BRUNO MAGALHÃES

O Rali de Ypres revelou-se um enorme desafio para a nossa equipa, exactamente como prevíamos. Sabíamos de antemão que este seria um rali muito severo para os estreantes, com condições singulares e completamente diferentes de quaisquer outras a que estivéssemos acostumados noutros ralis de asfalto.

Por ser um rali tão estranho e diferente, onde não faltavam armadilhas, para nós a primeira etapa acabou por substituir os testes. Foi um dia em que tentámos perceber as particularidades dos pisos, ganhar confiança em prova e não perder muito tempo, o que não é fácil num rali tão rápido como este. Confesso que foi complicado encontrar os pontos de referência para travagens e a melhor maneira de entrar nos cruzamentos e nas curvas, porque qualquer erro teria um preço elevado, como se viu com tantas equipas a abandonar.
Após deixarmos para trás muitos quilómetros de prova, ficámos familiarizados com os diferentes tipos de asfalto que tínhamos pela frente e, com a travagem do nosso 207 já bem mais progressiva, entrámos na segunda etapa com um ritmo totalmente diferente. Já com maior confiança, conseguimos sempre imiscuir-nos entre os pilotos mais rápidos, no “top 5”, e recuperámos muito terreno. Confesso que ficámos animados com a nossa performance, e o mais importante é que voltámos a pontuar no IRC, o que neste caso se afigurava muito difícil antes da prova começar.
Foi realmente uma pena a penalização que tivemos, pois poderíamos ter terminado o rali como os melhores estreantes, mas ainda assim o balanço é claramente positivo. Ganhámos mais confiança para os dois ralis portugueses que se seguem e foi uma lição muito útil no nosso percurso de aprendizagem.


Um abraço a todos e até ao Sata Rali dos Açores


Bruno Magalhães



PAULO HOMEM
http://www.ralis.online.pt/



RALLYE VILA VERDE 2010

DOIS VENCEDORES NUMA PROVA SÓ

José Pedro Fontes limitou-se a vencer troços e a passear a superioridade do Porsche nos troços sinuosos de Vila Verde, alcançado a sua primeira vitória è geral com um GT, apesar de um ligeiro problema com o pedal da embraiagem


O verdadeiro vencer nesta competição pontuável para o CPR2, foi Adruzilo Lopes. Nem mesmo uma penalização no início do segundo dia, lhe retirou qualquer chance de vencer com algum à vontade, passando mesmo a liderar o CPR2 após 3 provas

Francisco Barros Leite terminou num rali em que o Seat nem sempre se dá bem, ficando com o segundo lugar no CPR2. Um excelente resultado depois de um início de temporada com dois abandonos

Paulo Antunes decidiu gerir a sua prova em função do resultado, nomeadamente no segundo dia, sendo claramente o mais rápido em toda a prova no Citroen racing Trophy

João Ruivo pressionou neste segundo dia, subindo uma posição na geral (a única nos 8 primeiros), somando pontos preciosos no CPR2, mas desta vez não esteve também como nas provas anteriores

Ivo Nogueira terminou a sua primeira prova da época nos CPR2, o que só por si é excelente para este jovem piloto, que tinha esse mesmo objectivo para Vila Verde

Frederico Gomes nunca teve o C2 R2 Max em boas condições, nomeadamente no primeiro dia, pelo que os tempos não sairam e o resultado final reflecte isso mesmo

A fechar os 8 primeiros Martinho Ribeiro fez o que lhe era possível, agora com o Clio R3, terminando uma prova onde pelo menos não cometeu erros

Destaque ainda para Armando Oliveira, com uma prova complicada, somando mesmo assim um ponto para o CPR2

Vitória nos Extra 2 para Renato Pita no seu Mitsubishi Lancer, enquanto nos Extra 1 Daniel Mariño num Ford Fiesta R2 levou a melhor

Vitória no troféu "Fiat(e) em nós e acelera..." para Luís Delgado que confirmou o título obtido nesta competição


PAULO HOMEM
http://www.ralis.online.pt/

PAULO NETO


Um azar nunca vem só




Paulo Neto / Daniel Amaral apostavam em terminar e pontuar no Rali Vila Verde para desse modo regressar aos bons resultados no Campeonato de Portugal de Ralis 2L/2RM e no Citroen Racing Trophy,mas tal não aconteceu.

O Rali Vila Verde foi demasiado curto para a Paulo Neto / Daniel Amaral, pois a dupla de Sintra não chegou a completar a segunda das treze especiais de classificação desta prova.
“O primeiro troço foi excelente, pois alcançamos um resultado muito bom que nos colocava entre os melhores tempos do Citroen Racing Trophy e que estava dentro dos nossos objectivos para esta prova” afirma Paulo Neto.
Porém, na segunda especial do Rali Vila Verde “demos um ligeiro toque numa zona rápida que foi suficiente para arrancar uma roda traseira do Citroen C2 R2 Max. Não compreendo como tal aconteceu mas são coisas que temos que aceitar nos ralis”, disse o piloto

Após o Rali Vila Verde, é altura de um pequeno balanço a meio da temporada, com Paulo Neto a afirmar que “os resultados não são aqueles que queríamos e que tínhamos como objectivo alcançar, pois temos duas desistências. Nas provas seguintes, todas em asfalto, teremos obrigatoriamente que terminar, pois continuamos a acreditar que conseguimos ser rápidos face aos restantes pilotos do Citroen Racing Trophy”.

A presença de Paulo Neto no Campeonato de Portugal de Ralis 2L/2RM e no Citroen Racing Trophy, conta com os seguintes parceiros:

- VALADARES – Louça Sanitária
- SAINT GOBAIN – WEBER – argamassas industriais
- QUANTINFOR – Consultoria informática
- M.C.D. GARCIA – Peças automóveis
- PROFILTEK– Divisórias de Duche
- VITARTE – Produção gráfica
- CARAS DECORAÇÃO
- MDM – Móveis de banho
- TRÊS-TORNEIRAS
- DIRESCO – Superfícies de Quartzo
- RESTAURANTE “O AMARAL”
- PULSAR – Relógios
- PAULO NETO, LDA – Materiais de construção


NUNO DINIS

ESCUDERIA CASTELO BRANCO

Depois do enorme sucesso da 1ª Prova Especial ECB, os sócios da Escuderia Castelo Branco desafiaram esta direcção para organizar com mais regularidade “CONVÍVIOS” deste género. Assim, a Direcção da Escuderia Castelo Branco decidiu organizar uma prova nocturna, designada por “Noite de Rotações”. Deste modo, podemos aproveitar a brisa da noite e sentir toda a adrenalina do desporto motorizado.


A prova irá realizar-se no dia 18 de Julho, a partir das 20h00.

Mais informações consulte:

http://www.escuderiacastelobranco.pt/


NUNO DINIS

KARTODROMO DE BALTAR

MUITO COMPETITIVO...



Se não fossem as corridas, teríamos tido um bom dia para ir à praia. Muito calor, bastante despique e um dia bem passado a assistir a grandes corridas, independentemente da categoria que estivesse em pista. De realçar também o excelente desportivismo com que os pilotos e equipas demonstraram, pois pelo menos em Baltar o comportamento deles é quase perfeito e quando na luta pelo melhor lugar, existe um excesso de qualquer participante, a decisão tomada pela direcção de corrida, é acatada com o maior fair-play, quer se concorde, quer não. Assim é que está certo.

No que toca à competição em si, o dia trouxe até ao pódio, João Maria Jorge na Iniciação, Ruben Rua agora na Evolução, João Ferreira na X30 Júnior e João Correia na X30, sendo curioso reparar que em todas as categorias a diferença máxima de tempo entre o mais rápido e o mais lento, nunca chegou sequer a um segundo, o que traduz um equilíbrio fantástico e verdade desportiva nos equipamentos de cada um. Neste dia, também compareceu na festa, o participante Duarte Santos, da Escola Nacional de Karting – Alfredo César Torres da categoria Baby que como estava sozinho realizou algumas voltas de demonstração no seu kart e ficou a promessa de ter companhia de mais alguns miúdos para que se realize então uma corrida, na próxima prova do troféu a Taça de Baltar em Setembro. Aproveitando a oportunidade, este foi chamado ao pódio, sendo-lhe entrega um troféu simbólico da mascote da ENK – Alfredo César Torres, o famoso Fred.

