hugo Mesquita bem adaptado ao Renault Clio R3



Foi um rali perfeito para a ARC Sport. A equipa de Aguiar da Beira não deixou nada por ganhar. Vitória inquestionável para Ricardo Moura e António Costa que levaram o Mitsubishi Lancer Evo IX a obter mais um sucesso em provas do Campeonato de Portugal de Ralis. Ricardo Moura fica agora mais próximo do título absoluto.
Vítor Lopes e Hugo Magalhães alcançaram o segundo lugar do pódio, resultado que mantém ainda intactos os objectivos de levarem o Subaru Impreza da ARC Sport ao título.
A cereja em cima do bolo acabou por ser colocada por João Silva e José Janela que, aos comandos do Renault Clio R3, alcançaram a vitória entre os carros de duas rodas motrizes, e o quarto lugar da classificação geral, conquistando embora os pontos relativos à terceira posição.

Uma prova exemplar que Ricardo Moura quer saborear antes de pensar nas contas do campeonato, embora a 4ª posição no próximo Rali de Mortágua seja suficiente para festejar o título.
“Primeiro quero festejar esta vitória e só depois penso em preparar a próxima prova. A ARC Sport está de parabéns pelo trabalho que fez comigo, mas também por todos os outros resultados positivos que alcançou nesta prova. Quero deixar também as minhas felicitações ao Vítor Lopes pela prova que efectuou. Estou muito contente com esta vitória, num rali que iniciámos com uma toada para discutir a vitória e onde se destacou a nossa luta com o Pedro Peres até ao seu abandono. De tarde, perante troços mais difíceis, com pisos diferentes e aderências mais complicadas, o ritmo foi naturalmente mais baixo, embora bem gerido, pois conseguimos sempre responder aos nossos adversários mais directos, quando se tornou necessário. Estou naturalmente muito feliz”, afirmou Ricardo Moura.

Vítor Lopes e Hugo Magalhães ainda discutem o campeonato. Depois do segundo lugar no Rallye Centro de Portugal, os objectivos tornam-se naturalmente mais difíceis.
“Esta prova não decorreu como eu esperava. Ainda é possível chegar ao nosso objectivo, mas está claramente mais difícil. Os problemas que tivemos com o turbo do Subaru e com os intercomunicadores durante o quarto troço deitaram tudo a perder, numa altura em que estávamos a melhorar muito em relação às primeiras passagens. Caso contrário, poderíamos ter lutado pela vitória até final”, declarou Vítor Lopes.


Para que tudo fosse perfeito, João Silva e José Janela levaram o Renault Clio R3 à vitória entre os carros de duas rodas motrizes, mantendo inviolado o objectivo de alcançarem o título de campeões nacionais de 2L/2RM, categoria que passaram a liderar.
“ Fizemos o que nos competia. O rali correu muito bem, pois conseguimos alcançar o nosso objectivo. Gostaria de realçar o trabalho executado pela ARC Sport ao longo de toda a prova. Acho que estamos todos de parabéns”, referiu, naturalmente feliz, João Silva.



Abraçando com entusiasmo mais uma experiência totalmente nova, o jovem Hugo Mesquita gostou de estar aos comandos do Renault Clio R3 da ARC Sport, conseguindo registar excelentes tempos em algumas das especiais da prova. Se não fosse o tempo perdido com dois furos, Hugo Mesquita e Nuno Rodrigues da Silva poderiam ter obtido melhor resultado.
“Foi mais uma experiência positiva, pois consegui uma adaptação rápida ao carro, que se mostrou bastante mais fácil de guiar que o Citroen. É sem dúvida um carro mais ajustado ao meu estilo de condução. Perdi mais de cinco minutos com os dois furos, caso contrário as contas poderiam ter sido outras. Ainda vamos decidir em relação ao carro que iremos utilizar na próxima prova, mas seja qual for a opção, será definitiva”, afirma Hugo Mesquita.

Um pleno alcançado pela ARC Sport no Rallye Centro de Portugal. Uma prova que não podia deixar Augusto Ramiro mais feliz.
“Foi tudo perfeito! Quero apenas deixar os meus sinceros parabéns a todos os pilotos que estiveram connosco, bem como a toda a nossa equipa”, afirmou o responsável pela ARC Sport.








NUNO DINIS

ANTONIO NOGUEIRA




Circuito do Algarve 2




António Nogueira venceu GT2 (CPC) e H75 (CPCC) no primeiro dia



António Nogueira teve um primeiro dia de corridas no Circuito do Algarve 2 bastante produtivo. No Campeonato de Portugal de Circuitos (CPC), venceu a categoria GT2 e, no Campeonato de Portugal de Clássicos de Circuitos (CPCC), foi o melhor entre os H75 na prova da manhã.

António Nogueira esteve empenhado em três provas diferentes, com três carros diferentes. No Campeonato de Portugal de Circuitos (CPC), onde correu a solo, utilizou o fiável Porsche 911 GT2, com o qual venceu a categoria GT2, terminando ainda em 6º da classificação da primeira de duas corridas que compõem a jornada.