Fórmula Iniciação – Esta categoria foi com atrás referimos, um dos grandes atractivos do dia, pois voltou a contar com a presença do brasileiro Vítor Uchôa que embora não pontue para o troféu, por motivos da legislação em vigor, tem sido um habitue e agora também com dois pilotos espanhóis, Yago Rodriguez e Anxo Garcia que em muito valorizam a categoria. A vitória final pertenceu a João Maria Jorge que foi o mais rápido nos treinos e venceu as três corridas com todo o mérito mas teve sempre uma fortíssima oposição, ora de um, ora de outro. Quem chegou em segundo foi Simão Ventura, depois de ter sido terceiro e quarto na semifinais, demonstrando uma evolução constante, seguido de Gonçalo Coutinho de quem podemos dizer o mesmo, sempre a evoluir. Depois do trio da frente, aparece na final Vítor Uchôa em quarto, num dia em que não foi muito feliz, pois teve um toque na primeira semifinal e não teve no material um bom aliado, nunca conseguindo um bom acerto do conjunto. Anxo Garcia foi quinto mas esteve em bom nível durante todo o dia, sendo precisamente esta a sua pior classificação, depois de ter sido sempre segundo nas outras idas à pista, sendo seguido pelo rookie Pedro Rodrigues que em todas as corridas que fez até hoje, tem melhorado as suas performances, obtendo um honroso sexto lugar final, à frente de Francisco Lobo que foi vítima de uma penalização, por excesso de optimismo numa tentativa de ultrapassagem e de Hugo Gilde o mais prejudicado e vítima desse optimismo referido. Para finalizar uma palavra para o outro espanhol em pista Yago Rodriguez que voltou a não dispor de um set-up a pleno mas que no final dizia que na próxima corrida teria o problema resolvido.

Evolução – Ruben Rua, recém-chegado à categoria venceu sendo o mais rápido nos treinos, ganhando a primeira corrida e terceiro na segunda. O segundo Diogo Pinto, foi sempre o piloto mais rápido em corrida mas só venceu na segunda, isto porque só nesta conseguiu ser mais lesto na partida, desembaraçando-se dos seus adversários com a pista livre à sua frente, relegando Pedro Fernandes, sempre entre os mais rápidos para o último degrau do pódio. António Rodrigues surge no quarto lugar, depois de ter sido terceiro e segundo nas duas primeiras corridas, Ricardo Varela que andou sempre perto dos primeiros, na frente de Diogo Paiva Brandão, Ricardo Borges, o estreante Yohan Sousa que veio conhecer Baltar, Marco Faria e Diogo Ribeiro que pagam na pista o que denunciam na balança (uns kg a mais) e finalmente o azarado Francisco Araújo a quem tudo aconteceu neste dia.

X30 Júnior – João Ferreira vence de novo e pela quarta vez consecutiva, normalmente o mais rápido em pista e em grande forma, deixando a discussão dos restantes lugares para os seus adversários, com Ricardo Costa a subir ao segundo, sempre muito regular e combativo, na frente de Rafael Lobato também este muito regular e consistente, fechando o trio do pódio. Numa disputa constante com estes dois pilotos, surge Tiago Mota muito combativo, o regressado Duarte Mano e Miguel Costa em muito melhor forma, do que nas primeiras provas. Depois Ricardo Vila Nova que continua a sua aprendizagem neste seu primeiro ano de competição, Luciano Carvalho com um motor pouco colaborante e finalmente o também estreante Gonçalo Rodrigues que continua a sua evolução natural de quem está a começar, numa categoria em que os seus adversários já têm muita experiência.

X30 – Esta categoria está a crescer como era de esperar com a chegada de alguns pilotos novos (Miguel Martin, Paulo Moreira), alguns regressos de há alguns anos atrás (João Correia, João Oliveira) e com um grande nível competitivo alto. A vitória final foi do experiente João Correia com a concorrência sempre à espera de uma falha que nunca aconteceu... mas em que a sua vantagem nunca foi superior a escassos décimos de segundo para um lote onde, pontificavam Paulo Mendes que efectuou uma grande corrida na final do programa, de Carlos Coito sempre segundo até à corrida final em que foi terceiro, Diogo Sousa por duas vezes o mais rápido em pista e Diogo Gonçalves a ser vítima do seu próprio chassi, inferior à concorrência. Miguel Martin aparece no sexto lugar na sua corrida de estreia, Paulo Moreira é sétimo, João Oliveira que não disputou a segunda corrida e Luís Duarte que desistiu logo na primeira volta.
Na conclusão de um grande dia de boas corridas, temos de salientar a ausência de alguns participantes habituais, uns por falta de resultados escolares (castigos muito bem aplicados), outros por razões meramente pessoais que não interessam referir e outros ainda por impossibilidades profissionais. O que interessa é que os que estiveram, estiveram muito bem e satisfeitos.

Uma referência final pouco simpática para todos aqueles intervenientes do evento, a quem a carapuça sirva... devem deixar o Paddock como o encontraram... limpo, naturalmente com os pneus gastos e lixo em geral, da forma correcta. Existem contentores próprios de lixo no espaço e os pneus no mínimo devem ficar em lotes e não espalhados por todo o lado. Obrigado.









NUNO DINIS

MIGUEL OLIVEIRA


Miguel Oliveira vai preparar corrida em Aragón



Ontem e hoje, Miguel Oliveira vai treinar no circuito Motorland de Aragón, num traçado que marca presença pelo primeiro ano no calendário do CEV.
Recente vencedor nas 125GP, o piloto português vai rodar com o objectivo de conhecer a pista e de encontrar a afinação ideal na sua Aprilia, para a prova que tem lugar no próximo domingo 11 de Julho. Concluídos os exames nacionais, o piloto do Team Andalucía Cajasol, actual líder do campeonato, dedica-se agora somente à sua preparação física, conforme explica:
“Não conheço o traçado, mas pelo que tenho ouvido falar é bastante exigente devido ao calor que aí se faz sentir . Para isso, e como no ano passado em Valencia sofri uma enorme desidratação, estou a fazer a minha preparação na hora em que o calor é mais intenso. Por outro lado a equipa proporciona-me dois meios-dias no circuito, o que é bastante importante para encontrar as afinações bases para a corrida.”

Com a liderança do campeonato nas mãos, face a uma forte concorrência, o jovem da Charneca de Caparica vai querer dilatar a sua vantagem na tabela geral das 125cc e continuar na história do motociclismo nacional, como sendo o primeiro Português a liderar o Campeonato Espanhol de Velocidade.


NUNO DINIS

JOSE PEDRO FONTES


Eficiente, espectacular e vitorioso!




José Pedro Fontes continua na senda dos bons resultados com o Porsche 997 GT3 da Beta, tendo conquistado a sua primeira vitória nos ralis ao volante de um GT.
Mostrando sempre um grande domínio sobre o potente carro germânico, Fontes e Costa impuseram-se da primeira à última classificativa, terminado com uma vantagem de 2.12,3m sobre os 2ºs classificados.
No finl do Rali de Vila Verde, Fontes declarava que “viemos para esta prova com a convicção de que poderíamos vencer à geral. Entramos ao ataque desde a primeira classificativa para tirarmos o máximo partido da potência do Porsche. À partida da Super Especial de Sábado não nos livramos de um susto quando a embraiagem partiu, mas detínhamos uma vantagem confortável que nos permitiu segurar a liderança.”
Sobre o futuro, o piloto do Porto revela que “esta prova acabou também por ser um bom teste para o Rali Centro de Portugal. Penso que já atingimos um bom nível competitivo com este GT3 e estamos muito motivados para as provas da segunda metade do Campeonato.”

Jose Pedro Fontes e António Costa regressarão nos dias 18 e 19 de Setembro à estrada para a prova organizada pelo Clube Automóvel da Marinha Grande.


NUNO DINIS

ARC SPORT - RALLYE VILA VERDE


UMA VITÓRIA QUE GARANTE A LIDERANÇA




Adruzilo Lopes e Vasco Ferreira vencem CPR2



Renault Clio R3 da ARC Sport impecável durante toda a prova

Foi um domínio total para o Campeonato de Portugal de Ralis 2L/2RM. A dupla do Reanult Clio R3 mostrou-se irrepreensível, ao vencer 11 dos 13 troços cronometrados da prova organizada pelo Clube Automóvel do Minho. À excelente vitória conseguida por Adruzilo Lopes e Vasco Ferreira na sua categoria, juntou-se ainda um 2º lugar absoluto, atrás do Porsche 997 de José Pedro Fontes. Os objectivos foram totalmente alcançados.
“Estou muito contente com este resultado. Foi uma vitória importante, conseguida num rali muito difícil e que efectuei pela primeira vez. Em relação ao primeiro lugar da geral era impossível lá chegar, mas os nossos objectivos foram totalmente alcançados, pois para além da vitória na prova, passámos para a liderança do CPR2. Foi um rali bastante disputado, com adversários muito competitivos, mas no primeiro dia conseguimos obter uma vantagem confortável, para depois poder gerir ao longo da prova. A ARC Sport efectuou, uma vez mais, um excelente trabalho, garantindo um carro sempre muito competitivo ao longo dos dois dias de prova. Faltam três ralis para o final do campeonato, e queremos chegar ao final do ano com os nossos objectivos atingidos”, declarou Adruzilo Lopes.
Uma vitória incontestada obtida pela dupla da ARC Sport garante algum conforto para o restante campeonato. Adruzilo Lopes e Vasco Ferreira foram considerados a equipa do Rali de Vila Verde 2010.
“É de salientar esse facto”, afirmou visivelmente feliz, Augusto Ramiro, que acrescentou ainda: “Esta vitória garantiu a liderança do campeonato, que era o nosso grande objectivo. Quero dar os meus parabéns a toda a equipa da ARC Sport pela forma como trabalhou para mais este sucesso, provando-se uma vez mais, que o Adruzilo Lopes, em qualquer campeonato que esteja a disputar, é sempre um potencial vencedor”, concluiu o responsável pela equipa de Aguiar da Beira.

Adruzilo Lopes e Vasco Ferreira voltam a competir para o Campeonato de Portugal de Ralis 2L/2RM no Rali do Centro de Portugal, a disputar nos próximos dias 18 e 19 de Setembro.


NUNO DINIS

RALLYE RAINHA SANTA



Decorreu ontem ao final do dia e hoje de manhã a passagem dos concorrentes do Rallye Rainha Santa pelo concelho de Oliveira do Hospital, percorrendo assim algumas das estradas míticas dos ralis portugueses. Apesar de estarem todas asfaltadas e de ser uma prova de clássicos a nostalgia veio ao de cima aquando da passagem de carros como o Audi A4, o Renault 5, e o Alpine para mencionar os mais carismáticos.
Foi, sem sombra de dúvidas, muito bom voltar a ter ralis em Oliveira do Hospital.
Os concorrentes seguiram entretanto para os os concelhos vizinhos de Arganil, Góis e Pampilhosa da Serra.

IRC



Freddy Loix mantém liderança e Magalhães é nono


O belga Freddy Loix continua na liderança do Geko Ypres Rally, ainda que não tenham conseguido distanciar-se do segundo classificado, que é Kris Meeke. No entanto, bastante importante para as contas do campeonato, é o facto do líder da tabela pontual do Intercontinental Rally Challenge (IRC), Juho Hanninen, ter abandonado devido a despiste.
Numa etapa que tem sido marcada pelos troços bastante traiçoeiros e escorregadios, o Freddy Loix demonstrou grande à vontade, chegando à liderança de forma definitiva na terceira especial (apesar de ter sido o primeiro líder da prova), terminando o dia com 5,8 segundos de avanço. "Não estou no limite, mas ando lá perto", afirmou Loix no final do dia.
Apesar de ficar em segundo, Kris Meeke manteve-se sempre bastante perto, nunca deixando a diferença para o líder passar dos sete segundos. No entanto, para Meeke, mais importante foi a desistência de Juho Hanninen, na quarta especial, devido a despiste.
Jan Kopecky coloca o outro Skoda Fabia S2000 no terceiro posto, ao passo que Thierry Neuville continua em bom nível com a quarta posição. Pieter Tsjoen e Bernd Casier e Andreas Mikkelsen ocupam as posições seguintes, ao passo que Patrick Snijers é o oitavo.

BRUNO MAGALHÃES EM BOM PLANO


Bruno Magalhães conseguiu aumentar o seu ritmo ao longo das segundas passagens, ainda que continue longe dos lugares da frente. O piloto português continua a braços com a adaptação aos difíceis troços belgas, ocupando agora o nono lugar da geral, a 2 minutos e 14 segundos do primeiro, mas a cerca de sete segundos do piloto que está à sua frente, que é Snijers. "A primeira vez aqui está a ser muito difícil, mas estamos a melhorar", afirmou o piloto luso do Peugeot 207 S2000 no final da especial.
As seis primeiras classificativas do rali belga decorreram em rápidas estrada de asfalto, num rali difícil ditado por zonas muito estreitas, com longas retas feitas em sexta a fundo, que desembocavam em travagens a exigirem a primeira relação de caixa.
Bruno Magalhães saiu na posição número 19 e no início sentiu dificuldadea em encontrar as zonas de travagem ideais e a melhor aderência para o seu Peugeot 207 S2000, além de ter as estradas já bastante sujas no momento da sua passagem. Porém, o português teve um andamento que lhe permitiu fazer a primeira secção com tempos no top 10, melhorando nas segundas passagens pelas três classificativas, terminando o dia em nono lugar, a 2m14,8s do líder.
A dupla portuguesa é a segunda melhor estreante em prova, a seguir a Andreas Mikkelsen (Fiesta S2000), que ocupa o 7º. posto, 16,6s à frente do português. "Nada mau para primeiro dia. É a minha primeira participação neste rali e estou a conhecer as estradas. Estamos no top 10, quando arrancaram 25 carros S2000 entre 103 equipas, pelo que para já estamos satisfeitos. Na última especial tivemos problemas com os travões, mas está tudo "OK".", referiu o piloto da Peugeot Sport Portugal.

O primeiro dia da prova foi dominado pelos "especialistas" do campeonato IRC, com Kris Meeke (Peugeot 207 S2000) e Freddy Loix (Fabia S2000) a repartirem entre si as vitórias nas classificativas. O britânico venceu a primeira e a última classificativa, mas o belga construiu ligeira vantagem ao ser o mais rápido nas restantes quatro PECS.

Conhecido por ser rali onde é fácil ter um furo e sem qualquer margens para erros, o primeiro dia ditou 21 abandonos. Os mais sonantes foram os de Hanninen (Fabia S2000), com uma saída de estrada na quarta especial, e de Sarrazin (207 S2000), também a sair de estrada, na sequência de um furo na primeira PEC.

JOÃO BICA











ARMINDO ARAÚJO



ARMINDO ARAÚJO PREPARA PRÓXIMA PROVA EM FRANÇA


A menos de dois meses de alinhar na próxima prova, que elegeu para pontuar no PWRC (Rali da Alemanha entre 20 e 22 de Agosto), Armindo Araújo iniciará, na próxima semana na região de Alsácia em França, a primeira sessão de testes em pisos de asfalto com vista a preparar a segunda metade da temporada que contará com dois ralis em neste tipo de terreno e será decisiva nas contas do título.

O campeão e actual líder do Mundial de Ralis Produção vai conduzir, na próxima quarta e quinta-feira, um Mitsubishi Lancer Evo X totalmente novo, construído pela Ralliart Itália especificamente para estas duas provas. “A equipa construiu, de raiz, um carro com as ultimas especificações de asfalto e vamos, durante estes dias, testa-lo em duas classificativas distintas, com o intuito de retirarmos a maior informação possível. Temos que começar já a preparar os dois próximos ralis em asfalto, pois sendo uma novidade no PWRC este ano, vão ter um peso importante na luta pelo título. Queremos estar muito competitivos nessa fase do campeonato para conseguir lutar pelas vitórias”, começou por dizer o piloto tirsense.

A motivação e confiança de Armindo Araújo estendem-se por toda a equipa, que promete, pela voz do seu piloto, estar ao mais alto nível no regresso à competição. “Estamos a meio da temporada e a cumprir os objectivos a que nos propusemos no inicio do ano. Apesar de quase três meses sem competir, continuamos a trabalhar com determinação e certos que faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para conseguirmos revalidar o título”, afirmou o piloto que defende as cores da Galp, TMN, MCA, Lusitania Seguros e Mitsubishi Motors no PWRC.



NUNO DINIS








KARTING

Terceira prova do Aventura Empresas




Esta terceira corrida fica marcada pela estreia e resolução do problema dos calços de travão nos karts. Na verdade, foi estabelecida uma parceria entre o Parque Aventura e a Avanpeças que passou a fornecer travões da GALFER, arrumando definitivamente com o problema que se arrastava desde o início desta competição. Só uma equipa em todo o programa, necessitou de um ajuste rápido na afinação dos travão. Para além disto, a organização optou por montar em todos os karts os novos pára-choques traseiros que em muito ajudou no cumprimento dos horários, pois estes para além de serem bastante mais seguros, evitam que num pequeno toque os estragos sejam grandes. O circuito usado, voltou a ser o B, para na próxima prova que se disputa a 17 de Julho à noite, no circuito A.