António Nogueira participou também no Campeonato de Portugal de Clássicos de Circuitos (CPCC), com uma raridade: um Ford Capri RS 3100. Na primeira prova, caiu para 6º no arranque mas, depois, conseguiu recuperar até ao 2º lugar, levando de vencida, de permeio, a categoria dos Históricos 75 (H75). Infelizmente, não participou na corrida que encerrou o programa, já caía a noite sobre a pista algarvia.

Entre estas duas corridas, António Nogueira teve ainda tempo para participar na primeira das duas provas do International GT Open, onde alinhou com o poderoso Marcos LM600, que partilhou com António Coimbra. Largando do penúltimo lugar da grelha, conseguiu termionar a prova em 11º lugar, apesar de alguns probolemas surgidos durnate a longa corrida de 70 minutos.

Amanhã, António Nogueira tem mais duas tarefas pela frente: as segundas corridas do International GT Open e do Campeonato de Portugal de Circuitos.





NUNO DINIS

VODAFONE BP ULTIMATE TEAM




VODAFONE BP ULTIMATE TEAM REFORÇA LIDERANÇA




Foi com uma brilhante vitória na corrida de hoje que terminou o fim-de-semana do Vodafone BP Ultimate Team nesta 2ª visita da temporada ao Autódromo Internacional do Algarve.

Arrancando da 4ª posição da grelha de partida, a táctica dos pilotos do Mercedes SLS AMG resultou em pleno, cumprindo assim o principal objectivo de manter a liderança no Iberian Supercars Trophy e, simultaneamente, no Campeonato de Portugal de Circuitos.

A Miguel Barbosa coube fazer a primeira parte da prova, assumindo o piloto que “depois do resultado de ontem partimos para esta corrida confiantes que a vitória podia ser nossa. A estratégia passava por chegarmos ao final do primeiro turno de condução próximos dos nossos principais adversários e, nesse aspecto, tudo correu na perfeição. Sem dúvida que foi muito bom começar esta nova fase do Campeonato com mais uma vitória.”

A entrada para as boxes na mesma volta e colado à traseira dos seus opositores directos, permitiu então a José Pedro Fontes regressar à pista já na frente, conquistando assim mais uma vitória bastante emocionante “penso que merecemos esta vitória que vejo como uma justa recompensa pelo dia de ontem. Viemos para o Algarve com o objectivo de manter a liderança nas competições que estamos a disputar, sentindo a sensação de dever cumprido.”

O Circuito do Estoril 2 será o próximo desafio do Vodafone BP Ultimate Team, nos dias 8 e 9 de Outubro.
 
 
 
NUNO DINIS

DOMINGOS COUTINHO




Circuito do Algarve 2 (Históricos 71)



Domingos Sousa Coutinho venceu segunda corrida



Domingos Sousa Coutinho teve um dia de emoções fortes, no Circuito do Algarve 2, onde participou nas corridas do Campeonato de Portugal de Clássicos de Circuitos (CPCC), integrando o pelotão dos Históricos 71 (H71). O melhor que trouxe da pista de Portimão foi mais o triunfo nos H71, que o isolou ainda mais no comando do campeonato respectivo.
Mas nem tudo foram rosas para Domingos Sousa Coutinho. Depois de ter estabelecido o 2º melhor tempo entre os H71, atrás do inalcançável Lotus Elan 26R de Pedro Fins, o piloto da Brandini Racing viu a sua vida a andar para trás, estava a primeira corrida a meio. Nessa altura, saltou a correia do alternador do motor do BMW 2800 CS, provocando uma avaria na bomba de água, quando Sousa Coutinho estava com 13s de avanço, no comando dos H71. De imediato, rumou às boxes, para evitar males piores, daí saindo, com o carro em condições, apenas para a grelha de partida da segunda corrida, que teve lugar já caía a noite.
Domingos Sousa Coutinho teve, então, a sorte que não teve de manhã: quando rodava em 2º lugar dos H71, atrás do inevitável Pedro Fins, viu o Lotus Elan 26R atrasar-se com problemas na caixa de velocidades. Este facto permitiu-lhe carimbar mais um triunfo nos H71, tanto mais importante quanto Francisco Pinto, seu rival directo na luta pelo título, ficou parado logo no início da corrida.
Depois desta jornada, Domingos Sousa Coutinho ficou ainda mais isolado no comando dos H71, olhando agora para as duas jornadas que faltam (Estoril e Braga) com uma pressão diferente.

EM DIRECTO:

“De manhã, tive um enorme azar, quando abandonei com problemas graves depois de se ter soltado a correia do alternador. Nessa altura, comandava destacado os H71 e, como aconteceu ainda antes do meio da corrida, nem sequer cumpri os 70% necessários para me classificar. Felizmente, de tarde, as coisas mudaram. O BMW 2800 CS estava em perfeitas condições, mas era impossível apanhar o Lotus do Pedro Fins. No entanto, o azar que tive de manhã atingiu-o a ele de tarde, pelo que venci os H71 quando já não estava à espera. Agora, como o Sérgio Soares não veio e o Francisco Pinto desistiu na segunda corrida, fiquei ainda mais isolado no comando do campeonato. O que me deixa muito bem colocado para as duas jornadas que faltam para o final da temporada.”




NUNO DINIS