Relativamente à prova,assistimos a nova vitória da A. Marinho Ouro/ MIR Portugal com a obtenção do primeiro e terceiro lugar, através de Luís Fernandes/ João Brites e Tiago Martinho/ Pedro Matos, respectivamente. A segunda posição foi para a equipa do IKF Team, que contou com Mário Dias/ Rodrigo Negrão e Jorge Cardoso/ Hernâni Lopes. A Ventilnorte/ Guedes Vieira, chegaram ao terceiro lugar através de Paulo Sampaio/ Luís Vaz e os irmãos Guedes Vieira, Filipe e Hugo, à frente da M&M de Marco Montenegro/ Alex Gonçalves pela Mark Team e Daniel Meireles/ Pedro Madureira da McNally, para na quinta posição ficar a Implamed de Miguel Martin/ Joaquim Felipe e Octávio Teixeira/ João Medeiros. As restantes equipas que só pontuam com um kart, ordenaram-se sob o comando da Sonicer Team, VG/ IKF III e pela AFS Team. Destaque para a ausência das duas equipas da Gobulling, que estiveram a disputar outra competição em que estão envolvidas, Capa Racing, WunProvit por motivos de ordem profissional.

Corrida 1

Mário Dias vence a corrida 1, depois de ter obtido a melhor marca nos cronometrados, onde foi secundado por Luís Fernandes, Luís Vaz, Pedro Matos e Filipe Vieira que entretanto viu os seus tempos anulados por falha de peso na balança. Na corrida, Dias vence, seguido de Vaz a menos de um segundo, numa disputa apertada mas sempre controlada pelo líder, deixando o terceiro e quarto lugar para outra luta similar entre Fernandes e Matos, assim como a disputa da quinta posição entre Miguel Martin e Jorge Cardoso.

Corrida 2

Tiago Martinho vence a corrida dois, seguido de João Brites, depois de terem sido somente terceiro e quarto nos treinos cronometrados, aproveitando o excesso de optimismo de Rodrigo Negrão que quis ganhar duas posições na curva 1, acabando em cima da relva. Hugo Vieira também se aproveitou deste incidente, chegando em terceiro lugar, relegando Paulo Sampaio que fez a pole-position para quarto e Joaquim Felipe para quinto.
Corrida 3

Com a inversão da grelha através da Super-Pole para os seis primeiros, Luís Fernandes vindo da terceira posição da grelha vence, recebendo forte oposição de Mário Dias que veio de sexto, Jorge Cardoso que arrancou a pole é terceiro, Luís Vaz é quarto e Filipe Vieira a fechar o quinteto da frente.

Corrida 4

Rodrigo Negrão aproveitou o facto de ter saído na frente e venceu a corrida, na frente de João Brites que ao partir de quinto, chegou até segundo, Hugo Vieira mantém a posição de partida e da corrida dois, no terceiro lugar, Tiago Martinho recuperou duas posições até ao quarto, para Paulo Sampaio fechar o top cinco.

Parabéns a todos os participantes, pelo brilhante comportamento, pois sem isso, não é possível manter-se o bom ambiente vivido no troféu e até à próxima prova na noite de 17 de Julho.















ZE CARLOS FERREIRA


CLUBE ESCAPE LIVRE


Rui Madeira conduz Ford Transit no Slalom de Castelo Rodrigo




O campeão Rui Madeira é o piloto que vai conduzir a Ford Transit Trophy, no XII Slalom de Castelo Rodrigo, que decorre a 3 e 4 de Julho.
Rui Madeira irá fazer uma demonstração com a viatura de competição da Ford, recentemente criada para participar no troféu da marca com o mesmo nome.
Ao lado do piloto vão estar jornalistas, a experimentar as emoções da velocidade, bem como algumas pessoas seleccionadas do público, mediante sorteio, na prova de sábado à noite.
Rui Madeira já foi campeão no mundial de ralis, o que, além de outras vitórias faz do piloto uma referência e um dos mais importantes pilotos do panorama nacional.

Refira-se que neste momento o Campeonato de Portugal de Slalom é liderado por António Alexandre, também até agora primeiro classificado na Classe A. O primeiro lugar da Classe B está a ser ocupado por Jorge Araújo e, na Classe D, por Pedro Mateus. Estes e outros pilotos já garantiram a sua presença no slalom de Castelo Rodrigo, tudo apontando para mais uma grande jornada de velocidade e perícia.


NUNO DINIS

RALLYE VILA VERDE 2010

         


Terminar e pontuar




Depois das emoções do Rali de Portugal, Paulo Neto / Daniel Amaral regressam ao Campeonato de Portugal de Ralis 2L/2RM e ao Citroen Racing Trophy, para disputar o Rali Vila Verde nos dias 26 e 27 de Junho, com objectivos bem definidos: terminar e pontuar.
Depois dos resultados menos positivos das duas últimas provas, Paulo Neto / Daniel Amaral querem terminar com os azares mais recentes, apostando numa boa exibição no Rali Vila Verde.
“Não nos falta ritmo competitivo, pois o Rali de Portugal nesse aspecto foi muito positivo para nós, mas temos que nos voltar a adaptar à condução em pisos de asfalto. Por isso vamos ter algumas cautelas iniciais no rali, pois temos como objectivo terminar a prova e pontuar nas competições em que estamos envolvidos” afirma Paulo Neto.
Quanto ao rali em si, Paulo Neto afirma que “é uma prova difícil, com dois dias distintos, que exige máxima concentração. Já a conhecemos de 2009, mas este ano decidimos ter novas notas pois com a experiência acumulada entretanto, pensamos que poderemos andar mais rápido este ano fruto dessa experiência”.
Após o Rali de Portugal, o Citroen C2 R2 MAX foi sujeito a uma profunda revisão, pelo que “vamos ter um carro competitivo, revisto e que nos dá garantias para atingir os objectivos a que nos propomos nesta prova. Destaco o trabalho da Carreto 18, na preparação do carro, tendo efectuado um excelente trabalho”.

A partir do Rali Vila Verde Paulo Neto irá contar com mais um parceiro que se junta ao projecto de 2010. Trata-se da marca de relógios PULSAR, parceiro com o qual a equipa irá desenvolver uma série de iniciativas até final do ano.

A presença de Paulo Neto no Campeonato de Portugal de Ralis 2L/2RM e no Citroen Racing Trophy, conta com os seguintes parceiros:

- VALADARES – Louça Sanitária
- SAINT GOBAIN – WEBER – argamassas industriais
- QUANTINFOR – Consultoria informática
- M.C.D. GARCIA – Peças automóveis
- PROFILTEK– Divisórias de Duche
- VITARTE – Produção gráfica
- CARAS DECORAÇÃO
- MDM – Móveis de banho
- TRÊS-TORNEIRAS
- DIRESCO – Superfícies de Quartzo
- RESTAURANTE “O AMARAL”
- PAULO NETO, LDA – Materiais de construção




NUNO DINIS

RALLYE RAINHA SANTA



Rali praticamente pronto para sair para a estrada.


Embora ainda a aguardar a aprovação do regulamento pela FPAK o Rainha Santa está em fase adiantada e praticamente pronto.

Com início às 17,30 horas de sexta-feira dia 25 de Junho, o RS 2010 parte de Coimbra para uma primeira secção que terminará à hora de jantar em Oliveira do Hospital, depois de atravessar os míticos troços de rali, conhecidos no mundo inteiro. Afinal Arganil já foi a Capital Mundial dos Ralis. Pelo meio em pleno coração da Serra do Açor uma paragem para retemperar forças, onde a organização convidará a caravana para um pequeno “pic-nic”.
Já depois de jantar voltamos à estrada e depois de um percurso inédito nas imediações de Oliveira do Hospital, voltaremos à Serra da Estrela, para chegarmos ao Hotel em Nelas cerca das 23,30 horas, onde mais uma vez convidaremos todos para um momento de convívio, acompanhado naturalmente do serviço de restauração.
Na manhã seguinte a grande secção do rali, com 4 horas e duração, leva-nos de Nelas a Góis, numa passagem pelo que há de melhor nos percursos de rali em Portugal. Num sítio onde inventar pode ser estragar, iremos percorrer as habituais encostas, já famosas no RS. No meio do trajecto e junto a um lugar conhecido pelos amantes de automóveis no mundo inteiro (a casa do PPD) estão convidados para mais um pic-nic.
Depois de almoço, voltaremos à Serra do Açor e faremos a ligação aos troços da Serra da Lousã e (em principio) a secção termina na vila da Lousã, onde jantaremos. Depois de jantar uma breve ligação a Coimbra deixa-nos no Parque Verde do Mondego (Docas) para um “WelcomeDrink” de encerramento.
No dia seguinte a habitual prova complementar, a distribuição de prémios num formato também diferente e o almoço final.

Estamos a inovar no formato, nos prémios e na componente social. Contamos convosco para fazer um rali diferente, um rali melhor, O MELHOR RALI.





NUNO DINIS

CLUBE ESCAPE LIVRE


XII Slalom de Castelo Rodrigo

Foi apresentada na passada quinta-feira, dia 17 de Junho de 2010, a edição de 2010 do Slalom de Castelo Rodrigo.
Novas experiências, mais público e mais emoções são as expectativas para o XII Slalom de Castelo Rodrigo, a decorrer nos dias 3 e 4 de Julho. Este ano a organização do Clube Escape Livre em parceria com a Câmara Municipal de Figueira de Castelo Rodrigo e o apoio do Slalom Clube de Portugal, quer novamente surpreender e ir mais além da já espectacular prova de perícia e velocidade que todos os anos atrai milhares de entusiastas até à aldeia histórica.
Para além das provas dos melhores pilotos de slalom do país, o XII Slalom de Castelo Rodrigo apresenta, este ano, um show inédito. Em Castelo Rodrigo vai estar a Ford Transit Trophy, uma viatura transformada e adaptada à prova de velocidade criada com o mesmo nome.
As emoções não serão exclusivas do piloto que estará presente em Castelo Rodrigo, pois a organização quer que jornalistas e público, este último mediante sorteio, experimentem as sensações de velocidade nesta extraordinária viatura de competição.
Tratando-se de uma prova que atrai pela velocidade e pela adrenalina, a organização quis ainda, com a colaboração da Best Travel da Guarda, presentear os espectadores que assistam ao slalom com um sorteio de dois baptismos de voo duplos.
Para além destas novidades, exclusivas do Slalom de Castelo Rodrigo, tudo aponta para uma jornada que vai surpreender com a velocidade e as perícias mais espantosas feitas pelos melhores pilotos a nível nacional, que disputam, este ano e pela primeira vez, o novo Campeonato de Portugal de Slalom.
Pelo menos é essa a convicção do presidente do Clube Escape Livre, que esteve ontem a apresentar os pormenores do evento na conferência de imprensa que decorreu na Finiclasse, novo concessionário Ford para os distritos da Guarda e Castelo Branco. Luís Celínio destacou que “mais do que integrar o Campeonato de Portugal esperamos que esta edição do Slalom de Castelo Rodrigo seja marcada pela discussão dos primeiros lugares entre os melhores pilotos nacionais e pelo espectáculo proporcionado pelo Ford Transit Trophy conduzida por um campeão do Mundo, que levará ao seu lado jornalistas e espectadores que, desta forma, viverão as emoções da velocidade”.
Já António Edmundo, Presidente da Câmara de Figueira, faz um balanço “muito positivo” das anteriores edições de slalom e salienta as suas vantagens para o concelho: “através do desporto automóvel estamos a divulgar as nossas potencialidades e nunca é demais vermos que estes nossos cantinhos são apetecíveis, apreciáveis e que devem merecer o nosso reconhecimento e divulgação”.

A prova mais antiga de slalom do distrito e a mais espectacular a nível nacional mantém, de resto, a sua habitual jornada dupla: uma etapa nocturna, no sábado dia 3 a partir das 20h, no Estádio Municipal de Figueira de Castelo Rodrigo e uma diurna no domingo à tarde, pelas 13:30h, no centro de Figueira.










NUNO DINIS

 

ARC SPORT - RALLYE VILA VERDE


PROCURAR A VITÓRIA




 Adruzilo Lopes e Vasco Ferreira estão confiantes


O Campeonato de Portugal de Ralis 2L/2RM leva o Renault Clio R3 da ARC Sport até às especiais minhotas do Rali de Vila Verde nos próximos dias 26 e 27 de Junho. Com o objectivo de lutar pela vitória na categoria, Adruzilo Lopes e Vasco Ferreira mostram-se optimistas.
“Queremos fazer um bom rali e tentar lutar pela vitória. É a primeira vez que faço esta prova, que é bastante diferente do habitual, com mudanças constantes de piso e velocidade, bastantes subidas e algumas lombas. Vai ser um rali difícil, com características muito especiais. Existe uma forte concorrência que também pretende alcançar um bom resultado. Pelo nosso lado, estamos prontos para enfrentar mais este desafio e tentar bater essa concorrência, com o entusiasmo habitual que nos caracteriza, para atingir os nossos objectivos”, afirma, com optimismo, Adruzilo Lopes.
O regresso do grande campeão à competição dá um ânimo acrescido à ARC Sport. A equipa de Aguiar da Beira regressa aos ralis com o piloto que lhe deu os dois últimos títulos nacionais no Agrupamento de Produção, nas duas últimas épocas.
“Espero poder vencer o rali, embora exista uma forte concorrência. O Renault Clio R3 está em excelentes condições, a nossa equipa pronta para fazer frente a mais um desafio. A nossa confiança no piloto e navegador é total, por isso só podemos estar confiantes”, concluiu Augusto Ramiro, responsável pela ARC Sport.

O Rali de Vila Verde arranca no próximo Sábado às 15h00 com sete especiais de classificação, tendo mais seis troços cronometrados agendados para Domingo.



NUNO DINIS

AÇORES


O REGRESSO DE ARTUR SILVA


Foi uma prova curta, mas com alguma emoção, a que se viveu ao inicio da tarde de domingo, e que deu a partida para mais uma competição na ilha Terceira, desta feita a que vai agrupar quatro super-especiais que comemoram em troféu os 35 anos do Terceira Automóvel Clube.


Na primeira saída do novo certame, que fez parte do programa desportivo das Sanjoaninas’10, Artur Silva e Paulo Jesus regressaram aos seus melhores momentos, impondo o Citroen Saxo Cup nos cerca de cinco quilómetros do percurso. O jovem piloto de São Mateus começou por ser segundo na passagem inicial, atrás do potente Mitsubishi de Hermano Couto, mas viria depois a beneficiar de um furo sofrido pelo veterano micaelense, que acabaria por se quedar pela terceira posição, quando tudo indicaria para uma vitória da maquina nipónica no traçado das Veredas. Artur Silva foi o único piloto a baixar da barreira dos 3 minutos, revelando um ritmo muito animado e uma condução precisa. Sem argumentos mecânicos para o mais perfomante Saxo vermelho, Fernando Meneses acabaria por ser um tranquilo segundo da tabela, até porque César Silva – outro dos favoritos – não passou da primeira tentativa, fruto de uma saída que lhe danificou a traseira do Citroen, formando-se o pódio com os melhores da categoria principal. Depois deles, e com alguma naturalidade, o casal Paulo e Andreia Veredas esteve imbatível entre os VSH, mas se o 306 mostrou que pode fazer ainda melhor, que dizer da prestação de Fábio Fontes, que não deixou chegar aos cinco segundos a diferença final para o potente 306? Foi possivelmente a melhor prova do jovem piloto, que parecia há bastante tempo arredado das boas exibições iniciais. Depois deles, Hélder Pereira fechou o pódio dos não-homologados, abrindo lugar para uma das sensações da prova – o que começa a ser um hábito… -, Adelino Sousa, a dar espectáculo com o Escort MK1, e fazendo relembrar os tempos em que os carros andavam de lado ali para os lados da Fonte Faneca e arredores. Bruno Corvelo levaria o Uno Turbo ao oitavo lugar, batendo o bem preparado AX GTI de Paulo Rocha. A fechar o Top-10, e ainda a sofrer das agruras do acidente no “Sical”, Jorge Sousa não teve o Corolla alinhado para mais, mas ainda assim bateu à vontade o carro idêntico de Isaías Costa. A seguir viriam João Paulo Simões, em Citroen, e Paulo Meneses, que protagonizou o momento de maior emoção da tarde, com uma saída na passagem de abertura, que ainda assim permitiu concluir a prova e que não passou de um susto… bem amparado pelos rails de protecção! 16 equipas concluíram a prova, que pecou apenas por ser curta demais no tempo de competição, mas as restrições assim o obrigam, esperando-se agora pelas restantes deste troféu, que tem, recorde-se, 25 conjuntos inscritos. Pelo que o número de presenças deverá aumentar já a 31 de Julho, nas Contendas.


ANITA E MIGUEL AZEVEDO
FÓRMULA RALI

CAMPEONATO REGIONAL RALLYES-AÇORES

Três vitórias em três provas para os bi-campeões açorianos





Mais do mesmo na Ilha Azul...


 
Ricardo Moura e Sancho Eiró venceram com plena autoridade o Rali Ilha Azul, a terceira prova da temporada, lançando-se a dupla numa mais que certa revalidação do título açoriano – que será o terceiro –, e ao alcançarem o seu terceiro triunfo consecutivo da temporada, curiosamente também o terceiro na prova faialense, onde se estrearam no mais alto lugar do pódio em 2008.
Moura andou o que precisava, até porque Gustavo Louro – o único que lhe poderia fazer frente nos rápidos troços escalados pelo Clube Automóvel do Faial – desistiu logo na primeira classificativa de estrada -, sendo que o homem do Team Além Mar não deixou por isso de estabelecer os melhores tempos em cada um dos troços da prova, melhorando mesmo visivelmente nas segundas passagens.
Aliás o bi-campeão deu logo o mote na super-especial da Praia do Almoxarife, estabelecendo o melhor tempo e fazendo logo crer que ia impor um ritmo alucinante, o que nem seria, de todo, necessário nas restantes oito tiradas do rali. A diferença de 2 minutos e 15 segundos para o segundo classificado no final espelha bem a supremacia exercida pelo conjunto do Lancer EVO9, assim como o enorme fosso que separa Moura da restante concorrência.
Com Louro a braços face a um arreliador problema eléctrico, que “calou” simplesmente o motor do Impreza N12 aos dois quilómetros da 2ª PE, as verdadeiras lutas passaram a travar-se pelos lugares seguintes à vitória, posição onde Pedro Vale esteve novamente em grande forma, conseguindo levar a melhor sobre Sérgio Silva - por 10,9 segundos -, isto apesar do piloto do Subaru até ter sido mais vezes o segundo nos troços, reaproximando-se de Vale nos últimos troços, e forçando um final mais rápido para o Lancer ex-Horácio Franco.
Um problema com um diferencial atrasou Silva de forma intermitente, mas está mais do que visto que – sem chegar aos triunfos – esta é a dupla de pilotos mais consistente do extenso “segundo” pelotão, numa prova concreta das valias obtidas na “escola” da Formula 3.
Autor de uma prova de grande nível foi Paulo Rego, que conseguiu ser um tranquilo quarto da geral – tendo mesmo andado pelo pódio ao final da manhã, e obtendo uma vantagem substancial para Rui Torres, o veterano piloto que fez um rali em crescendo, melhorando claramente o seu ritmo com o desenrolar do certame. José Paula ficou a apenas 5,5 segundos de Torres e do quinto lugar, uma posição que ocupou durante boa parte da prova. Foi uma boa actuação para o homem do Pico, que bateu Ricardo Carmo, mesmo se o terceirense ainda o pressionou na ponta final. Uma entrada em cena demasiado cautelosa e uma caixa de velocidades de série montada no EVO9 branco não terão permitido a Carmo um resultado melhor.
Menos feliz ainda esteve Luís Miguel Rego, que embora inexperiente na prova faialense, teve ainda de suplantar um incómodo problema que “acelerava” o EVO ex-Peres, pelo que o jovem piloto apenas conseguiu suplantar o faialense João Borges no tocante aos 4X4. Borges é aliás merecedor de elogios, já que apenas um furo na segunda de Jaime Melo/Ribeira manchou uma actuação muito positiva, até porque o seu conterrâneo Paulo Nóbrega esteve infeliz desistindo muito cedo, o que o deixou sem pressões como o melhor da casa.

 
A revelação do rali na Formula 3!

 
A fechar o Top-10 esteve o vencedor da Formula 3, uma categoria onde se adivinhava a natural luta entre o campeão Carlos Costa e o rápido Paulo Maciel. As apostas sairiam furadas, pois afinal foi Ruben Rodrigues – a disputar o quinto rali da sua carreira – que suplantou toda a concorrência, vencendo com algum à vontade, isto face ao abandono de Costa, que nunca liderou, e a uma tarde menos inspirada do Saxo de Maciel, que se estreava no Faial, e que acabou por pensar mesmo no campeonato, afinal Rodrigues não lhe roubava pontos e a colheita no canal dá-lhe agora a liderança regional da categoria. Mas o facto é que Rodrigues mostrou dotes e pode ser um caso a seguir nas próximas provas. Assim se deseja. Henrique Moniz ficou com o terceiro lugar entre os homens das duas rodas motrizes, à frente do local Nuno Oliveira, que levaria o pequeno Yaris ao triunfo na classe 5. Destaque ainda para a boa prova de Bruno Amaral, que sofreu um furo numa altura em que estava a poucos segundos de Henrique Moniz.


Na F2 só deu Faria…

Numa classe sem chama, e onde as ausências de conjuntos mais fortes deixam um vencedor antecipado com essa pesada responsabilidade, a verdade é que João Faria continua a ser a presença saudada em todas as provas, sendo que a isso o homem de Rabo de Peixe junta actuações com o ritmo habitual, imiscuindo-se mesmo em lutas com o segundo grupo da F3, mas sempre muito adiante dos seus “colegas” na categoria. No Faial foi novamente assim, com nova vitória para o Peugeot 206 RC, que deixou os irmãos Romeiro a quase nove minutos, o que é sintomático da sua superioridade.



VSH: A primeira para Paulo Costa

A história da prova dos não-homologados é relativamente simples de contar, pois se o campeão em título Milton Resendes venceu a super-especial de sexta-feira, foi Bruno Tavares a ganhar as quatro classificativas seguintes, garantindo um avanço de 59,7 segundos sobre o Subaru do local Paulo Costa, que à 6ªPE viu o líder da tabela parar por avaria – o que aconteceu pela segunda vez este ano ao homem do 205 GTI -, assumindo naturalmente o comando, e já com largo avanço sobre o Peugeot de Resendes, numa diferença que iria ultrapassar os quatro minutos na chegada ao pódio final. Na terceira posição ficou Henrique Ponte, também em Peugeot, numa categoria que perdeu cinco dos seus contendores durante as nove classificativas.



NUNO DINIS
FONTE: Anita e Miguel Azevedo - Fórmula Rali
Açores

RALLYE VILA VERDE 2010


Fontes muda o “chip” para ralis




Depois da brilhante exibição no Rallye Torrié há cerca de 4 meses, José Pedro Fontes está de regresso ao volante do Porsche 997 GT3 para a disputa do Rali de Vila Verde.
Organizada pelo Clube Automóvel do Minho, a prova pontuável para o Campeonato de Portugal de Ralis de duas rodas motrizes irá para a estrada no próximo fim-de-semana, percorrendo um total de 13 classificativas.
Com o objectivo claro de entrar na luta pela vitória, o actual Campeão Nacional de Velocidade assume que “é com grande motivação que vamos encarar mais uma prova ao volante do Porsche 997 GT3. Na prova anterior conseguimos ser muito competitivos, pelo que estamos muito confiantes quanto a objectivos. Vamos dar o nosso melhor para tentar entrar na luta pela vitória.”
Ainda relativamente ao Rali de Vila Verde, o piloto nortenho acrescentou que “o rali conta com classificativas muito rápidas, que nos exigirão uma grande concentração para tirar o máximo proveito da potência do GT3. Pelas suas características, o nosso carro é habitualmente muito acarinhado pelo público, para quem vamos procurar proporcionar passagens espectaculares.”

O Rali de Vila Verde terá início pelas 15h de Sábado, terminando no Domingo até ao final da manhã.

NUNO DINIS

RALLYE SANTO TIRSO CONVIDA 2010



Uma super especial citadina (nas ruas da cidade de Santo Tirso) é a grande novidade da edição deste ano do Rally Santo Tirso Convida, dia 18 de Junho, às 21h30.




O rally foi apresentado dia 19 de Maio, no salão nobre da Câmara Municipal de Santo Tirso. Presentes na cerimónia estiveram: Dra. Rita Queiroz, em representação da Santa Casa da Misericórdia, Carlos Cruz, da organização Clube de Desportos Motorizados do Porto, Castro Fernandes, presidente da câmara municipal e patrocinador do evento, e claro está a “alma” deste rali, o Campeão do Mundo de Ralis – Produção Armindo Araújo.

As forças de segurança – Bombeiros, PSP, GNR e Polícia Municipal – estiveram igualmente presentes e foram mesmo chamadas para a mesa da presidência, dado o seu importante papel neste evento: a responsabilidade pela segurança de todos.

O Rali “Santo Thyrso conVida” vai para as estradas do Concelho de Santo Tirso nos dias 18 e 19 de Junho e vai com medidas de segurança reforçadas.

Castro Fernandes chamou a atenção para este facto, reafirmando que o desenho do percurso foi muito bem estudado por Armindo Araújo em equipa com as forças de segurança e informou ainda que serão colocadas barreiras de segurança (jerseys e 2 km de grades). Os meios de emergência (bombeiros) estarão operacionais. Será um Rali com segurança máxima.
Uma outra novidade deste ano é a verificação inicial e a partida ocorrerem no Vale de Pisão, em Água Longa. A edição deste ano está pensada à medida das famílias e houve uma preocupação especial com o conforto e bem-estar de todos os que vão estar a assistir nestes dois dias a um importante evento que dinamiza o concelho.
O alcance deste rali está aliás demonstrado pelo apoio da Santa Casa da Misericórdia – este ano patrocinadora.
Castro Fernandes congratulou-se com todos os aspectos desta organização, com especial destaque para a super especial citadina que atrairá inúmeros visitantes ao concelho.
O presidente apresentou, desde logo, as desculpas aos moradores e comerciantes da zona onde vai decorrer a prova, garantindo que vai valer a pena. Será um momento único e apelou ainda à participação e colaboração de todos neste evento.
O Presidente da Câmara aproveitou a presença da Comunicação Social e de vários outros cidadãos que fizeram questão de assistir à apresentação para agradecer publicamente ao Campeão Mundial que desde há vários anos é a “alma” deste rali e que apesar de ser Campeão Mundial mantém a sua disponibilidade e a sua humildade para apoiar e participar neste evento do seu concelho natal. Apesar de não ser novidade, já que os outros anos também assim foram, Armindo Araújo informou que o seu navegador é novamente Castro Fernandes.

Um último apelo foi para o público que vai assistir: RESPEITEM AS REGRAS DE SEGURANÇA E PERMANEÇAM APENAS NAS ZONAS RESERVADAS À ASSISTÊNCIA.



RICARDO PEREIRA

CAMPEONATO REGIONAL RALLYES-AÇORES



Rali Ilha Azul vai para a estrada já no próximo fim-de-semana, com uma lista de 37 inscritos sendo 12 deles Faialenses (6 Campeonato dos Açores de Ralis e 6 do Campeonato Regional de Ralis dos Açores).




 
 
JOÃO BICA

CLUBE AUTOMÓVEL DO MINHO




RALLYE DE VILA VERDE 2010



Já começou a contagem decrescente para a 10ª edição do Rali de Vila Verde, prova que volta a ser pontuável para o Campeonato de Portugal de Ralis 2L/2RM, na estrada nos dias 26 e 27 de Junho, com organização do Clube Automóvel do Minho.

À semelhança do ano passado, para além dos interessados na prova nacional, vão disputar a prova pilotos que desejem correr como extra-campeonato, isto para além da novidade que é ter uma lugar uma prova de Regularidade Histórica e ainda uma Concentração Turística.

Em termos de Campeonato de Portugal de Ralis 2L/2RM, o CAM não mexeu no esquema e estrutura da prova que tão bons resultados tem dado. Assim, no dia 26 de Junho, já vão ter lugar sete Provas Especiais, entre as quais a que vai terminar o dia, ou seja, a Super-Especial de Vila Verde. Antes, os concorrentes terão passagens duplas pelos troços de Fojo, Duas Igrejas e Vade. No dia seguinte, mais seis troços para ficar completa a jornada, ou seja, também passagens duplas pelas especiais de Stª Ana/Mixões, Valdreu e Valbom. Os concorrentes da prova extra apenas têm uma passagem pelas classificativas em ambos os dias. Ao todo, a prova tem 205,12 quilómetros, com 109,09 a serem cronometrados.

As inscrições já estão abertas e encerram no dia 17 de Junho.

No que diz respeito à regularidade histórica, os concorrentes serão divididos em oito categorias e quatro classes. Dentro destas ainda existem mais três por cilindrada. O percurso conta 59,07 quilómetros, divididos em três provas de regularidade. Já na Concentração Turística, o objectivo é de reunir turistas sem carácter competitivo. O percurso é igual ao da regularidade e os concorrentes são divididos em sete classes.


Mais informações sobre esta prova e todas as actividades do Clube Automóvel do Minho em:

http://www.camminho.pt/





NUNO DINIS

ESCUDERIA CASTELO BRANCO






Quer conduzir um carro de corrida?

A Escuderia Castelo Branco facilita-lhe essa oportunidade!

Em continuação da comemoração do 46º Aniversário da Escuderia Castelo Branco, iremos realizar no dia 19 de Junho, a 1ª Prova Especial ECB, na qual daremos aos nossos associados, a possibilidade de experimentarem sensações de conduzirem um Seat Marbella em versão Rali.

Para mais informações contactem 964894757



CONTACTOS

ESCUDERIA CASTELO BRANCO
Praça Rainha D.Leonor, 3
6000-117 CASTELO BRANCOTel.: +351 272 327 979
Fax: +351 272 327 977



NUNO DINIS

NOTAS SOLTAS

- KKK DE REGRESSO AO WRC
O finlandês Juha Kankkunen vai regressar ao WRC e no "seu" Rallye da Finlândia ao volante de um Ford Focus WRC da equipa de Malcom Wilson, a britânica M-Sport. De relembrar que KKK esteve recentemente em Portugal, acompanhado de Nicky Grist onde venceu o Rallye de Portugal Revival num Ford Escort.

- PHIL MILLS ABANDONA WRC
O norueguês Petter Solberg terá que encontrar muito rapidamente um novo navegador e isto porque o britânico Phil Mills decidiu pôr fim à sua carreira de navegador de ralis e, segundo o próprio, pretende dedicar-se à família. É o final de uma "relação" conjunta de mais de 150 ralis a navegar o piloto norueguês, sendo que o ponto mais alto foi a conquista do WRC. Solberg vê-se assim deparado com uma situação nova já no Rallye da Bulgária. Fala-se nos bastidores em alguns desentendimentos entre os dois, pois é muito estranho este "divórcio" nesta altura do campeonato mas ambos já vieram a público desmentir tais boatos afirmando que tal deve-se apenas e exclusivamente a uma decisão pessoal de Mills.


- SARRAZIN RENDE OGIER
Sebastien Ogier era para disputar a próxima prova do IRC, o Rallye de Ypres, mas a sua ascensão à equipa oficial da Citroen fez com que tal não fosse possível pois a equipa tem agendado para essa mesma altura testes com o C4WRC tendo em vista as próximas provas do campeonato. Quem irá render o francês será Sarrazin e na mesma aos comandos do Peugeot 207 S2000 em que estava previsto Ogier participar. Será assim o regresso de Sarrazin ao IRC depois de ter disputado o Rallye de Monte Carlo.


NUNO DINIS

CLUBE ESCAPE LIVRE

WRC - RALLYE DE PORTUGAL

Boas tardes amigos e leitores,

Já se encontra disponível para visualização das fotos do Rallye de Portugal 2010.

Um enorme abraco.


Para visualizar o album...

VODAFONE RALLYE DE PORTUGAL

24 HORAS DE LE MANS



Peugeot perde as 24 Horas de Le Mans 2010




“NO PRÓXIMO ANO VOLTAREMOS PARA GANHAR A MAIS EXTRAORDINÁRIA CORRIDA DE AUTOMÓVEIS DO MUNDO”

A euforia da vitória Peugeot nas 24 Horas de Le Mans de 2009, este ano deu lugar a uma profunda desilusão, à medida que a corrida caminhava para o final, em particular quando se deu o abandono do 908 HDi Nº1, após 21h50 de luta de Anthony Davidson/Marc Gené e Alexander Wurtz pelo triunfo. A Peugeot dominou as primeiras 17 horas de prova, mas cedeu a liderança à Audi e acabou por perder a corrida, sem nunca abdicar da luta. “No próximo ano voltaremos para ganhar a mais extraordinária corrida de automóveis do mundo”, prometeu Olivier Quesnel, Director da Peugeot Sport. A Peugeot chegou a Le Mans motivada pela conquista de quatro dobradinhas consecutivas, e logo nas qualificações o 908 HDi FAP mostrou-se um adversário temível em rapidez, ao conseguir a quarta pole position consecutiva e ao arrebatar os quatro primeiros lugares da grelha, através de três formações oficiais da Peugeot e um Peugeot Oreca. Com a desistência do carro de Pedro Lamy, Sébastien Bourdais e Simon Pagenaud, ontem às 17h28, os outros três 908 HDi assumiram a frente da corrida, mas, já de noite, o carro Nº1 perdeu 13 minutos para mudar o alternador e o motor de arranque, caindo para a 7ª posição. Enquanto o Peugeot Nº 2 passava para primeiro, o Nº1 iniciava a recuperação e às 00h00 estava em 5º, depois de ter feito sucessivamente as voltas mais rápidas. Ao dobrar as 16 horas de prova, com tudo ainda por decidir sobre a vitória, o carro líder abandonou com o motor partido. A Peugeot depositou então as esperanças no resistente Nº1, que conseguiu chegar ao segundo posto, com um ritmo frenético em perseguição do líder da Audi, mas a 2h10 do fim o motor claudicou. O 908 HDi FAP do Team Oreca (Olivier Panis/Nicolas Lapierre/Loic Duval), então o único em prova, manteve durante horas a mesma filosofia de “caçador”. Em quarto lugar, manteve-se o mais rápido em pista e foi sempre recuperando terreno ao Audi R15 nº7. Sem nunca baixar os braços, a apenas 1h18m da bandeirada de xadrez, quando estava virtualmente a 16 segundos do terceiro lugar do pódio, deu por terminada a sua participação com o mesmo problema.

Foi o encerrar do pano para o “clã” Peugeot nesta prova de dureza extrema, que este ano atingiu uma velocidade média de 225 km/h, batendo os 222 km/h, estabelecidos em 1971. Foi a terceira vez na história das 24 Horas de Le Mans que se superou a média de 220 km/hora. “Desde os primeiros tempos do 908 HDi FAP, nunca tivemos estes problemas de motor. Vamos analisar as razões assim que regressemos a Vélizy” (Sede da Peugeot Sport), afirmou Bruno Famin, Director Técnico.
Para Olivier Quesnel, Director da Peugeot Sport: “Adoptámos um ritmo rápido, face a um adversário muito forte. Fomos mais rápidos, mas menos fiáveis, e o que interessa é a vitória, não a velocidade de ponta. Tudo se jogou na ponta da lâmina e desta vez ela caiu sobre nós. Viemos de quatro dobradinhas consecutivas, mas há sempre um dia em que se estraga o “bâton” e isso aconteceu hoje. Fizemos o que era possível para ganhar.” “A partir de amanhã vamos analisar o que não funcionou. Temos o direito de ficar desiludidos até hoje à noite, mas amanhã de manhã vamos voltar ao trabalho para estarmos mais fortes em 2011.” “Fizemos o que podíamos, mas fomos batidos. A Peugeot tem valores humanos e o nosso compromisso não depende de um resultado desportivo. Provámos a nossa audácia e mostrámos sempre a nossa ética. Foi uma grande desilusão, mas temos a nossa consciência tranquila.” “O veredicto chegou, é duro, mas justo. Agora é preciso fazer com que isto não volte a acontecer. Hoje perdemos esta luta, voltaremos no próximo ano para ganhar a mais extraordinária corrida de automóveis do mundo.”

Imagens em: http://www.peugeot-media.com/  (Photos/908HDi FAP/2010/24 Heures du Mans/Course) http://www.aifa.pt/  (Media/Ralis/Peugeot Sport Portugal/24 H Le Mans)  

NUNO DINIS

CAMPEONATO REGIONAL RALLYES - MADEIRA


VÍTOR SÁ VENCE RALLYE SANTA CRUZ E PÕE CAMPEONATO AO RUBRO NA MADEIRA


Vítor Sá e Nuno Rodrigues em Peugeot 207 S2000 foram os vencedores da quarta prova do Campeonato de Ralis Coral, o Rali de Santa Cruz. Esperando-se um rali animado desde o início, a prova organizada pelo Sporting Clube Santacruzense voltava a opor a equipa da Sá Competições a Miguel Nunes e Victor Calado que não foram nada felizes nesta prova e acabaram por desistir. Ainda nos primeiros metros da especial de abertura, a equipa que levava o nº 2 na porta do Peugeot 207 S2000 furava o pneu traseiro direito e alguns metros mais à frente dava um toque com a mesma roda e partia a mesma jante. Trocando a roda em pleno troço e perdendo mais de 4 minutos para o vencedor dessa especial, a equipa do Team de Ralis do CD Nacional ainda completou a 1ª secção mas acabou por entregar a caderneta antes da partida para as últimas 4 especiais já que optaram por deitar este resultado fora. Sem o seu maior adversário em prova, o pluricampeão madeirense acabou por realizar um rali descansado, sem grandes pressões e acabaram por controlar até ao final, vencendo o Rali de Santa Cruz e voltando a colar-se a Miguel Nunes no topo da classificação geral. De regresso aos seus melhores dias esteve Rui Pinto que não só consegue bater toda a sua concorrência por entre as viaturas de produção como ainda termina num excelente segundo posto da geral. Aproveitando uma desistência inglória de António Nunes que furou um pneu do seu Mitsubishi Lancer Evolution X e, quando tentou efectuar a troca, o macaco não funcionou, Pinto bateu nas últimas especiais João Magalhães e consegue em Santa Cruz a sua primeira vitória no campeonato. O homem do Evolution X, queixou-se da borracha na última especial e, ainda sem saber o tempo efectuado por aquele que levaria de vencida o Grupo N, mostrava-se desanimado e confessava que não seria suficiente para alcançar a vitória, terminandoa prova a 10,6 segundos do segundo posto, encerrando ainda assim o pódio. Quarto posto para o primeiro da Júnior, Samir Sousa, que consegue recuperar a vitória perdida na última especial do Rali de São Vicente e teve que suar para conseguir este resultado. Na luta que se alongou até ao último metro, o piloto do Renault Clio S1600 realizou um “forcing final” e os 4,8 segundos que acumulou no final da prova foram mais do que suficientes para vencer João Silva que, desta vez, teve mesmo de contentar-se com o segundo por entre os júniores e quinto posto na tabela classificativa final.Luís Serrado foi sexto e, apesar de conseguir acompanhar o ritmo do mais rápido por entre os S1600, terminou descontente por perder demasiado tempo para o Clio S1600 de Samir nas especiais com um declive mais anunciado, ficando a 20,8s do João Silva. Wilson Aguiar foi sétimo e voltou a levar de vencida o Rafael Costa, batendo sem dó nem piedade todos os seus adversários e impondo-se a Duarte Ramos que tripula um Peugeot 206 S16000 e foi oitava. Nono posto para um surpreendente Décio Aguiar que foi o único que ainda conseguiu acompanhar o ritmo do seu irmão e consegue, “em casa”, um excelente segundo posto por entre os C2. Efectuando uma operação em tempo recorde, Filipe Pires conseguiu encontrar uma centralina para o seu Citroën C2, colocou-a na Madeira hoje de manhã e conseguiu terminar no lugar mais baixo do pódio por entre o Rafael Costa e encerrou o Top10 desta prova.



LISBOA-PORTIMÃO-MARRAKECH




TEAM TANQUELUZ CHEGOU A MARRAKECH





Lino Carapeta e Rui António fazem um balanço misto

Terminou a primeira edição do Rally TT Vodafone-Estoril-Portimão-Marrakech. A mítica cidade marroquina recebeu os concorrentes em ambiente de festa, com Lino Carapeta e Rui António a fazerem questão em estar presentes nessa consagração, apesar do azar sofrido na etapa de ontem.
Nas cinco etapas disputadas em Marrocos, o Team Tanqueluz/Paredecar obteve quatro resultados bastante positivos, o que deixa a equipa bastante satisfeita, apesar do resultado final ditado por quase 200 horas de penalização. No último dia de prova a equipa obteve o 11º lugar, e o objectivo Marrakech foi atingido, com as soluções encontradas para a evolução do Bowler QT Wildcat a revelarem-se positivas.

“Estamos de facto satisfeitos com as alterações e evoluções efectuadas no carro. O regresso à competição neste último dia foi apenas para participar com desportivismo na chegada a Marrakech, acabando por fazer um balanço misto desta prova que foi excelente em termos organizativos. Tivemos etapas boas e más, o que faz parte das corridas, faltando apenas uma pontinha de sorte para que as coisas pudessem ter corrido melhor. Valeu a pena esta aposta e voltaria a participar sem qualquer hesitação”, concluiu Lino Carapeta.

Rui António fez a sua estreia como navegador em pisos africanos, tendo demonstrado uma excelente postura e uma evolução constante.

O Team Tanqueluz atinge o alvo Marrakech, depois de oito dias de intensa competição em Portugal e Marrocos, lamentando apenas os azares registados ontem e na etapa inaugural. Lino Carapeta e Rui António passaram mais um teste difícil, esperando já pelos próximos desafios.








NUNO DINIS